Fernando Castilho
Fernando Castilho é arquiteto, professor e escritor
[email protected]

Quem sonhou só vale se já sonhou demais…, por Fernando Castilho

A Inteligência Artificial resolveu o problema da gravação de Now and Then e McCartney a transformou na última música dos Beatles.

Quem sonhou só vale se já sonhou demais…

por Fernando Castilho

As últimas semanas têm sido dolorosas para quem escreve textos de cunho social e político. O genocídio levado adiante pelos governos de Israel e dos Estados Unidos ora em curso contra o povo palestino, principalmente crianças, penetra em nossos corações e mentes de forma tão brutal que se não tomarmos cuidado ultrapassaremos a fronteira entre a sanidade e depressão, o que, de forma alguma, contribui para a solução do problema.

Por isso, mesmo sem esquecer o que se passa em Gaza, decido escrever sobre um acontecimento infinitamente menos importante, mas que mexe com os corações de quem viveu bons momentos que agora ressurgem em nossas memórias.

Ainda me lembro muito bem, já que acontecimentos que mexem conosco de maneira forte tendem a permanecer na memória.

Era o ano de 1968 e eu tinha 14 anos apenas.

Não era na época ligado em música, muito menos nos Beatles, de quem havia apenas ouvido falar. A televisão não era uma mídia forte como é hoje e a Internet com suas redes sociais não existia. Em casa meu pai tinha uma vitrola com vários LPs de cantores como Frank Sinatra, Nat King Cole e Ray Charles, mas nada de rock, muito menos dos Beatles.

Mas na escola havia um frenesi entre os alunos sobre a banda e rumores de que uma nova e impactante canção tinha sido lançada. Quem traria a novidade era um disc-jóquei (não confundir com os atuais DJs) gordinho chamado Big Boy em seu programa noturno.

Naquela época as novidades musicais demoravam a chegar ao Brasil, já que era preciso importar os discos.

Influenciado pelos colegas, decidi levar pra cama o radinho de pilha de meu pai. Sintonizei na rádio e conheci, afinal a voz empolgante do Big Boy com seu bordão, Hello, crazy people! A todo momento ele anunciava que tocaria em primeira mão a mais nova e incrível música dos Beatles, mas o tempo passava e nada. A estratégia era fazer prender a atenção dos ouvintes durante uma hora aumentando a expectativa para a apoteose final.

E chegou a hora de ouvir Hey Jude.

Aquilo era diferente de tudo o que já tinha ouvido. Não entendia a letra, mas a música parece que dava uma indicação do que se tratava.

Foi como se a pressão atmosférica combinada com a gravidade de repente começasse a pressionar meu coração até ele se tornar tão apertado que parecia querer sair pela boca.

Enfim, veio o famoso refrão meio hipnótico “na-na-na-na-na-na-na-na-na-na-na-Hey Jude”. A música simplesmente não acabava. Aproximadamente 7 minutos de gravação!

Depois que o programa acabou foi difícil pegar no sono. No dia seguinte teria que conhecer essa banda e a professora de Inglês facilitou isso ao utilizar em suas aulas LPs do grupo para que ouvíssemos e tentássemos traduzir as letras.

Passaram-se décadas depois disso. Os Beatles se separam em 1970 e seguiram com suas carreiras solo. John Lennon foi assassinado em 1980, mais tarde, Yoko Ono em 1994 entregou a Paul McCartney algumas fitas demo do marido para que ele e os remanescentes as aproveitassem para lançar como músicas dos Beatles. Free As Bird e Real Love foram aproveitadas e lançadas na coletânea Beatle Anthology, mas Now and Then, pela má qualidade da gravação, foi descartada. Linda McCartney faleceu em 1998 e George Harrison em 2001. Uma legião de fãs acompanhou a banda durante 60 anos!

Escrevo tudo isso para ilustrar como, não só eu, mas toda uma geração dos anos 60, fomos “capturados” pelos Beatles. Quem pertence às gerações que se sucederam dificilmente compreenderá esse tipo de sentimento.

E eis que a tecnologia de Inteligência Artificial resolveu o problema da gravação de Now and Then e McCartney, trabalhando nela com Ringo e aproveitando o violão gravado de Harrison em 1994, a transformou na última música dos Beatles. Peter Jackson se encarregou de produzir um clipe incrível.

O cineasta de Senhor dos Anéis pegou pesado ao adicionar imagens dos Beatles quando jovens às atuais de Paul e Ringo, acrescidas das de George em 1994.

Enquanto a música rolava junto com o vídeo, 60 anos de fatos que aconteceram na minha vida desfilaram em apenas 4 minutos e 35 segundos! Impossível dissociar a banda da minha vida. Devo tê-la em meu DNA e não há como explicar a quem não viveu isso.

Como sempre, críticas estão aparecendo aqui e ali. Uma diz que Paul, movido pela ganância em faturar, usou Lennon e os demais. Ora, um astro do rock com 81 anos, detentor de uma fortuna estimada em 1,2 bilhão de dólares e que alcançou o máximo da fama, estaria mesmo procurando faturar?

Outra crítica afirma que se trata apenas de mais uma música de Paul e que nada tem a ver com Beatles. Faltam ouvidos atentos e background a essa gente. No clipe de Now and Then estão os elementos típicos das músicas dos Beatles, além de sutis inserções de A Day in the Life, Norwegian Wood, Eleanor Rigby e Because.

Tem gente também que se diz decepcionada por que esperava algo mais grandioso, talvez incomodada pela mediocridade das músicas atuais. Acho que a música não perfila entre as melhores de John. Realmente, nada tem a ver com Strawberry Fields ou In My Life. Porém, o tratamento que foi dado a ela com arranjos de Paul e de Giles Martin, lapidou um diamante bruto.

Fica muito difícil aos críticos atuais, sem terem vivido aqueles anos, sem terem sentido o que uma geração inteira vivenciou e se atendo somente a aspectos superficiais como a técnica (ah, modificaram a voz do John!), compreenderem.

Para encerrar, a imagem mais emocionante para mim é a do fade out no final do clipe. Aquela imagem dos 4 Beatles que vai desaparecendo aos poucos, indicando que se encerra definitivamente uma época, que o sonho acabou para sempre e que Now and Then é realmente o canto de cisne da maior manda de rock de todos os tempos.

Ao terminar de escrever, me vem à mente uma música de Beto Guedes e Ronaldo Bastos, Canção do Novo Mundo, cujas duas primeiras linhas dão título a este texto.

Quem sonhou
Só vale se já sonhou demais
Vertente de muitas gerações
Gravado em nossos corações
Um nome se escreve fundo
As canções em nossa memória
Vão ficar
Profundas raízes vão crescer
A luz das pessoas
Me faz crer
E eu sinto que vamos juntos

Oh! Nem o tempo amigo
Nem a força bruta
Pode um sonho apagar

Quem perdeu o trem da história por querer
Saiu do juízo sem saber
Foi mais um covarde a se esconder
Diante de um novo mundo

Quem souber dizer a exata explicação
Me diz como pode acontecer
Um simples canalha mata um rei
Em menos de um segundo
Oh! Minha estrela amiga
Porque você não fez a bala parar

Oh! Nem o tempo amigo
Nem a força bruta
Pode um sonho apagar

Quem perdeu o trem da história por querer
Saiu do juízo sem saber
Foi mais um covarde a se esconder
Diante de um novo mundo

Fernando Castilho é arquiteto, professor e escritor

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

Fernando Castilho

Fernando Castilho é arquiteto, professor e escritor

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador