Os testes com a vacina brasileira contra o HIV

Sugerido por Braga-BH

Da Agência Brasil

Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Começaram nesta semana os testes em macacos da vacina contra o HIV, que está sendo desenvolvida pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em parceria com o Instituto Butantan. Os quatro animais começaram a ser imunizados com a vacina que contém partes do vírus. Depois, os macacos receberão um vírus modificado que causa o resfriado como parte dos estudos para desenvolver o imunizante.

Segundo Edecio Cunha Neto, um dos pesquisadores responsáveis por conduzir o projeto, o diferencial da vacina é usar partes do vírus que não se alteram. “Um dos grandes problemas de se fazer uma vacina contra o HIV é que ele é hipervariável”, ressalta ao explicar que o genoma do vírus pode varia até 20% entre dois pacientes. “Nos componentes que nós escolhemos para colocar na vacina estão somente as regiões mais conservadas do vírus, ou seja, aquelas que não variavam de um HIV para o outro”, destacou.

Além de ter pouca variação, as partes do vírus foram selecionadas por provocarem forte reação no organismo da maioria das pessoas. “Nós fizemos o que chamamos de desenho racional, para embutir dentro da nossa vacina mecanismos para que ela fosse capaz de dar uma resposta que funcionasse para os HIVs mais variados possíveis e que funcionasse em um número grande de pessoas”.

Leia também:  Coronavírus: Levantamento mostra que 46 quilombolas já morreram no Brasil

Após os testes com os quatro animais, serão feitos experimentos com um grupo de 28 macacos e três tipos de vírus diferentes, todos modificados com partes do HIV. “As combinações desses três vírus são, até hoje, as melhores combinações para gerar respostas imunes potentes em primatas. Então, o que a gente vai fazer é escolher, de quatro combinações diferentes, aquela que deu resposta mais forte. E usar essa combinação para teste em humanos”, detalhou o pesquisador.

Caso seja bem sucedida, a vacina vai aumentar a reação dos imunizados ao vírus, diminuindo a capacidade de transmissão e melhorando a qualidade de vida do paciente. “O que ela vai fazer é reduzir muito a quantidade de vírus, matar as células que estão infectadas. Mas ela dificilmente vai erradicar a infecção. Vai bloquear a transmissão para outra pessoa, porque a quantidade de vírus vai ser muito baixa”.

Atento aos recentes protestos contra o uso de animais em pesquisas, que levaram inclusive ao fechamento de um instituto no interior paulista, Cunha fez questão de dizer que os animais são bem tratados. “Os animais neste estudo não sofrem de maneira nenhuma. Até mesmo para o procedimento de colher sangue ou vacinar, eles estão anestesiados”, enfatizou.

O pesquisador defendeu ainda o uso de animais em experimentos. “Não é possível substituir um teste com animais por um teste de cultura ou teste de laboratório mais simples. O teste em animais vai observar a repercussão de uma nova vacina, uma nova droga, no organismo inteiro”, argumentou.

Leia também:  Coronavírus: Levantamento mostra que 46 quilombolas já morreram no Brasil

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

    • O Afeganistão é aqui.

      Os Black Blocs estão convocando manifestações contra universidades de medicina e laboratórios que usam animais para estudos….

      Logo estarão queimando livros nas ruas e impedindo mulheres de frequentar as escolas.

      • Que legal, todo mundo

        Que legal, todo mundo concordando com os grandes textos de Reinaldo Azevedo sobre o assunto……heheheh

  1. Tem algo estranho nesse estudo

    Nao sou especialista na área, mas sempre ouvi que os macacos (pelo menos os antropóides) eram imunes ao vírus da AIDS. Como entao fazer um teste com eles? Se eles nao desenvolvem a doença, o teste nao significará nada! 

    • Creio que seja o contrário.

          Se não desenvolverem a doença é que podem ser as cobaias, pode-se infectá-lo propositadamente e ver como o vírus é afetado pelos medicamentos sem prejuízo ao animal, além do mais parece ser um vírus enfraquecido. Pode ser feito inclusive retirando-se sangue para infectar a amostra ao invés de injetar o vírus no animal.

      • Caríssimo, que tal pensar antes de responder?

        Vao ver como o vírus é afetado pelos medicamentos? Para ver os vírus serem afetados em vitro, nao precisam do animal. Os testes seriam para ver se o vírus causa ou nao a doença no macaco, se causa mais branda, se o organismo resiste, etc. Se o tipo de animal nao desenvolve nunca a doença, nao vai dar para ver NADA. 

  2. vixi

    tão testando em animais!!!

    então depois devem avisar no rótulo que é um medicamento produzido com testes em animais, pros amantes dos animais poderem recusar, e pregar uma palavra em defesa do direito dos animais.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome