O futebol é um microcosmo que ilumina e reflete a realidade racial brasileira, por Sebastião Nunes

Se entre os atletas a igualdade racial sonhada por Mario foi alcançada, entre os que administram os clubes a democracia continua perdendo de 10 x 0

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, é branco, assim como seu antecessor, Eduardo Bandeira de Mello.

O presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, é branco, como seus antecessores Paulo Nobre, Mustafá Contursi, Affonso Della Monica e Luiz Gonzaga Belluzo.

Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, é branco, da mesma forma que seus antecessores, Alberto Dualibi e Mauro Gobbi.

Etc. Etc. Etc.

            Provavelmente os nomes estão corretos, mas não me preocupei com isso quando copiei e colei a partir dos sites dos clubes. Mais importante que nome e sobrenome, no caso, era verificar a cor da pele e, caso quisesse ir mais fundo, a origem dos ancestrais, que se pode inferir, em muitos casos, pela simples leitura dos sobrenomes.

            Voo de São Paulo de volta ao Rio. Os presidentes do Fluminense (que já foi o mais racista dos clubes brasileiros), Vasco e Botafogo são brancos: Mário Bittencourt, Alexandre Campello e Nelson Mufarrej. Pronto. Entreguei a ficha racial completa dos dirigentes dos quatro maiores clubes do futebol carioca.

            De São Paulo ainda faltam, dos grandalhões, o propriamente dito São Paulo e o Santos, para completar o quadrilátero de ouro.

            Vejamos. José Carlos Peres, presidente do Santos, é branco. O presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva é… branco!

 

ESTÁ FICANDO CHATO?

            Está. Pelo menos no Rio e em São Paulo, os que dirigem o esporte através do qual Mario Filho vislumbrava a alforria de negros e mulatos brasileiros, numa espécie de democracia racial pela habilidade com a bola nos pés, são brancos, quase como se a Casa Grande houvesse se deslocado dos latifúndios para o futebol.

            Referi, por enquanto, apenas os mais poderosos clubes dos dois centros maiores. Podemos, para espairecer, viajar por Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia, Pernambuco e Ceará, que concentram o restante dos principais clubes de nossa elite futebolística.

Minas tem dois clubes grandes, Atlético e Cruzeiro, dirigidos por brancos (Sérgio Sette Câmara e José Dalai Rocha), e um aspirante a grande, América, também dirigido por branco, Marcus Salum.

            Grêmio e Internacional, logo ali no Rio Grande do Sul, têm como presidentes os senhores Romildo Bolzan Júnior e Marcelo Medeiros, brancos.

            Creio que basta como amostragem. E também porque, se eu, como autor, estou perdendo a paciência com essa pesquisa fajuta, imagino você, impaciente leitor.

            Se o inquérito continuasse até chegar aos demais estados citados, pode ser que alguma surpresa alterasse esses dados, principalmente no Nordeste, mas não creio nessa possibilidade. O Nordeste, infelizmente, e em termos de poder esportivo, é também um imenso latifúndio branco.

 

MICROCOSMO E MACROCOSMO

            Foi à esta curta divagação sobre poder e controle social pelo esporte que me levou o livro anotado semana passada, “O negro no futebol brasileiro”, de Mario Filho.

            Na última edição em vida, de 1964 (Mario morreu em 1966), o autor se desdobra em elogios não só a nosso futebol, já alçado ao primeiro lugar no mundo graças às conquistas de 1958 e 1962, como aos dois jogadores que, segundo ele, simbolizavam a essência do futebol-arte: o negro Pelé e o mulato Garrincha.

            Mario acreditava que, a despeito do racismo dos primeiros tempos, o futebol superaria a condição de feudo dos brancos, tamanha a prevalência dos craques negros e mestiços em nossos times, como a primeira metade do século XX parecia sugerir.

            Mas a guerra pelo poder e pelos holofotes jamais conseguiu eliminar o fator de desequilíbrio da equação: os dirigentes.

Aos heróis de Mario Filho sucederam Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo, Ademir da Guia e centenas de outros negros e mulatos de altíssimo nível. Mas também Zico, Tostão, Sócrates, Falcão e centenas de outros brancos de técnica apuradíssima.

            Se entre os atletas a igualdade racial sonhada por Mario foi alcançada, entre os que administram os clubes a democracia continua perdendo de 10 x 0.

            Não é por acaso que praticamente todas as entidades e clubes ligados ao futebol resistem duramente à transformação em empresas e, consequentemente, a se obrigarem a divulgar balanços e resultados financeiros.

            Só de um ano para cá, diante do caos que envolve alguns clubes e ameaça levá-los à falência, começa a se falar em transparência, o que infelizmente jamais acontecerá com a CBF, matriz de todas as nossas mazelas e malfeitos desportivos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  "Sem dúvidas há uma crise no bolsonarismo moderado", diz Esther Solano ao GGN