Presidente da CDHM afirma para Onyx Lorenzoni que decreto sobre uso de armas “é um atentado à vida no nosso país”

Durante a noite, enquanto o ministro-chefe da Casa-Civil ainda era questionado na Câmara, o plenário do Senado aprovou, por 47 votos a 28, o parecer da Comissão de Constituição e Justiça do (CCJ) que pede a suspensão dos decretos do presidente Jair Bolsonaro

Foto: Fernando Bola

da Câmara dos Deputados 

Presidente da CDHM afirma para Onyx Lorenzoni que decreto sobre uso de armas “é um atentado à vida no nosso país”

por Pedro Calvi, da CDHM
A Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) participou como convidada nesta terça-feira (18) da audiência pública da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que ouviu o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O ministro falou sobre o decreto 9.785/2019, que flexibiliza o porte de armas (9.785/19). Ele foi convocado e, por isso, obrigado a comparecer.

Na abertura do debate, o presidente da CDHM, Helder Salomão (PT/ES), afirmou que o Decreto “revoga a Lei do Estatuto do Desarmamento, sem que o Congresso se pronunciasse e assinado pelo presidente da República sem consulta à população, um Estatuto construído de forma coletiva e que agora querem derrubar”.

Salomão destacou que, sob a ótica dos direitos humanos, itens do decreto podem trazer sérias consequências. Ele citou a permissão para a posse de até 4 armas sem a necessidade de justificativa, a liberação de armas de grande porte e do porte de armas para a população rural. Para o presidente da CDHM, a permissão para aquisição de 5 mil munições anuais por pessoa, cem vezes mais que o permitido atualmente, e a aquisição ilimitada de munição por atiradores e caçadores, são motivo de apreensão.

“Um estudo desenvolvido nos Estados Unidos mostra que a liberação do porte de armas aumentou em 13 a 15% os crimes violentos. Também lá, segundo a Academia Americana de Pediatria, nos estados onde há flexibilidade para o porte de armas ocorrem duas vezes mais mortes de crianças por armas de fogo”, informou Salomão. Ele lembrou também que há um amplo consenso que “mais armas significam mais violência”.

Leia também:  Xadrez das perdas brasileiras com o acordo EUA-China, por Luis Nassif

O presidente da CDHM ressaltou para o ministro-chefe da Casa Civil que, apenas em 2017, mais de 13 mil armas letais foram roubadas ou extraviadas e que não há controle do governo sobre essa situação: “Esse descontrole também sobre compra, venda e circulação de armas e munição torna o quadro ainda mais grave”. Salomão apresentou ainda a Onyx Lorenzoni números sobre a violência no país: “De acordo com o último Atlas da Violência, nos últimos dez anos, meio milhão de pessoas foram assassinadas por armas de fogo no Brasil. A Polícia Militar do Rio de Janeiro aponta que 47% das vítimas de feminicídio foram atingidas por armas de fogo”.

O presidente da CDHM disse ainda que, com o Decreto, “o governo  transfere para o cidadão comum a responsabilidade pela sua própria segurança. Consideramos que esse decreto é um atentado à vida no nosso país”, concluiu.

Durante a noite, enquanto o ministro-chefe da Casa-Civil ainda era questionado na Câmara, o plenário do Senado aprovou, por 47 votos a 28, o parecer da Comissão de Constituição e Justiça do (CCJ) que pede a suspensão dos decretos do presidente Jair Bolsonaro que facilitam o porte de armas. Com essa decisão, o texto segue para a Câmara dos Deputados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. O problema é que argumentos não convencem débeis mentais. Até porque liquidificadores são mais perigosos do que uma Glock.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome