Votação no exterior tem eleitorado recorde e menos seções

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Itamaraty decidiu fechar pelo menos 16 postos por “experiência negativa”; filas em Portugal e na França dão a volta no quarteirão

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A eleição presidencial de 2022 apresenta recorde de eleitores aptos para votar fora do Brasil, mas com menos seções aptas para receber os cidadãos por decisão do Itamaraty.

Segundo o jornalista Jamil Chade, do portal UOL, dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram um aumento expressivo no eleitorado brasileiro ante 2018: ao todo, 697.078 eleitoras e eleitores estão aptos a votar no exterior, um aumento de 40% ante a última eleição.

Entretanto, o governo de Jair Bolsonaro (PL) decidiu reduzir os locais de votação disponíveis em relação ao existente em 2018.

Segundo o Itamaraty, foram abertas 33 seções de votação em cidades diferentes daquelas onde as embaixadas e consulados estão localizados, sendo que 22 foram abertas pela primeira vez.

Após consulta, o Itamaraty constatou que a experiência em 16 localidades foi negativa, e sua repetição desencorajada. Porém, não se sabe quais foram os postos com tal experiência negativa.

A medida não só pegou muitos eleitores de surpresa como gerou revolta em países com grande quantidade de brasileiros, como a Itália. Para conseguir votar, eleitores acabaram tirando o dia para viajar ao local mais próximo.

Em outros países da Europa, a votação foi igualmente movimentada, com filas dando a volta no quarteirão em Portugal e na França, enquanto eleitores que moram na Suíça levaram mais de três horas para votar.

Leia Também

Prévias no exterior apontam vitória de Lula

Homem tenta fraudar urna eletrônica em Lisboa

TSE derruba sites por veiculação de fake news contra Lula

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador