Chacina no Jacarezinho: Sobe para 29 o número de mortos

Segundo a Polícia Civil, vítima teria sido levada viva para hospital, mas não resistiu. Operação é a mais letal da história do Rio de Janeiro

Combate ao Racismo Ambiental

Jornal GGN – A Polícia Civil do Rio de Janeiro confirmou neste sábado, 8, a 29ª vítima fatal da operação realizada no Jacarezinho, na zona norte da capital fluminense, na última quinta-feira, 6. Segundo a corporação, vítima teria sido levada viva para hospital, mas não resistiu. 

Inicialmente, eram 25 mortos na ação, dentre elas o policial civil André Leonardo Mello Frias. Ontem, no entanto, mais três óbitos foram confirmados. Mais de 48 horas depois da operação, a mais letal da história do Rio de Janeiro, a Polícia Civil ainda não divulgou a identidade de 28 mortos.

Além disso, duas pessoas que estavam em um vagão do metrô parado na estação de Triagem foram atingidas por balas perdidas e ficaram feridas. 

A operação foi feita contra uma organização criminosa de 21 pessoas responsável por homicídios, roubos, sequestros e aliciamento de menores para o tráfico de drogas. Dessa lista, no entanto, somente três foram detidas e outras três foram mortas. 

O governador Cláudio Castro (PSC) defendeu a operação, dizendo que foi o “fiel cumprimento de dezenas de mandados expedidos pela Justiça”. 

Vale ressaltar que a operação, no entanto, foi realizada mesmo com uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) que proíbe este tipo de ação durante a pandemia da Covid-19, exceto em “hipóteses absolutamente excepcionais” e desde que devidamente justificadas ao Ministério Público. O MP do Rio foi avisado da operação somente às 9h, três horas depois de seu início.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora