Endividamento bate recorde e atinge 65% dos brasileiros

Pesquisa ouviu 18 mil consumidores e estima que, em média, 30% da renda dos trabalhadores está comprometida com dívidas

Marcelo da Costa é um dos brasileiros que tem parte da renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas passadas. / Vanessa Nicolav

do Brasil de Fato

Endividamento bate recorde e atinge 65% dos brasileiros

Vanessa Nicolav

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

Mais de 65% dos brasileiros estão endividados. É o que informa pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) no dia 9 de janeiro. O número é o maior registrado desde o estudo começou a ser realizado, em 2010.

Segundo a pesquisa, realizada em todas as capitais dos estados e no Distrito Federal, com cerca de 18 mil consumidores, a parcela média da renda comprometida com dívidas, é de 29,3%. O cartão de crédito é a principal causa do endividamento, mais de 79%. Em segundo lugar, vêm os carnês (15,6%) e, em terceiro, o financiamento de carro (9,9%).

Para José Silvestre, coordenador de Relações Sindicais do Dieese, o desemprego, as taxas de juros e aumento do custo de vida são as principais causas do endividamento.

“Como você tem uma concentração de renda, desemprego, queda na renda, é óbvio que as pessoas vão lançar mão do crédito para poder consumir, para poder viver. Não é porque as pessoas não sabem poupar, se planejar para fazer investimentos. É um problema de renda efetivo” afirma o especialista.

“Correndo para saldar dívidas”

Marcelo da Costa é um dos brasileiros que faz parte da estatística. Depois de ficar cinco anos desempregado, ele gasta 1/3 do seu salário, de cerca de R$ 800, com parcelas atrasadas do aluguel e de um telefone celular que adquiriu para conseguir o atual emprego.

Leia também:  A importância do setor de defesa para o desenvolvimento da sueca Ericsson, por Paulo Gala e Henrique Alvarez

“Eu tô com um trabalho, entregando panfleto, fazendo um bico, mas antes de começar a fazer um bico, comecei antes fazendo um dívida. E agora eu tô correndo contra o tempo para saldar essas dívidas e ficar limpo na praça”, afirma. Ele atualmente atua como temporário em uma agência de cursos profissionalizantes no centro de São Paulo (SP).

Edição: Rodrigo Chagas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Mas não era só tirar a Dilma que tudo se resolvia como um passe de mágica?
    Quer saber? Pobre tem mais é que se f***

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome