Relação ruim com a China trava insumos para vacinas, admite governo

Ataques ao governo chinês aumentam temor entre pesquisadores sobre chegada de material para fabricação de vacinas; assunto foi tema de reunião ministerial

O chanceler Ernesto Araújo (esq.) e o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os ataques de integrantes da cúpula bolsonarista contra o governo da China nos últimos meses tiveram seu preço: a relação conturbada do Brasil com seu principal parceiro comercial compromete a chegada de insumos para a produção de vacinas contra a covid-19.

Segundo informações da CNN Brasil, a relação com os chineses foi abordada em reunião do presidente Jair Bolsonaro com ministros no Palácio do Planalto na tarde desta segunda-feira (18) – as incertezas também atingem o Instituto Butantan, uma vez que a vacina CoronaVac foi desenvolvida em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac e precisa do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) desenvolvido na China para produzir o medicamento no país.

Integrantes dos ministérios da Saúde e da Economia também acompanham o tema com cautela, por conta das negociações mantidas entre a Fiocruz e os chineses para a aquisição de IFA para produzir a vacina de Oxford/AstraZeneca no Brasil.

Um dos incidentes que estariam comprometendo as conversas teria sido o ataque do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao embaixador chinês em Brasília, Yang Wanming. Na ocasião, o filho do presidente Jair Bolsonaro acusou o Partido Comunista Chinês de espionagem, ao abordar a adesão brasileira à Clean Network, articulada pelos Estados Unidos para banir a Huawei dos serviços de tecnologia 5G.

Depois de estar à frente de ataques contra chineses, o chanceler Ernesto Araújo teria mudado seu posicionamento por conta da vacina, e também tem conversado com os indicados para obter 2 milhões de doses da vacina de Oxford.

 

Leia Também
Vacina da J&J gera imunidade duradoura, mostra estudo
Vacina da Índia pode levar até 3 meses para chegar ao Brasil
Com vacinação, Bolsonaro perde e Doria ganha popularidade nas redes
Exportação de vacina da Índia começa até quarta, sem informações sobre Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. E com a Índia o negócio não foi diferente. O irresponsável, na intenção de puxar o saco do Trump (que já está de saída do tabuleiro), o Brasil foi o único país em desenvolvimento a não apoiar a proposta da Índia para quebra de patentes de vacinas feita no ano passado. Nem tanto por isto, mas pela própria demanda da vacina, o Brasil ficou ainda mais afastado da vacina indiana. Talvez recebe uma carguinha, por questão de diplomacia indiana, mas de resto, culpabilização de quem promoveu com a família e seus “diplomatas” e asseclas, o prejuízo disto tudo.

    https://noticias.uol.com.br/colunas/jamil-chade/2021/01/19/india-falta-de-vacina-e-culpa-de-impasse-criado-por-brasil-e-paises-ricos.htm

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome