Sem questionar, imprensa endossa terrorismo contra porteiro, por Marcelo Auler

A prevalecer a tese de que o porteiro cometeu crime, teremos criado no Código Penal Brasileiro – com a ajuda da grande imprensa – uma nova figura, bastante exótica, por sinal: o crime de premonição.

Ao simplesmente noticiar, sem questionar – ou, ao menos, pensar no que está divulgando -, a informação de que a Polícia Federal instaurou inquérito para investigar o porteiro do Condomínio Vivendas da Barra pelo suposto crime de calúnia e por um possível atentado à Lei de Segurança Nacional, a chamada grande mídia simplesmente endossou – sem qualquer questionamento, repita-se – o terrorismo montado pelo governo contra um pobre coitado.

A prevalecer a tese de que o porteiro cometeu crime, teremos criado no Código Penal Brasileiro – com a ajuda da grande imprensa – uma nova figura, bastante exótica, por sinal: o crime de premonição.

Toda a fúria do governo, materializada no ofício do hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro e, pelo jeito, endossada pelo Procurador-Geral da República, Augusto Aras, além de membros do Ministério Público Federal do Rio, volta-se contra o depoimento que o porteiro – ainda anônimo – deu na polícia, nos dias 7 e 9 de outubro.

Nas duas oportunidades, o funcionário do Vivendas da Barra apenas explicou o que registrou na ficha de controle de acesso dos visitantes ao condomínio, no dia 14 de março de 2018.

Registro do ingresso de Elcio Vieira no Condominio Vivendas da Barra, no dia do assassinato de Marielle e Anderson (Reprodução da TV Globo)

Qual seja, que Élcio Vieira, motorista do Renault/Logan, cor prata, placa AGH 8202, ao ingressar no condomínio às 17:10 hs do dia 14 de março de 2018, anunciou ir à casa 58. Dentro da sua função, o porteiro anônimo – mas, insiste-se, a esta altura apavorado – consultou os moradores da casa e ouviu o “OK” daquele que identificou como “Seu Jair”.

Leia também:  Mídia ignora participação dos EUA no caso Lula e continua "campanha de difamação"

O que esperavam que ele dissesse? Que negasse o que registrou? Qual o crime que ele pode ter cometido ao confirmar a anotação que fez? Queriam que mentisse? Forjasse uma nova versão?

Logo, se ele apenas confirmou – detalhou/explicou – o que anotou em março de 2018, como dizer que atentou contra um presidente da República que só seria eleito sete meses depois e só assumiria o cargo no início do ano seguinte?

Como admitir a intenção deste, hoje, amedrontado porteiro de atentar contra os poderes da República – exigência básica para o enquadramento na Lei de Segurança Nacional, um resquício da ditadura – no simples fato de confirmar a anotação feita 19 meses antes?Contra que Poder ele estaria atentando, naquela data, ao fazer esse registro? Só poderia ser ao Legislativo, pois o “Seu Jair”, se for mesmo o proprietário da casa 58, ou seja, Jair Messias Bolsonaro, na época era um deputado federal.

Continue lendo…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Inacreditável! O mal que olhos piscantes pode fazer ao país e, particularmente, a alguns brasileiros… E , chegando a ira paranóica, a um humilde porteiro…
    Baseada num vídeo de Cláudio Lembo do ano passado, curiosa pergunto: O QUE DIRIA HOJE CLÁUDIO LEMBO???

    https://youtu.be/gmGV2PLQTHk

    1
    1
  2. E a mídia não tem vergonha nenhuma em.massacrar a parte mais frágil, sem incomodar ou investigar, já que parte da mídia se acha Sherlock Holmes, para descobrir a verdade, e querem ser respeitados? A mídia nacional é canalha desde sempre, apenas caiu a máscara e hoje são, descaradamente, parciais…..

  3. Se o Porteiro não quisesse ser perseguido, mas incensado, bastava ele registrar que o Miliciano foi visitar não a casa da família que condecora milicianos, que não apenas emprega parentes de milicianos em seus gabinetes parlamentares mas era assessorada por Miliciano que gerenciava o Rachid, tem que tem funcionários fantasmas, que defende a legalização das milicias, mas que o Miliciano cúmplice do crime da Marielle foi para a casa do Lula, pois o Lula mora no mesmo condominio do verme assassinou covardemente a Marielle.

  4. Estou torcendo para que o porteiro e sua familia já estejam no serviço de proteção à testemunha.
    É muita covardia contra quem apenas cumpriu seu dever.

  5. A NASA e CIA estão atrás do porteiro também.
    Após 18 meses consegue lembrar quem o atendeu no interfone para dar autorização de entrada, num condomínio com mais de 50 casas, num horário de pico ainda -hs 17:10, note-se que não consta o nome de quem autorizou na planilha. O mesmo em depoimento que afirma que o – Sr. Jair – que estava em Brasília, atendeu ele.

  6. Marcelo Auler,

    A jornalista Leneide Duarte-Plon é co-autora, com Clarisse Meireles, do livro « Um homem torturado-Nos passos de frei Tito de Alencar »  Nesse livro ela descreve como à época do assassinato de Carlos Marighella toda a imprensa comprou a historia de que os frades dominicanos tinham entregue Marighella aos militares e foi um verdadeiro massacre. Fica registrado o editorial de O Globo sobre o caso com o titulo “O beijo de Judas”. Estarrecedor. Uma ode ao não-jornalismo. De la para ca, com vemos todos os dias,  a imprensa e o Globo não mudaram.  Esta semana ela voltou ao assunto em artigo na Carta Maior:
    https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Cartas-do-Mundo/Carta-de-Paris-50-anos-da-execucao-de-Marighella-e-a-farsa-da-%ABtraicao%BB-dos-dominicanos/45/45719

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome