TVGGN: O processo da Lava Jato teve graves abusos

Para o jurista Pedro Serrano, que participou do TVGGN 20 horas desta terça-feira, a Lava Jato foi o maior escândalo da história do sistema judiciário

No TVGGN 20H desta terça-feira (02), Luis Nassif repercutiu a abertura do ano judicial e o discurso de Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). O convidado do dia foi o jurista Pedro Serrano.

A cerimônia marca a volta dos ministros do STF do período de recesso e tem grande importância em um ano eleitoral. 

Serrano enfatizou que o discurso de Fux, acima de tudo, demonstra um compromisso da instituição com as eleições. O jurista diz que acredita na possibilidade de “confusão” da parte dos apoiadores de Jair Bolsonaro, e o STF, portanto, teria papel importante no controle dessa situação.   

“É evidente que o discurso de Fux tem um papel muito importante na defesa da democracia.” 

O jornalismo serviu ao poder do Estado

Ao falar sobre a Lava Jato, Pedro Serrano afirmou que a grande mídia teve postura antiética porque abriu uma competição de quem tinha mais acesso ao poder de Estado, ao invés de fazer um trabalho de investigação. “Não há nada mais antiético ao jornalismo e à democracia do que isso.”

Serrano complementa dizendo que a grande mídia não deu espaço para a “ciência do direito”. Para ele, enquanto o jornalismo não reconhecer o erro, não haverá espaço para democracia. 

Do ponto de vista jurídico, Pedro Serrano afirmou que o processo da Lava Jato contra Lula é ilegal e possui uma “roupagem jurídica” para um conteúdo político. “No meio acadêmico não houve dúvida em apontar que houve abusos graves.”

“É esse sujeito que a mídia elegeu como líder.”


Pedro Serrano ainda comentou sobre a postura de Sérgio Moro como juiz de direito e candidato à presidência e apontou falta de inteligência e articulação ao ex-ministro. 

“É de estarrecer que um sujeito desse tenha sido juiz de direito.”

Serrano finalizou dizendo que a defesa de Lula foi fundamental para colocar limites aos abusos que estavam acontecendo na Lava Jato, mas que eles são incontornáveis. “Eles abriram mão de valores morais essenciais.” 

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Eneas

- 2022-02-04 08:57:48

Quase no final da live, o Pedro Serrano menciona os 1,2 trilhão que o Banco Central 'deu' aos bancos e sugeriu uma auditoria, gostaria de saber do Luis Nassif, se le é a favor de uma auditoria sobre esse valor?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador