Os nomes singulares – 2

Do Leão Machado Neto

Fui colega no Dante do Ravioli, dono do Empório Ravioli. Há muitos anos apresentaram ao Ravioli uma pessoa, cujo nome era Capelletti. Ao ouvir o nome Capelletti, Ravioli partiu para cima do coitado imaginando que fosse brincadeira. Não era. O meu nome mesmo, sempre foi motivo de piadas. Na época do cursinho era um inferno. Não podia atrasar nas aulas. Se o fizesse, quando botava a cara na porta todos rugiam.

Do Donato Leal

Nassif,

Essas historias envolvendo nomes são realmente interessantes. Ocorreu inclusive comigo em razão do primeiro nome -Domingos – muita gozação quando garoto: “quem morre no sábado, enterra no domingo”.

Era de lascar. Valeu, grande abraço.

Do Eduardo Buscariolli

Virando a esquina de uma rua onde morei havia o Bar e Mercearia do Fracasso, um botequinho de esquina tocado pela família Fracasso. Apesar da proximidade, nunca frequentei a tal mercearia, pelo temor do que pudesse encontrar nas prateleiras.

Do Edison Bittencourt

Eu conheci um mineiro que chamava-se Jesse James.

Do Ricardo Berbara

Busquem em Ipanema, Rio, o Dr Boamorte..existe. Um médico.

Do Gesil Amarante

O meu nome (e do meu pai, eu sou o Segundo) vem de Getúlio+Brasil (Costumava usar este nick na internet na época “áurea” dos chats da UOL). Tem um tio meu que teve mais azar que eu. Seu nome é Gelivar. Meu avô gostava mesmo do Vargas…

Do Fábio de Jesus Orenhas

Conheci uma pessoa que se chamava R.Fracassi. Imagine as piadas. No colégio existia um aluno que se chamava Oiluarb (isso mesmo, Braúlio, ao contrário, no tempo que esse nome não significava nada). Uma boa idéia de nomes curiosos é tentar traduzir os nomes alemães (Schumacher, por exemplo, sapateiro) e por aí vai.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora