Seis ministros do STF se dizem favoráveis ao juiz de garantias

Contudo, ter a maioria não significa que a regra receberá aval imediato para vigorar

Jornal GGN – Seis dos onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) mostram-se favoráveis à instituição do juiz de garantias, o que garante maioria a respeito do assunto em um eventual julgamento.

Segundo informações do jornal O Globo, a maioria não garante que a regra vai receber o aval imediato da Corte. O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, está no comando do plantão do STF até o próximo dia 20, quando fica responsável pelo julgamento de pedidos urgentes. Contudo, a segunda parte do plantão ficará a cargo do ministro Luiz Fux, que se mostrou contrário à norma por crer que o Judiciário não teria estrutura para tal.

Em outras palavras: caso Toffoli negue as liminares, as entidades que fizeram o ajuizamento das ações poderão recorrer no período em que o tribunal estiver sob o comando de Fux, que poderá decidir de maneira oposta.

Além disso, Fux foi sorteado para ser o relator das ações. – isto é, o ministro conduzirá as ações a partir da retomada das atividades regulares do tribunal, em fevereiro. Ele poderá preparar um voto e o liberar para julgamento diante dos 11 ministros, mas ele não tem um prazo estipulado para isso, o que pode resultar em uma liminar de efeito prolongado.

O juiz de garantias ficará responsável pelo acompanhamento e autorização de etapas dentro de um processo, mas não será responsável pela sentença. Atualmente, o juiz que acompanha o inquérito é o mesmo que determina a sentença no fim da investigação.

1 comentário

  1. Nassif, creio que o juiz de garantias só atua até a denúncia. Após esta fase sua figura se extingue.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome