Gilmar sugere que Lula aguarde em liberdade o julgamento de habeas corpus

Diante da sugestão de Gilmar, a presidente da Segunda Turma do STF, ministra Cármen Lúcia, decidiu retomar o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Diante da extensa pauta de julgamento da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal nesta terça (25), o ministro Gilmar Mendes sugeriu aos colegas a concessão de uma medida para que o ex-presidente Lula aguarde a decisão sobre seu habeas corpus em liberdade.

A iniciativa de Gilmar ocorre após o magistrado avaliar que não haverá tempo hábil para concluir o julgamento das ações que interessam a Lula – a pedido da defesa, agora, os ministros terão de julgar 2 habeas corpus que estavam pendentes – ainda nesta sessão, a última antes do recesso do Judiciário.

“(…) tem razão o advogado quando alega o alongamento desse período de prisão diante da sentença de condenação confirmada em segundo grau. Como temos a ordem dos trabalhos já organizada, o que proporia ao tribunal é conceder uma medida para que o paciente aguardasse em liberdade a nossa deliberação concreta nesta turma”, completou.

Segundo relatos da Folha de S. Paulo, diante da sugestão de Gilmar, a presidente da turma, Cármen Lúcia, “decidiu retomar o julgamento do pedido de habeas corpus”.

Os ministros decidiram qual habeas corpus julgarão primeiro: o que pede que seja declarada a suspeição de Sergio Moro, ou o recurso que questiona decisão unilateral tomada pelo ministro Felix Fischer no caso triplex (que já está um pouco prejudicado, porque o julgamento no Superior Tribunal de Justiça, em colegiado, já ocorreu).

De acordo com a assessoria do Supremo Tribunal Federal, os ministros iniciaram pelo HC 165973, que fala da decisão de Fischer, e que já fora rejeitado em caráter liminar por Edson Fachin.

O julgamento dos HCs de Lula não tem transmissão ao vivo na internet porque ocorre na Segunda Turma da Corte. Apenas as sessões do plenário são divulgadas em tempo real.

Leia também:  LULA LIVRE: Os impactos simbólicos de um egresso prisional, por Samuel Lourenço

Em breve, novas informações.

O GGN ESTÁ EM CAMPANHA NO SITE “CATARSE” PARA LANÇAR UMA SÉRIE DE REPORTAGENS E UM DOCUMENTÁRIO INÉDITO SOBRE PREVIDÊNCIA, TOMANDO AS CONSEQUÊNCIAS DA CAPITALIZAÇÃO NO CHILE COMO EXEMPLO DO QUE O GOVERNO BOLSONARO DESENHA PRO BRASIL. PARA SABER MAIS E APOIAR ESSE PROJETO, ACESSE: www.catarse.me/oexemplodochile

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Diante da sugestão, retomemos o julgamento… a começar pelo caso do triplex, prorrogando o segundo (suspeição de moro) por falta de tempo… sadismo puro e arranjado!

  2. ALVISSARAS MEU CAPITÃO.TERRA À VISTA!SEM SOMBRA,MEDO E PESADELO,À VISTA A TERRA LIMPA E ABENÇOADA DA LIBERDADE.

  3. Mas o juiz não deve ser equidistantes das partes sob pena de suspeição. Gilmar Mendes acaba de sugerir uma liminar não pedida pela defesa, mas que esta aceitou prontamente. Mostrou que não é imparcial e que age para favorecer o Réu.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome