Início Tags Vozes do Silêncio

Tag: vozes do Silêncio

No dia de hoje, 09 de março – Luís Alberto Benevides e Miriam Verbena,...

Dois meses após as mortes de ambos, o jornal Diário de Pernambuco, em 12 de maio de 1972, noticiou uma suposta vitória da ditadura: – a desarticulação de militantes do PCBR que atuavam em Recife

No dia de hoje, 07 de março – Amaro Félix Pereira, presente!

Acusado de praticar “atividades subversivas”, foi preso pela primeira vez em 1964, em sua residência, quando presenciou sua esposa ser violentada por policiais, o que provocou um aborto.

No dia de hoje, 6 de março – Dimas Casemiro, presente!

Em 06 de março de 2020, Dimas Antônio Casemiro, nascido em Votuporanga/SP, na Fazenda Marinheiro, se ainda estivesse vivo, completaria 74 anos.

No dia de hoje, 4 de março – por Lucimar Brandão Guimarães

Já clandestino, foi preso no dia 26 de janeiro de 1970 e indiciado no Inquérito Policial Militar que havia sido instaurado para investigar as ações da VAR-Palmares.

No dia de hoje, 3 de março – Higino João Pio, presente!

Em decisão de 15 de maio de 1997, a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP) reconheceu a responsabilidade do Estado brasileiro por sua morte.

No dia de hoje, 2 de março – José Júlio de Araújo, presente!

2 de março de 1971 é a data da única carta enviada por José Júlio de Araújo à sua família durante os três anos em que foi obrigado a viver na clandestinidade

No dia de hoje, 1 de março, Alexander Voerões e Lauriberto Reyes presentes!

Em 1º de março de 1972, os corpos dos jovens Alexander José Ibsen Voerões, de 19 anos, e Lauriberto José Reyes, 26, foram enterrados por suas famílias em caixões lacrados.

No dia de hoje… Rubens Paiva, presente!

Rubens Paiva morreu em 21.01.71. Para que não se esqueça, para que não mais se repita!

Flores pelas vitimas do Estado: Dr. Juca, presente!

João Carlos Haas Sobrinho, o dr. Juca do Araguaia, e sua irmã, Sonia Haas, que segue firme na luta por verdade, memória e reparação, foram homenageados em São Leopoldo, cidade natal da família.

Hoje, às 18hs, Ato pelas vítimas e histórias silenciadas, em São Paulo

O ato consistirá, portanto, numa vigília para lembrar de quem foi retirado brutalmente do convívio de suas famílias, por meio de fotos e de suas histórias

Preta Ferreira ainda está presa “preventivamente”. É mais uma voz silenciada! Vigiemos!

Multiartista, comunicadora inata e de formação, trabalhadora trabalhadeira, tem como vocação transformar o mundo em que vive, com vistas ao desenvolvimento cultural e econômico, a partir de pequenos grupos, com promoção da paz e justiça social

Chico abraça a campanha “Flores pelas vítimas de violência do Estado”

Flores são símbolo de uma cultura de amor e de solidariedade. Vamos encher esses locais de flores e com elas quebrar a indiferença que ainda existe para com essas vítimas e suas famílias.

Flores pelas vítimas de Estado: Salvador, presente!

Flores no monumento Tortura Nunca Mais, no Campo da Pólvora, em Salvador

Nascidos em 02 e 21 de agosto. Walkíria Afonso Costa e Idalisio Soares Aranha...

Nascidos no mesmo mês e no mesmo ano, 1947, cada um em um ponto do interior das Minas Gerais. Encontraram-se em Belo Horizonte no final dos anos 60 e se uniram no amor, na música e na coragem.

Nascido em 16 de agosto. João Massena, presente!

“Hoje é dia de celebrar o centenário de um pernambucano arretado que não aceitava o não como resposta e que acreditava na mudança e num país melhor para todos.”

Da vertigem à voz, por Ana Laura Prates Pacheco

Sob o argumento de economizar nas contas públicas, através do decreto 9.759, o governo extinguiu uma série de comissões e conselhos, atingindo dentre outros, o “Grupo de trabalho do Araguaia” e o “Grupo de Perus”

As vozes do meu silêncio, por Mariana Nassif

Na PUC, apresentei o Vozes do Silêncio de um jeito que eu achei esquisito (por mais que minha irmã Luiza insista em dizer que se a gente não conta que está nervoso quase ninguém percebe...), e reencontrei algo de expressão que há algum tempo procurava espaço pra reaparecer.

Vozes que não se silenciam organizam movimento para denunciar violência do Estado. Ontem e...

Com leitura de manifesto e apresentação de artistas, entidades se articularam para reafirmar compromisso com a democracia e direitos humanos

Lançamento: “Vozes do Silêncio contra a Violência de Estado”

Além de depoimentos e da divulgação de um manifesto, será exibido pela primeira vez o curta metragem “I Caminhada do Silêncio em São Paulo", registro produzido pelo cineasta Camilo Tavares

No dia de hoje… Lúcia Maria de Souza, presente!

Lúcia Maria adotou o codinome Sônia e mudou-se para a região do Araguaia, indo viver no sítio Chega com Jeito, próximo a Brejo Grande. Com seu modo carinhoso, que tanto a caracterizava, conquistou a amizade dos companheiros e moradores da região.

Leia também

Últimas notícias

GGN