Safatle: ‘Brasil precisava quebrar ilusão de construir conciliações sem conflito’

Para o filósofo Vladimir Safatle, atual momento histórico mostra que o "pacto social" no país acabou, e a democracia ainda é algo a ser alcançado

Foto: Arquivo/Agência Brasil

da Rede Brasil Atual

Safatle: ‘Brasil precisava quebrar ilusão de construir conciliações sem conflito’

São Paulo — A Constituição de 1988 é costumeiramente descrita como um “pacto social”, um momento histórico em que o Brasil deixava para trás 21 anos de ditadura e almejava iniciar um período democrático, com as diferentes classes sociais unidas em torno de um objetivo em comum. Para o filósofo Vladimir Safatle, a eleição de Jair Bolsonaro (PSL), o crescimento do discurso de extrema-direita, os lucros da elite enquanto a maioria da população padece do desemprego, tudo isso junto mostra que o sonho acabou.     

“Ninguém tem clareza do que significa governar esse país hoje. O país é ingovernável. É um país que não tem mais pacto, sem condições de criar uma maioria”, analisa Safatle, em entrevista aos jornalistas Glauco Faria e Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual. “O modelo de conciliação da Nova República acabou. O modelo de governo da Nova República acabou.”

Por mais duro que seja, o professor livre-docente da Universidade de São Paulo (USP) acredita que o país tinha mesmo que passar pelo atual momento. Um período histórico em que cerca de 30% da população brasileira não só apoia as ideias de Bolsonaro, mas está mobilizada e sem dar mostras de que vai mudar de posição, independente do que aconteça, enquanto entre os outros 70% cresce a rejeição ao presidente, porém sem um processo de unificação de forças.

“O Brasil precisava quebrar as suas ilusões a respeito de si mesmo. Quebrar as ilusões de que podia construir conciliações sem nenhum tipo de conflito, que conseguiria compor algum tipo de processo seguro de transição à democracia sem levar em conta os crimes que o Estado cometeu e comete ainda hoje, e que passam impunes. O Brasil é o único país da América Latina que não colocou nenhum torturador na cadeia, e por isso é o país que tem o maior número de casos de tortura na América Latina”, explica o filósofo.

Como consequência da falta do “acerto de contas”, Safatle afirma que o Brasil tem hoje cidadãos “matáveis” e “não matáveis”. Há uma política de extermínio em curso nas periferias do Brasil, cujo sangue nos asfalto não sensibiliza parcelas da população. “Imaginar que com esse Estado brasileiro a gente conseguiria criar uma democracia demonstra o grau de ilusão em que a gente estava assentado. Não é que a nossa democracia está em risco, a nossa democracia nunca existiu. Ela existiu para uma faixa da população, enquanto a outra vivia num sistema medonho.”

Safatle acredita que a sociedade brasileira tem agora a tarefa de criar algo parecido com uma democracia, por meio de uma transformação radical do papel do Estado. “A função do Estado brasileiro, até hoje, foi gerir uma guerra civil surda. E nada disso permitiu que se criasse um projeto de coesão nacional, porque ele não existia.” Para ele, o governo de Bolsonaro começa a mostrar que o país está sem clareza do que quer, ainda que dê indícios do que não quer.

Acompanhe entrevista de Vladimir Safatle à Rádio Brasil Atual

5 comentários

  1. T nho acompanhado com certa admiração os seguidores desse governo e a apoio a tudo que está aí. Parece que são capazes de matar, não sei se morrer para pelo governo.
    No entanto isso não quer dizer que o país aceitaria um movimento semelhante a esquerda. Parece que os teoricos, intelectuais genuínos de esquerda, pensam que isso e possível. Uma revolução do proletariado!!!
    A história brasileira só aceita conciliação e governos fortes de direita ou como agora de direita, pois defendem Deus, a família e a propriedade.

  2. Para Nassif em entrevista a Juca Kfouri, Bolsonaro quer destruir o Estado Varguista (Ditadura Assassina Caudilhista Fascista) sem ter o que colocar no lugar. Tem sim. O fim deste Estado Ditador Golpista Absolutista Esquerdopata Assassino Fascista. O fim de Contribuições Sindicais Obrigatórias. Ditatoriais e Fascistas. De Sindicalismo Pelego. Ditatorial e Fascista. De CFM’s, OAB’s,…Ditatoriais e Fascistas. Indústria da Burocracia e Criminalização, Indústria das Multas e Radares. Ditatoriais e Fascistas. MEC e Feudos dentro de Universidades Públicas. Ditatoriais e Fascistas. Indústria do Analfabetismo. Cartórios. Feudos Parasitários dentro do Estado Absolutista Ditatorial. Para que serve Justiça do Trabalho? Para que serve Justiça Eleitoral? Eleições Obrigatórias? Biometria? Coronelato Nordestino Parasitário, os tais ‘Paraíbas’, que ascenderam juntamente com o Golpe Civil Militar Ditatorial Fascista de 1930, companheiros de todos Governos inclusive os progressistas Tucanos e Petistas ( Calheiros, Maia, Efraim, Coelho, Bezerra, Magalhães, Collor’s,…) Ou seja, caro Safatle, o Brasil há muito já perdeu a ilusão de criar conciliação novamente com o atraso, o fascismo, a ditadura, o Estado Parasitário e suas Elites destas 9 décadas miseráveis. Isto é Elite descartável que está esbravejando muito, mas descartável. Só não se deram conta ainda.

    1
    4
  3. A analise vai bem, até finalizar com a “ausência de projeto”. Ora os projetos estão aí: um, que foi derrubado, de redução das desigualdades, inclusão, cultura de Direitos, presença do Estado como indutor da economia, defesa do patrimônio e do conteúdo nacional, etc.; outro da “meritocracia”, da naturalização das desigualdades, do direito aa “meia boca”, do salve-se quem puder, do entreguismo, da prefaçao e da eliminação de qualquer critica como se fosse coisa de bandido, comunista, fracassado.

  4. Resumindo…
    grito é força e luta é potência

    reunir 100 mil insatisfeitos, mas apenas de vez em quando, não significa nada contra Bolsonaro

    protestos têm que ser rotineiros
    (aí sim estaremos lutando de verdade e não apenas querendo aparecer na TV)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome