Por que o BB não vendeu sua carteira de ativos para sua própria securitizadora, comentário de Luiz Fernando Juncal

Antigamente, muito antigamente, no tempo em que havia um mínimo de vergonha na cara, o BB, com a finalidade de limpar o balanço, prática comum no mercado, vendia sua carteira de créditos vencidos para uma outra empresa, no caso a chamada Ativos S.A. que pertencia ao conglomerado do Banco do Brasil

Por Luiz Fernando Juncal
comentário no post Rubens Novaes, do BB, um cidadão sem rabo preso, a não ser com o BTG

Plural

Faltou o plural, não é 1 bilhão, com B de bananada, como diz o Ciro/Marcelo Adnet, mas quase 3 VISTOSOS BILHÕES, mais precisamente valor contábil de 2,9 bilhões, vendidos (doados) na bacia das almas por 371 milhões.

Limpeza de balanço – Antigamente, muito antigamente, no tempo em que havia um mínimo de vergonha na cara, o BB, com a finalidade de limpar o balanço, prática comum no mercado, vendia sua carteira de créditos vencidos para uma outra empresa, no caso a chamada Ativos S.A. que pertencia ao conglomerado do Banco do Brasil. Ficava tudo em casa. No presente caso, a Ativos S.A. não participou do regabofe, sequer foi convidada, ficou lá fora estacionando os carros.

QUEM SOMOS
Publicado 25/06/2018 15h06

A Ativos S.A. Securitizadora de Créditos Financeiros (Ativos S.A.) é uma sociedade anônima de capital fechado, de natureza não-financeira, pertencente ao Conglomerado do Banco do Brasil S.A.

Fundada em 2002, a Ativos S.A. foi criada com o objetivo de adquirir créditos oriundos de operações praticadas por diversos tipos de instituições financeiras, realizando a gestão da cobrança dos respectivos créditos. Além disso, tem como principal escopo de atuação ser parceira estratégica do Banco do Brasil na recuperação de créditos, com foco em créditos de baixo valor sem garantia.

A Ativos S.A. busca atuar com eficiência, na cobrança de créditos próprios, observando com rigor as relações jurídicas e éticas na condução de suas atividades, garantindo adequada remuneração dos capitais investidos pelos acionistas e criando condições para o desenvolvimento profissional de seus funcionários.

Leia também:  NTY: Uma mutação precoce tornou a pandemia mais difícil de parar

A empresa tem sede e foro em Brasília, Distrito Federal, e atuação em todo território nacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Por que nao venderam???
    Qual a dúvida chefe?
    BTG Pactual ~= P.Guedes.
    Mas tudo bem!
    Assim como o fato da sua irmã (do guedes) ser presidente da ANUP não representar uma falha moral ou ética (apesar da reiterada tentativa de precarizar o ensino público), que mal haveria em entregar alguns Bilhoes de risco a um chegado?
    Mas se fosse o PT óbvio que seria imoral, anti-ético, criminoso mesmo. Militares entrariam de prontidão prontos para defender o país contra mais esta ignonimia.
    Mas é o psl, guedes, bozo. Claro que está td certo. Tá no domínio!

  2. Alguma dúvida? Peguntem ao interventor do mercado, Paulo Guedes. Agora, a indagação é minha: desde quando e em que lugar do mundo as práticas desse ente difuso chamado mercado são honestas?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome