O massacre de Gaza e o complexo de vira-lata, por J. Carlos de Assis

O Governo de Israel disse que o Brasil é irrelevante e criador de problemas, segundo  manchete de O Globo. Há nisso uma contradição. Se é irrelevante não pode criar problemas. Se cria problemas não é irrelevante. Aliás, se fosse mesmo irrelevante, não teria levado o Governo israelense ao extremo de quebrar todos os códigos diplomáticos ao ponto de insultar  o Governo brasileiro com um ironia chula envolvendo a Copa, como se nós, brasileiros, fôssemos uns idiotas capazes de confundir massacre de inocentes com jogo de futebol.

Ainda pior que o insulto israelense a um país que sempre tratou com simpatia Israel, mesmo em momentos em que ele não merecia isso, é o comportamento da grande mídia brasileira. A invasão truculenta de Gaza é tratada como uma guerra entre iguais. O massacre de crianças e mulheres numa área confinada, sem saída, é apresentado como consequência natural do conflito. O recurso a uma violência extrema aparece como natural. E o Governo brasileiro é ridicularizado porque fala do óbvio, a saber, do uso desproporcional da força.

Na essência, tudo isso é a expressão reiterada do “complexo de vira-lata” da maior parte da grande mídia, segundo o qual tudo o que os Estados Unidos fazem é bom, sendo que os Estados Unidos, no caso, fazem tudo o que quer a direita israelense, e nós, subalternos e incompetentes, devemos nos alinhar cegamente a eles independentemente de uma visão crítica da política envolvida. Diante disso, ter uma atitude diplomática independente, generosa e equilibrada é assumida pela grande mídia como irrelevante na busca de humilhar o Governo, quando o que se está tentando fazer é humilhar o Estado e a própria nação.

Leia também:  Estados Unidos legitimam os assentamentos ilegais de Israel, por Solange Reis

Estamos diante do maior massacre de inocentes por uma força bruta militar, equipada com os mais modernos recursos tecnológicos do planeta, desde o Holocausto. Há, certo, uma diferença de escala. Qualitativamente, contudo, a câmara de Gaza se equipara à câmara de gás: ninguém pode sair lá de dentro enquanto os foguetes e o fogo da artilharia e dos tanques colhe a vida de crianças e mulheres. Parece que há em tudo uma contabilidade macabra: foram assassinados pelo Hamas três jovens judeus inocentes; a lei de Talião diz olho por olho, mas a lei do atual Israel diz que um judeu assassinado vale no mínimo 300 palestinos mortos, ou mais.

Ah, sim, os extremistas do Hamas! E acaso não há extremistas em Israel? O fato é que cada vez mais esses extremistas comandam o Governo israelense enterrando todo tipo de iniciativa de paz, inclusive os tratados de Oslo, em nome da posse de uma terra invadida, roubada, sob o pretexto de uma herança bíblica que enterra o amoroso Senhor da Misericórdia debaixo do ódio primitivo do Senhor dos Exércitos. Caveat, Israel é o único fator presente no mundo contemporâneo que pode levar o planeta a uma guerra nuclear. Note-se que o pequeno David já não tem fundas, tem armas atômicas!

A diplomacia brasileira talvez seja irrelevante. Junto com a da Turquia, tentou uma alternativa diplomática para resolver o impasse entre os Estados Unidos e o Irã na questão do desenvolvimento do projeto nuclear pacífico iraniano. Os Estados Unidos, insuflados por Israel, mataram a iniciativa que eles próprios estimularam. A razão foi simples: Israel queria uma guerra contra o Irã. Queria repetir o que fez com o Iraque nos anos 80: bombardear as instalações nucleares iranianas. Não foi a prudência que levou os Estados Unidos a tirar o tapete de Israel. Foi o fato de que, do outro lado, havia uma potência nuclear de primeira linha, a Rússia, com respaldo chinês, em apoio ao Irã.

Leia também:  Apocalipse já: a destruição do estado de bem estar social, por Sonia Fleury

Felizmente já não estamos num mundo unipolar. Se tivéssemos, Israel teria comandado as forças militares norte-americanas no ataque ao Irã apoiado no lobby judaico que, de longe, não distingue entre o que são interesses fundamentalistas da direita  com os interesses legítimos do povo que vive em Israel. Deste, a maioria provavelmente deseja a paz com os palestinos, mesmo que isso significa algum tipo de concessão, sobretudo nos assentamentos que violam a própria lei internacional que criou Israel. Nas mãos dos radicais judeus, contudo, todos estamos em risco: ave, Israel, morituri te salutant!

J. Carlos de Assis – Economista, doutor em Engenharia de Produção pela Coppe/UFRJ, professor de Economia Internacional da UEPB, autor de mais de duas dezenas de livros sobre economia política brasileira.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

136 comentários

  1. Manipulação

    Boa tarde 

    Navegando na internet, descubro que o cidadão que a globo aponta como a voz de Israel, é um cidadão sem noção, conhecido internacionalmente por seus pontos de vista radicais, e ridicularizado pela comunidade internacional, ou seja  a globo(sempre ela), usou este cidadão para ridicularizar as posições brasileiras pro palestina, como sempre manipulando informações , só que hoje mentira tem perna curta, e nós procuramos questionar sempre o que lemos. Vejam o video que esta no youtube https://t.co/Si8UhEaL1K

  2. Basta

    A cada dia Israel nos dá prova de que a criação do seu Estado foi um erro monumental.

    Nâo ten sentido a criação de um Estado com a consequente destrução de outros.

    De fato Israel se tornou um  mal para a humanidade.  Seu povo não conseguiu  impor a seus líderes  práticas aceitáveis ao mundo civilizado.

    Portanto, não há como defender os propósitos de Israel.

  3. Eu não sou diplomata

    Eu noutro dia fiquei muito aborrecido com um video que mostrava Hitler e fazia piadinhas sobre a Copa e o Brasil e comentei que aquilo era piadinha de extremo mau gosto para os alemães atuais e para o povo judeu que tanto sofreu com o Holocausto

    Agora a piadinha de futebol falando da goleada da Alemanha vindo de um diplomata israelense, é extremamente mais grosseira. A resposta de Brasil foi diplomática como é da nossa política externa.

    Agora nós que não somos diplomatas  e não somos vira-latas podemos ser menos polidos.

    Um país que não respeita as resoluções da ONU, que nega possuir armas nucleares e  promove uma chacina dessas sem falar nas outras, tem moral pra falar do nosso país, que abriga uma quantidade imensa de judeus, que mesmo nascidos no Brasil, não se dizem brasileiros.

    Acho que se não houver um pedido de desculpas foirmal, nós cidadãos brasileiros deveríamos promover um boicote de viagens à Terra Santa e outros locais de Israel.

    Estão cuspindo no prato que comem, onde sempre foram bem recebidos.

    Eu não sou  diplomata, mas sei que a nossa Diplomacia é muito boa.

    • Não somos diplomatas

      Amigo :

      Minha diplomacia foi a zero – realmente Alemanha 7 x Brasil 1, do lado deles Alemanha 6 milhões x Judeu 0

      Sei que não devemos responder com o fígado – mas não deu!

      É uma resposta para lembrar o quanto dói a violência racista e nazista e ainda mais para quem sofreu essa violência.

      Abraços sentidos – jamais desejaria dar esta resposta

      Pedro Luiz

      • Bom prá tosse

        Um país que não é capaz de se sustentar$$$ pelas próprias pernas, cujo governo mente compulsivamente,cerceia o trabalho dos jornalistas próximos ao massacre, país que nem Constituição tem, país de 2ª e ainda assim faz o que faz. 

        Bibi, o Hitler sionista, deveria aproveitar a fase e atacar o Irã, veria o que é bom prá tosse. 

        Abraços sentidos

      • Aquele dia está se

        Aquele dia está se aproximando, não se preocupe, ele chegará também para você. E não se esqueça que aqui bem pertinho de nós, os paraguaios consideram Duque de Caxias como um genocida. E certamente nos cobrará caro por isso.

      • Aquele dia está se

        Aquele dia está se aproximando, não se preocupe, ele chegará também para você. E não se esqueça que aqui bem pertinho de nós, os paraguaios consideram Duque de Caxias como um genocida. E certamente nos cobrará caro por isso.

  4. Perfeito o texto.
    Tenho um

    Perfeito o texto.

    Tenho um “senão” em relação a Diplomacia Brasileira: não deveriam ter respondido à provocação do “anão” da forma que o fizeram…ficaram justificando “O Brasil isso, o Brasil aquilo”  como se tivessem vestido a carapuça. “Essa declaração é tão grosseira e estapafúrdia que não merece comentários” deveria ser o máximo a ser respondido.

    No mais, tudo perfeito com a atitude do Brasil. O mundo não é construído por covardes.

    • Concordo.
      Esse tipo de

      Concordo.

      Esse tipo de baixaria está mais para “dipromacia” do que outra coisa.

      Não merecia resposta.

  5. A Globo escolheu o porta-voz

    A Globo escolheu o porta-voz da Chanclaria de Israel? Não é o governo de Israel quem nomeia o porta-voz do seu Ministerio de Relações Exteriores ? Como assim “”a Globo escolheu o porta-voz?”

  6. Odio como leitmotiv

    A criação do estado de Israel, no pos-guerra, foi um grande erro. E agora para mudar o que foi feito e acabar com o drama palestino, vai ser bem dificil. Parece que Israel esta optando por um genocidio em sua fronteira. O que eles conseguem agariar, à exceção da ajuda da turma de sempre, é uma enorme antipatia mundial, mais antissemitismo e, talvez, mais ataques terroristas em varios pontos do mundo.

    No mais, anão diplomatico é de uma deselegância sem igual !

  7. Lei hoje O GLOBO, a FOLHA, o

    Lei hoje O GLOBO, a FOLHA, o ESTADÃO e o VALOR, o tema está traatdo amplamente, nenhum veiculo está dando razão a Israel, ouviram ex-diplomatas, inclusive o ex-chanceler Luis Lampreia, todos reconhecem que Israel errou e que o Brasil foi insultado e deve ragir deixando a Embaixada em Tel Aviv sem embaixador por bom tempo.

    O tema deve ser tratado na rua concretude, a aberrante reação da Chancelaria israelense e não sobre o que a imprensa brasileira pensa ou deixa de pensar sobre o tema, não é esse o problema, este está em Israel, não aqui.

    • Nem todos…

       

      Essa latrina também faz parte da imprensa brasileira.

      Eu não mergulho no esgoto diretamente, mas através de terceiros (site 247) fico sabendo de suas proezas…

       

      247 – O Menino Maluquinho de Veja, Rodrigo Constantino, concorda com o governo israelense na tese de que o Brasil é um “anão diplomático”. A opinião foi emitida por meio da chancelaria israelense após nota do Itamaraty que declarou como “inaceitável” a escalada de violência entre Israel e Palestina e “desproporcional” a força do exército israelense (leia mais).

      “O ministério israelense está certo! O Brasil, sob o comando do PT, virou mesmo um ‘anão diplomático’. O Itamaraty virou um braço ideológico do partido, sempre do lado errado nas disputas internacionais. Os exemplos são infindáveis e preencheriam um livro todo (que, aliás, deveria ser escrito por algum diplomata corajoso)”, escreveu o colunista.

      Constantino diz ainda que, quando se trata de questões externas, o governo brasileiro é tão “incompetente e ideológico” como nas questões internas. “O estrago tem sido enorme. Ninguém sério nos leva mais a sério. O Brasil virou piada de salão, um país que emite opinião apenas para defender a escória internacional”, atacou.

      Sobre o conflito que já deixou 700 mortos do lado palestino e cerca de 40 do lado de Israel, ele condena o termo “desproporcional” usado pelo governo brasileiro e diz que o Brasil não cita, em sua nota, os mísseis lançados pelos terroristas do Hamas. “O tom é totalmente contra Israel, como se fosse um país invasor e colonizador, sem motivo algum para entrar em Gaza e perseguir os membros do Hamas”.

      Reinaldo Azevedo, também do lado do governo de Benjamin Netanyahu, diz que, “de A a Z, a política externa brasileira percorreu todos os verbetes da indignidade”, mas que “o auge da estupidez” está na nota emitida nesta quarta-feira pelo Itamaraty, segundo ele, “um verdadeiro repto contra Israel”. O colunista também chama o comunicado do governo brasileiro de “vergonha da história”.

      “Os israelenses reagiram com dureza e fizeram muito bem. Um país que luta contra inimigos poderosos não tem tempo para palhaçadas”, defende Reinaldo Azevedo, sobre forças armadas que hoje atacaram pela segunda vez uma escola da ONU deixando 15 mortos, inclusive crianças e funcionários das Nações Unidas, além de um hospital nessa semana.

      A resposta de Israel, de que o Brasil “escolheu ser parte do problema em vez de parte da solução”, para Azevedo, “é uma reação à altura da indignidade da nota emitida pelo Brasil”.

      Na ofensiva em Gaza, Israel bombardeou um hospital, uma escola da ONU e será alvo de investigação das Nações Unidas em razão dos crimes de guerra cometidos por Benjamin Netanyahu.

    • editoriais

      A Fola reconhece o comportamento grosseiro de Israel,  mas condena a grave omissão e a conduta nada equanime do ministro do governo Dilma 

    • Menos, meu caro

       O negócio agora, é desinflar a crise, não aumenta-la com retirada de embaixador ou congelamento das relações, seria uma atitude, de quem acusou o golpe, seria validar a manifestação extemporanea, imbecil, belicosa, ridicula, dos pseudo-diplomatas que comandam a Chancelaria israelense – e ninguem no mundo, nem os Estados Unidos e o Quarteto, levam a sério Avigdor Liebermann & Associados.

        Uma amostra séria da situação politica interna israelense, ocorreu hj., com John Kerry (VP-USA), que após varias reuniões com o Gabinete de Segurança de Israel e Netanihau (PM), veio a publico comunicar que “Israel aceita um cessar fogo de 24 hs, com negociações para estende-lo ” – saiu na CNN, BBC, MSNBC – Menos de 01 hora depois, foi desmentido, categoricamente, por dois ministros do gabinete de segurança: Avigdor Liebermann e outro responsavel pela “Estratégia de Segurança” ( do mesmo partido de Liebermann).

         Realmente, como vc. diz. o problema está em Israel, principalmente em relação a politica interna referente a coligação que sustenta Netanihau.

         P.S.: De acordo coma Embaixada em Tel Aviv, 10.000 brasileiros moram em Israel, inclusive o “enclave” brazuca mais famoso e antigo, o kibbutz Bror’ Hay’l ( ou Bror Chail ), no Negev, é bem próximo a “Faixa de Gaza” – portanto espero que nenhum Qassam ou um M-75, atinjam o Museu Adoniran Barbosa.

         P.S.2: Negócios/Controle de danos: Pelas declarações de hj., do Itamaraty, desqualificando o “porta-voz” (sub do sub do sub do sub ), evitando uma resposta de “Estado” a outro “Estado”, jogando o ocorrido para uma perspectiva individual, os governos já trabalham com o futuro, o controle de danos circuscrevendo a crise, para um parametro de baixo – nivel.

          Motta, são US$ 3,0 Bilhões, ou mais, em cima da mesa, 14 acordos multilaterais em varias areas, Mercosul.

  8. Não é necessário explicar a

    Não é necessário explicar a arrogância e truculência do governo israelense. Como todo governo de direita, ele se sustenta sobre o medo, o ódio e o preconceito que incute em sua própria população.

    Mas não consigo entender a cegueira da população de Israel (e de tantos judeus não israelenses ao redor do mundo) que, ano após ano, elegem, reelegem e dão sustentação à direita insana daquele país, sem perceber que estão minando, no longo prazo, toda e qualquer possibilidade de sua própria existência enquanto Estado-Nação.

    Está cada vez mais difícil (moral e politicamente) defender a existência do Estado de Israel; e isto se deve sobretudo à guinada conservadora de sua população à extrema direita.

    O ônus presente desta guinada está a ser suportado pela população palestina. O ônus futuro, contudo, será suportado pela própria população israelense, que caminha a passos largos para a condição de apátridas. E, repito, a culpa por este retrocesso será exclusivamente da população de Israel.

     

     

     

  9. Considero que a grande mídia

    Considero que a grande mídia brasileira que chamamos de PIG por motivos por todos conhecidos não pode mais baixar de nível pois chegou ao fundo do poço da medíocridade, e completa falência ética e moral.

    A sua associação à truculenta e imoral direita israelense é a representação fiel do que falo.

  10. israel

    israel só veio a existir por questões geopolíticas.

    Foi para colocar um pessoal “ocidentalizado” (judeus europeus) no oriente médio, criando um estado pró-ocidental no oriente médio.

    O holocausto foi a desculpa perfeita.

    O holocausto, aliás, foi criado pelos ocidentais, pelo problemas que os ocidentais criaram com os judeus que viviam no ocidente.

    Criaram o problema, criaram o holocausto, e resolveram tudo criando o estado de israel, que ajuda o ocidente a resolver outros problemas, de manter o poder no oriente médio.

    E quem paga o pato são os palestinos.

  11. (comentário que fiz no post

    (comentário que fiz no post “http://jornalggn.com.br/noticia/custos-de-sistema-anti-missil-podem-explicar-operacao-em-gaza

     

     

    Sem desconsiderar os argumentos do Rogério, creio que há um outro objetivo digno de destaque: A guerra de extermínio. Todos os conflitos são criados por Israel e, sempre no assustador saldo final, há números impressionantes de mulheres e crianças assassinadas. Evidentemente, isso demonstra que os sionistas desejam a aniquilação completa dos palestinos. Matar mulheres e crianças implica em destruir a continuidade de um povo, impedindo o surgimento de novas gerações. Israel se inspira num passado sombrio, no qual os judeus foram, em conjunto com outros povos, algumas das vítimas preferenciais. A fixação de Israel pela suástica nazista só é menor do que sua fixação pela estrela de David. Eu não me espantaria se, num futuro próximo, a suástica nazista fosse incluída no centro da estrela de David. Segundo Carl Jung, que analisou a importância dos símbolos, há uma tendência de união entre símbolos que representam objetivos conexos.

    Estrela de David construída, muito apropriadamente, em papel:

     

     

     

    Observe-se que a expressão facial de Hitler é muito parecida a Benjamin Netanyahu. Quando os dois assistem (Hitler está vivo em Netanyahu) ao extermínio de crianças, os sorrisos provavelmente são iguais. Observem como as bocas são idênticas.

     

  12. Violento e pretencioso anão moral.

    Vejo no texto de J. Carlos de Assis o pensamento que melhor exprime o que pensa o cidadão médio brasileiro. A resposta às grosserias emanadas do portavoz israelense a meu ver deve ser com a ausência de nosso embaixador até reposicionamento do estado judeu. Quanto a condenação por uso excessivo de força feita por nossos representates diplomáticos, julgo que merecem evoluir para genocídio do povo palestino provocado pelo estado de israel.

  13. GENOCIDIO !!!!!


    Ja que nao conseguem acabar com o HAMAS eles resolveram que vao eliminar toda a populacao, 823 mortos na grande maioria civis, quase 200 criancas, os videos que estao circulando na midia independentes sao terriveis, uma situacao que nunca poderia estar acontecendo com o aval da maior potencia do planeta, BOICOTE ISRAEL/BOICOTE SIONISTAS !!!!!, a minha parte com certeza estarei fazendo !!!!

    • Esse império maldito NÃO vai

      Esse império maldito NÃO vai conseguir escravizar o planeta!!! Estão vivendo o desespero de um plano que está fazendo água por todos os lados. Esse Titanic vai para o fundo, pode até levar a humanidade toda com ele.  Não adianta nada se vingar de quem está ao lado e é mais fraco, isto não vai restaurar o poder que já tiveram no passado. Atos como este so os isolam mais ainda e dificultam a convivência futura da “corte” desse império e seus descendentes com o resto da humanidade. Se não tiverem juízo e optarem por destruir a civilização, eu não gostaria de estar entre os sobreviventes, porque  haverá a igualdade na desgraça…

  14. Objetivamente……..

    Não entendo por que se meter num conflito entre judeus e palestinos que começou ha uns 40 séculos antes do Brasil ser descoberto. Por mim, aquela região que se exploda. Melhor não incorrer em vexames diplomáticos.Temos é que cuidar do nosso quintal; da inflação que está mostrando as garras, do PIB anêmico, da criação de empregos fajutos e sub remunerados, da nossa incapacidade de inserção no comércio internacional, da nossa burrice na exportação de commodities, da nossa incompetência em agregar valor e tecnologia atraentes ao mercado mundial e da falta de pressão (do governo) sobre nossos empresários venais e oportunistas. A chave é business inteligente e não chororô e sentimentalismo pelas agruras que lamentavelmente acontecem no cú do mundo.

    • Nunca havia visto um

      Nunca havia visto um cometario tao escroto.  Parabens pela insigne…nao sei se mesquinha inrelevancia, ou…

      Orlando

    • Faltou acrescentar…

      Nem gosto do Facebook, normalmente fico meses se me conectar. Fui parar na page levado por um link onde tinha esta imagem. É deprimente!

      O mantenedor da página acredita realmente que eles estão apenas se defendendo, e critica o posicionamento diplomático do governo Brasileiro.

      • sem muitos comentários

        mas não tem nem como comparar, os algozes sionistas não precisam compartilhar com seus familiares a frente de combate, uma vez que de fato está em território inimigo. não são nem nunca foram os mocinhos da história, mas pela assinatura da pseudo caricatura obviamente o autor não poderia produzir algo diferente disso.

    • Gostei da imagem, ela

      Gostei da imagem, ela denuncia bem a propaganda israelense. O fato de você ter mantido a escrita hebraica no canto inferior direito demonstra que seu objetivo era denunciá-la como mentira asquerosa e repulsiva que é, suponho. Afinal, como disse um excepcional judeu, walter Benjamin, a propaganda é necessária para mentir, pois a verdade é auto evidente. 

  15. Diplomaçia e Eleições

    O governo Lula tentou intermediar um acordo de paz na região e ajudou os palestino diversas maneiras, com dinheiro, recebendo os refugiados e com a abertura da embaixada. A Dilma resolveu de manter distante do conflito e fez declarações sempre mantendo-se longe de um apoio efetivo aos palestinos.  Um dia depois do ocorrido não há destaque algum nos principais jornais do Oriente Médio sobre o apoio do Brasil e nenhum país do mundo seguiu o Brasil e fez o mesmo. Na prática não ajudou em nada os palestinos, só ficou na repercursão na mídia local em um tom eleitoral onde agora todos os de direita podem explicitar o apoio a Israel e ser contra o governo.

  16. Olha o nível dos comentários

    Olha o nível dos comentários do Rebolla. Ele defende abertamente que defensores dos direitos humanos sejam assassinados, disse isso ao defender o assassinato do Alto Comissário para os Direitos Humanos da ONU, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello.

    Esse tipo de comentário deixa patente o que pensa a direita brasileira.

    • A onu defende direitos humanos?

      Onde cara pálida?

      O vieira de mello no Iraque foi uma tentativa da onu de ocupar o posto de vice-rei yankee durante a ocupação. Aquilo não valia nada! Capacho do globalismo! Pau mandado dos metacapitalistas! 

  17. História

    Condenar Israel é um ponto pacífico e quase unânime. Por esta razão fica obscurecidas e não aceitas as justificativas do país judeu para o massacre sobre Gaza. Imagine-se se os 2 mil foguetes disparados pelos Hamas matassem em média uma pessoa por foguete. Nesta hipótese como reagiria a comunidade internacional? Hipocritamente iriam lembrar aquele lugar comum afirmando que Golias venceu Davi? Os israelenses sabem(todo mundo sabe) que,  sem ajuda dos EUA eles já teriam sido varridos do mapa palestino e uma nova diáspora teria ocorrido no séc XX. Outra hipótese bem mais sangrenta , mas que deixaria muita gente omissa, seria a  União Soviética ter armado os palestinos como o fez com os vietcong. 

  18. Algumas pessoas não podem ser

    Algumas pessoas não podem ser colocadas na categoria de humanos, qualquer pessoa que visse a quantidade de crianças mortas, daria um passo atrás para um diálogo, mas eles são vingativos, pequenos,”anões”, logo acham que todos tem sua visão pequena da humanidade, é exatamente isso que falta a Israel, senso de humanidade, e um olhar crítico para a história, mas parece que não aprenderam nada com isso, apenas a serem iguais, vingativos ou até piores.

  19. Por falar em “jornalistas”

    Por falar em “jornalistas” (aspas) com  complexto de vira-lata, devo mencionar dois: Alexandre Garcia e Carlos Viana, ambos com comentários ridículos sobre o tema, hoje, na Rádio Itatiaia, em Minas Gerais. Pareciam dois embaixadores de Israel, fazendo coro às baixarias dos “diplomatas” (aspas) daquele estado sionista-nazista. Que falta nos faz uma política de democratização da mídia. Dá revolta vê estas figuras atacando o Brasil e defendendo interesses de criminosos de guerra numa emissora que é concessão pública.

  20. Bombeiro ?

    Este porta-voz deu uma de bombeiro ao contrário, tentou apagar fogo com gasolina. Em vez de explicações, usou um exemplo pueril, fora de propósito, sobre um resultado esportivo, que não tem nada a ver com o conflito sangrento, que todos (creio eu) estão querendo que cesse, não apenas o Brasil. Este senhor não representa o povo de Israel, cuja maior parte da população deseja a paz, com certeza. Os extremistas são sempre minorias, de qualquer lado. A hora é de tentar achar uma saída diplomática e pacífica, não de reações verbais imaturas e cretinas. Lamentável.

  21. O massacre de Gaza

    Exceto pela afirmação “Estamos diante do maior massacre de inocentes por uma força bruta militar, equipada com os mais modernos recursos tecnológicos do planeta, desde o Holocausto.”, que não é verdade, faço minhas as palavras deste post

        • Agora finge que não sabe que os culpados são os mesmos vai

          EUA+Istrael que inclusive mandou aviões pra bombardear lá, mesmo que acreditasse quer foi Assad quem deu armas químicas pra ele ?

          E quanto as bombas atômicas no japão, continual valendo ? e as que os EUA deveriam ter jogado na China, ia ser ótimo né ? eu não esqueci não -.-

          pois é , não é tod mundo que se choca não, que o diga o playboyzão da terceira idade posando de óculos escuros com soldados israelenses todo zem, os seus defensores não ficam muito traz.

  22. O equívoco do Ministro brasileiro

    Tudo isso não teria acontecido se o nosso empolado ministro das relações exteriores não tivesse agido de forma equívocada. Em vez de ser equânime, como manda o bom senso, só deu um puxão de orelhas em Israel e deixou de lado o Hamas que foi quem provocou esse conflito. Justo o governo brasileiro, o Itamarati, que nunca se manifestou sobre a matança de civis na Síria atual, bem maior que a que ocorre na fiaxa de Gaza  por pura teimosia do Hamas que quer exterminar fisicamente Israel. É a sua meta. A reação israelense comparando o desiquilíbrio que houve na goleada do Brasil por 7 a 1 foi rude na ironia, mas a conduta do Brasil foi pior, tratou de maneira desigual um pais agredido que se defende (Israel)e um movimento terrorista não apoiado pelo presidente da Palestina e que não hesita em colocar em risco a vida dos civis (crianças principalmente ) em Gaza. O exercito israelense sempre avisa o horário e o local deseus principais ataques, já o Hamas por muitos e muitos anos matou gente civil em Israel com os famigerados homens bombas. Portanto, o artigo acima, supoerficial e panfletário só insufla ódio ao igualar o extremismo do Hamas com o que existe em Israel, de onde nunca partiu atentados terropristas como o 11 de setembro ou as mortes em ônibus e pizzarias ou o assassinato de três jovens. O ministro das relações exteriores ao dar um mpito só em Israel mostro não ser diplomático e prestou um grande serviço aos opositores de Dilma nesta eleição, e de Padilha em SP. Israel tem interesse em paz, o que  ocorre é que o Hamas não deixa. Acabou de vir uma notícia nesse sentido. Nessa raiva a Israel já estou sentindo os ventos do antissemitismo que vigorou na Inquisição e na Alemanha nazista. Triste

    • A desculpinha de sempre

      “Nessa raiva a Israel já estou sentindo os ventos do antissemitismo que vigorou na Inquisição e na Alemanha nazista. Triste”

      Considerar israel culpado –> antissemitismo –> então, você é o culpado!

    • Viram os perigosos

      Viram os perigosos terroristas, abatidos psicologicamente por todas as suas vidas? Que razão podem ter os miseráveis que fazem uma coisa destas a crianças inocentes? Os americanos forjaram a palavra “terrorista” para justificar qualquer canalhice feita contra a humanidade. É esse o império que desejam? Ainda tem a cara de pau de denominar os adversários de império do mal. Qual é o deus (minúsculo mesmo) que está sentado no trono desse império? É belzebu, satanás, ou tem outro nome?

  23. Não é questão de ser vira-lata, mas quinta coluna

    Não vou entrar no mérito das origens dos Marinhos, nem tampouco da riqueza e poder dos Marinhos, mas da influência que têm o Likud sobre o grupo empresarial midiático comandado pelos Marinho.  Senão vejamos: Osias Wurman, prócere do Likud em terras pátrias, dono do malfadado “Notícias da Rua Judaica” e cônsul honorário do Estado de Israel no Rio de Janeiro, é colunista no Globo. Não é pois, questão de ser vira-latas, mas de que os interesses que os Marinhos representam e  mandam defender não são nem nunca foram os do Brasil, mas os do binômio Israel/Estados Unidos.

  24. auto afirmação belicosa de Israel

    Israel é geograficamente insignificante e teria muito a aprender com o Brasil ,que se constituiu no quinto maior país do planeta terra justamente graças a sua diplomacia e politica de vizinhança. No fundo sabemos que as bazófias israelenses não passam de uma desesperada necessidade de auto afirmação, que por incrivel que pareça encontra ressonância entre os vira latas nacionais.

    • O Brasil constitui-se no quinto país em território…

      …graças a União Ibérica e posteriormente à monarquia dos Braganças mantendo a unidade nacional. A diplomacia entra com o Contestado e o Acre, muito pouca coisa além disto, e as forças armadas com os antigos territórios paraguaios após a vitória. Estes por si so várias vezes maiores que toda a mal chamada Palestina. 

      • Pois é, o Tratado de Madri

        Pois é, o Tratado de Madri não foi negociado por diplomatas, como Alexandre de Gusmão.

        Mas esperar inteligência de um Rebolla na vida é pedir demais mesmo. A Veja não fez nenhuma matéria sobre Gusmão, nem o Jornal Nacional, como o Rebolla ia ficar sabendo?

        • O tratado de Madri…

          …reconheceu uma ocupação de fato, pelo uti possidetis, em 1750. Alexandre de Gusmão, embora nascido no Brasil, mudou-se para Portugal aos 15 anos. Foi a diplomacia portuguesa, de D. João V, que garantiu a permanência como território da colônia toda a região ocupada durante a União Ibérica, nessa altura finda um século antes.

          O Rebolla acredita ter um conhecimento razoável da história do seu país, o Brasil. Ao contrário de outros que comentam de ouvir dizer, como tu. Caso a negociação tivesse como diplomatas defensores do Brasil criaturas como o megalonanico, o patriota só de nome ou o atual zé mané teriam dado tudo a los hermanos. Caso os nomeados possuíssem o caráter do lafér pés descalços, do asqueroso lampreia tucano (cruza bastarda de ramphastos com cyclostomata) cederiam a soberania do território para a onu…

          Não se esqueça que este era o governante do Brasil na época da mais importante decisão diplomática para garantir a integridade do nosso território: o Rei de Portugal D. João V.

      • Cessão

        Mas tivemos de ceder um naco do Acre para o Peru e em outra ocasião o território do Pirara, injustamente para os ingleses, que nunca tinham estado lá! Será que não é hora de retomar, Jorge ?

  25. “…Ainda pior que o insulto

    “…Ainda pior que o insulto israelense a um país que sempre tratou com simpatia Israel, mesmo em momentos em que ele não merecia isso…”

    Isso é mentira! desde 2003 o Brasil só tem tratado Israel na pancada!!! Totalmente pró-Palestinos…

    • Concordo

      Concordo, Zanchetta. Ao mesmo tempo que  flerta com ditaduras que desrespeitam os direitos humanos há décadas (Cuba) e se omite em relação as matanças na Ucrania e na Síria, o nosso governo resolve posar de indignado com os israelenses, apontando desproporcionalidade na conduta militar, e age com desproporcionalidade ao popupar o Hamas e/ou a Palestina do mesmo puxão de orelhas que deu em Israel. E ai as pessoas se ofendem nãocom essa atitude deselegante e capciosa, mas com a reação deselegante  do porta voz de Israel. Vai entender. Votei em Dilma, votarei em Padilha que é bem preparado, mas a presidenta perdeu meu voto. Suplicy, eu não ia votar mesmo, senado em branco.. Pobre PT com seus inimigos dentro do governo.   

  26. O pior é depois de uma

    O pior é depois de uma explanação dessas, é ouvir na CBN-Rio,  o assunto ser tratado com galhofa num programa (depois do expediente)exibido às 18 horas…..

    Complexo de vira-latas puro…..

  27. Não surpreende  a

    Não surpreende  a manifestação dos capacho da VEJA, afinal, os Civita são judeus de origem milanesa,(nada a ver com o bife).

    O mesmo  se pode dizer do colunista  da Folha,Sérgio Malbergier,que numa  coluna da Folha,alegou  ter vergonha de ser brasileiro,porque  Lula  exercia seu papel de  juntamente com o premiê turco  de por fim as  ameaças de Obama

    ao Irã. Tiveram êxito ,mas,recusado,por lobi  israelense, Quem é o anão?

  28. Não surpreende  a

    Não surpreende  a manifestação dos capacho da VEJA, afinal, os Civita são judeus de origem milanesa,(nada a ver com o bife).

    O mesmo  se pode dizer do colunista  da Folha,Sérgio Malbergier,que numa  coluna da Folha,alegou  ter vergonha de ser brasileiro,porque  Lula  exercia seu papel de  juntamente com o premiê turco  de por fim as  ameaças de Obama

    ao Irã. Tiveram êxito ,mas,recusado,por lobi  israelense, Quem é o anão?

  29. Um novo Caim

    Custa crer que a região berço de Jesus, origem do cristianismo e de outras religiões seja, talvez, a região onde estão os mais hereges do planeta.  Ferem um dos dez mandamentos mais importantes, que diz: não matarás. Ambicionam a terra alheia, furtam parte dela, promovem falsos testemunhos quando não assumem suas graves culpas, que mata, fere e mutila pessoas inocentes de todas as idades. Também, provocam na existência material e espiritual desses seres o sentimento do pavor, do horror, dos gritos de socorro e de ajuda, que rogam pelo amor de Deus. Diante dessa visão de horror monstruoso, pergunta-se mais uma vez: Qual o porquê de tudo isso? Para quê tudo isso? A resposta está na direção totalmente oposta aos ensinamentos de Jesus e inacreditavelmente na contrariedade insana a todas as leis de Deus. Essa guerra não é santa e o Brasil tanto sabe disso, quanto sabe que os motivos de sua existência são mais irrelevantes do que o julgamento que o governo israelense acabou de fazer sobre o Brasil. A ambição, o status de poder, o egoísmo e o preconceito de uma minoria fanática está erradamente sendo mais relevantes do que vidas e almas de irmãos e irmãs. Ao mesmo tempo em que nos chamam de irrelevantes, fazem tudo para tornarem-se um novo Caim da história moderna.

  30. Perseguição desigual

    Tudo bem que a reação diplomática de Israel foi rude. Mas é impressionante, quase ninguém fez aquicomentário publicado a favor de Israel (que está só se defendendo) e contra a conduta equivocada do nosso ministro das relações exteriores que agiu de forma deselegante nada equanime em relação ao conflito. Só deu um desnecessário puxão de orelhas em Israel e poupou a Palestina e/ou o Hamas. Acabei de ler um comentário da sempre tucana Eliana C., na Folha, elogiando o governo Dilma, mesmo lembrando que esse governo silenciou no caso da Siria (ocom maior número de vitimas do que em Gaza). O texto dela, como outros aqui, inclusive o do professor Assis, resvala no antissemitismo, principalmente quando iguala a morte dos civis em Gaza ao Holocausto. No Holocausto, os perseguidos não tiveram oportunidade de defesa, não tinha agredido ninguém. Mas, com a leniência de Vargas e outros governantes, os judeus foram perseguidos.  Aqueles que querem devolver o território de Israel aos palestinos (como o Hamas que prega a sua destruição física), deveriam por isonomia pensar em devolver o Brasil aos índios. Estou chocado com essa perseguição sistemática e desigual à Israel e essa leniência com o terrorismo que começou esse conflito sequestrando e matando três jovens 

    • Alfredo, quando li seu

      Alfredo, quando li seu comentario não tive dúvidas de que idiotas realmente existem… Parabéns por sua completa ignorância.

      • Ofensas em vez de argumentos

        Ralf, quando alguém parte para ofensas em vez de contestar com argumentos, a burrice fica patente. A sua ficou. Fale um pouco da matança na Siria, bem maior que a de Gaza, e que não lembro de ter provocado tanta indignação, muito menos do governo brasileiro. 

        • Cantiga antiga, em 78 rpm

          Israel tem tudo. A despeito de toda choraminga, possui tâmaras tomadas dos palestinos, apoio da mída, armas de alta tecnologia, licença para matar crianças, bombas de fósforo branco, apoio do Império, arsenal nuclear, arrogância… e muito dinheiros – tudo múltiplo de 30.

          O que Israel não tem: vergonha na cara, coração, coisas humanas. E para responder ao Sternheim: Israel não tem argumentos. E seus defensores, por efeito de osmose, também não. O que propõem aqui é a cantilena surrada, o mesmo libelo tosco, mil vezes respondido sobre o Hamas, sobre escudo humano, sobre serem jogados ao mar, sobre a perseguição milenar, sobre falta de argumentos dos outros, ó céus! – que nem o senhor. Tornam a carregar as mesmas palavras a cada post. Chamar esse disco furado de argumento é demais, herr Alfred. Sua indignação invertida já foi respondida nos primeiros comentários, no primeiro episódio da matança versão 2014 – parte 2, quando não podendo ir contra os fatos dantescos, o assunto virou matéria jornalística.

  31. Os EUA acabarão pagando a

    Os EUA acabarão pagando a conta disso tudo junto com israel!

    Qual a moral que terão em falar sobre DIREITOS HUMANOS?

    Vá lá, prenda quem solta os foguetes, mas matar crianças?

    É difícil entender!

    • Fez-me rir…

      No conselho de direitos humanos da onu, uma piada de péssimo gosto, atualmente sentam países que os respeitam, tais como: 

      Arábia Saudita

      China

      Cuba

      Marrocos, etc.

      Estes quatros e alguns outros se arvoram em falar em direitos humanos… que moral eles têm? 

      Realmente é muito difícil entender.

      • Rebola pra la e pra ca. E

        Rebola pra la e pra ca. E esqueceu dos mestres internacionais da torturra, Ate escola de nivel superior de tortura os safados mantem no Panama, alem dos campos clandestinos para aprisionar desafetos sequestrados ao redor do mundo. O estado nazista montado pelo austriaco adolfo se confrontado ao atual usa, nao dava pro cafe.  A grande jogada dos fascistas norte-americanos foi comprar grades redes de comunicacoes multiplicando a producao de papagaios e vira-latas amestrados nos quatro cantos das periferias geograficas.

         

        Orlando

  32. Eu não consigo não rir quando

    Eu não consigo não rir quando ouço a expressão “A terra prometida”. Ora, no sistema em que vivemos, o capitalismo feroz e assassino, terra prometida é aquela que deve ser sacramentada por um contrato de compromisso de compra e venda. Só então, no final do pagamento, o comprador recebe a escritura definitiva e pode dizer que a terra é a sua prometida. Como é que dá para enfiar deuso nesse meio!?

    • Comentário infeliz

      Cafezá,

      Repense. Pondere. Seu comentário é um atestado de ignorância cultural. Pouco importa o lado da sua preferência.

       

    • Cafezá, a “terra prometida” e

      Cafezá, a “terra prometida” e o “povo eleito de Deus” que tanto citam me faz recordar o saudoso Millor Fernandes em uma de suas charges. Ele questionava afirmando que se realmente fosse assim Deus teria direcionado os seus eleitos para mais à direita do mapa onde estavam localizadas as maiores reservas de petróleo do planeta. Cada um tem a terra que merece…

      • Quanta falta de conhecimento…

        Cafezá, falta-lhe conhecimento. Deus deu aos eles coisa  muito maior que campos de petróleo. O conhecimento. Já foram laureados com o Prêmio Nobel, 176 judeus pelo mundo. Sem falar que eles tem muito dinheiro espalhados em negócios por toda a parte.

    • Terra Prometida

      O Senhor fez certos convênios com os israelitas, quando os levava para fora do Egito:

      Portanto dize aos filhos de Israel: Eu sou o Senhor, e vos farei sair de debaixo das cargas dos egípcios, e vou livrá-lo da sua servidão, e vos resgatarei com braços estendido, e com grandes julgamentos: E eu o terei para mim como povo e eu serei o vosso Deus: e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tirou de debaixo das cargas dos egípcios. E eu vou levá-lo a terra, sobre a qual eu jurei dar a Abraão, Isaac e Jacó, e eu vou dar-lhe como herança: eu sou o Senhor (Êxodo 6:6-8 )

       

       

      Há cinco promessas nestes versos. O Senhor prometeu trazer os filhos de Israel do Egito, Ele prometeu libertá-los da escravidão, Ele prometeu redimí-los – uma promessa que incluiu fazer deles um povo sacerdotal e luz para o mundo, Ele prometeu fazer deles um povo da aliança, sujeito a Ele, e Ele prometeu levá-los para a terra prometida de Canaã e dar-lhes a terra como herança. Esta promessa final é uma reiteração da promessa que o Senhor fez a Abraão – que seus descendentes iriam um dia possuir a terra em que só peregrinou Abraão..

      Não sou uma pessoa que pode-se dizer “crente”, mas procuro entender o lado espiritual das pessoas.

  33. IRMÃOS DA PAZ

    Rio de Janeiro, 14 de setembro de 2013

    IRMÃOS DA PAZ (Cláudio José)

    Chega de sofrimento no Oriente Médio

    Chega de bombas e de guerras

    Lutemos pela paz e pelas crianças

    Judeus e Palestinos sejam irmãos de coração

    Sejam filhos de um futuro pacífico, do bem e do amor

    Pensem no sofrimento de muitas mães

    Pensem no sofrimento gerado pelas perdas

    Pensem, que Deus não é sinônimo de guerra

    Pensem, que Deus é sinônimo de paz e amor

    Judeus e Palestinos, o sangue, não foi feito para ser derramando

    O sangue foi feito por Deus, para irrigar o coração

    Judeus e Palestinos, troquem as armas pelas flores

    Troquem o ódio, pelo futuro das crianças e o amor

    Troquem as bombas pela paz

    Judeus e Palestinos, sejam irmãos de coração

    Chega de sofrimento e de mortes em vão

    Chega de matar, morrer e sofrer

    A paz tem o poder de calar as bombas

    A paz tem o poder de mudar o mundo

    O Oriente Médio tem que ser o Oriente Lindo

    O Oriente Médio tem que ser o Oriente Pacífico

    Judeus e Palestinos, sejam irmãos da Paz

    Judeus e Palestinos, que Deus toque o seus corações

    Que Deus traga a paz, o sorriso, e o futuro das crianças de volta.

    Observação: Como não custa sonhar, bem que esse poema poderia ser lido por algum chefe de estado, que ama a paz na ONU.

    Atenciosamente:

    Cláudio José, um amigo do povo e da paz.

    • O mais sensato de todos os

      O mais sensato de todos os comentários, aqui e no mundo inteiro. Parabéns Cláudio!

  34. Stray dogs

    “os Estados Unidos fazem é bom, sendo que os Estados Unidos, no caso, fazem tudo o que quer a direita israelense”

    Exatamente, Assis!

    No caso deles trata-se de “stray dogs complex”! eles também têm essas coisas…

  35. é issoo aí assis…
    quem quer

    é issoo aí assis…

    quem quer a guerra é o dono dos armamentos, claro..

    se vacilar os donos das armas dos eua e israel vão oferecer armas de defesa – ou de ataque – para o hamaz!!!!

  36. Alienação e censura

    Fico indignado com a forma como as matérias do G1 e cia estão tratando esse e outros temas do cenário político nacional e internacional. É muito descaramento. Até pouco tempo atrás ainda podia-se comentar, mas no G1 removeram todas as caixas de comentários. É duro ler tais “reporcagens” sem poder ao menos denunciar as farsas, erros, fraudes, mentiras, manipulação, interesses escusos, falta de isenção, etc… Talvez por isso mesmo é que retiraram esse canal de interação com o leitor, para que assim os alienados fiquem ainda mais alienados e aqueles que possuem um mínimo de discernimento não possam opinar a fim de abrir os olhos dos demais leitores.   

  37. PODE SER FEITO UM PARALELO DA

    PODE SER FEITO UM PARALELO DA FAIXA DE GAZA  COM O GUETO DE VARSÓVIA. SÓ QUE NO LUGAR DOS ALEMÃES TEMOS ISRAEL.

  38. todo aquele que…

    mesmo atuando de forma imperativa não se satisfaz de interferir apenas na orgazição e passa a querer comandar pelo ódio, violência e morte, o destino de grupos humanos indefesos, deve ser combatido por todos, mas não com o mesmo primitivismo, não com considerações e respostas que visam apenas criar mais impasses diplomáticos de mesmo nível, primitivo

  39. DE ONDE VEM AS ARMAS

    Acusam a Rússia de estar fornecendo armamento para os rebeldes ucranianos. Ali acontece uma guerra entre iguais em termos bélicos.

    Na guerra de Israel contra Gaza, quem é que fornece grande parte do armamento?

    Os americanos, é claro!

    E a imprensa se cala…

  40. Que espécie de aleijume moral
    Que espécie de aleijume moral faz alguém apoiar o genocídio praticado pelo Estado terrorista de Israel contra os palestinos? E, no entanto, os aleijados morais existem aos montes, e são da mesma natureza dos que negam ou justificam o genocídio dos alemães contra os judeus, que estão mostrando ter aprendido muito com os algozes. Há pouco assisti no Canal Brasil a uma entrevista excelente da jornalista Guila Flint, brasileira-israelense que reside há décadas em Israel. Fiquei sabendo de algo surpreendente: atualmente há levas de milhares de jovens dos mais talentosos e brilhantes de Israel emigrando principalmente para Berlim, mas também para Londres e Nova York. Por quê? Simplesmente porque não acreditam no futuro de Israel. Isso, que eu não sabia, só vem confirmar algumas opiniões de estudiosos e observadores de que Israel lá por 2050 será apenas um item nos anais da História. A política atual do Estado terrorista de Israel está criando celeremente as condições para uma nova diáspora, mais hoje mais amanhã. É que mesmo a força militar bruta do Tsahal tem um limite no seu uso. E com o uso que está sendo feito, Israel está cavando sua própria sepultura. Os israelenses parecem não ver, ou se veem não querem crer, que o eixo de poder no mundo está mudando. Que os USA, apoiadores tão incondicionais quanto insensatos, que Israel reduziu à condição de refém, não são mais capazes sequer de deter milicianos sunitas que tomaram todo o norte do Iraque que tinha sido “libertado” em 2003. A marcha da insensatez no mundo está acelerada. 

     

  41. O senhor do Tártaro

    Lendo os comentários aqui vemos que a grande maioria é formada pelos fiéis defensores da doutrina MAG, o verdadeiro ministro das relações exteriores da era de ocupação do palácio do planato pelo petismo. Vendo a foto do Marco Aurélio Garcia a conclusão é óbvia, além de ficarmos sabendo de onde essas criaturas emergem… 

    2. Incrustação calcária que se forma sobre os dentes.

    3. [Mitologia]  Parte do Inferno onde os réprobos padeciam os seus castigos.

     

    Para confirmar basta olhar uma foto do dito cujo sorrindo…

     

    Somente em Aleppo morreram mais crianças que o total de mortos em Gaza… e aqui a grande maioria apoia Bashar Al Assad.

      

    • O Hamas agradeçeu o governo do Brasil

      O Hamas agradeçeu ao jornalista da Folha em Gaza o apoio dado pelo governo do Brasil, pois nem os países árabes  deram apoio como o Brasil até agora. Ja a Autoriadade Palestina falou que o Brasil deveria fazer mais do que emitir notas  contra Israel.

      • Obrigado, Itamaraty.

        Eu também agradeço e não sou do Hamas. Também acho que o Brasil devia fazer mais em solidariedade ao povo palestino. Enviar medicamentos, alimentos, água, brinquedos, roupas – coisas que Israel impede que se chegue em Gaza. O ódio israelense não tem limites. Quem se esquece do Mármara, o barco que foi levar solidariedade ao povo palestino e foi destroçado pelos santinhos de pau-oco, em águas internacionais, de madrugada? Se os brasileiros enviassem ajuda humanitária ao povo palestino é bem possível que tivesse o mesmo destino. 

        Mas ainda podemos enviar, enquanto humanos, mensagens de esperança e de persistência ao heróico povo da Palestina.

    • FASCISTAS APOIAM FASCISTAS

      A guerra civil em marcha na Síria foi provocada pelos mercenários financiados, treinados e dirigidos pelos fascistas americanos. E a escalada fratricida serve aos fascistas israelenses, que visam aniquilar todos os que se opõem ao genocídio hediondo praticado contra a população palestina. Mas seu comentário é útil por evidenciar que aqueles que defendem os terroristas que praticam crimes de guerra contra a população e o exército da Síria (execuções em massa noticiadas seguidamente pela imprensa) são os mesmos fascistas que apoiam o genocídio praticado por Israel.

      • FASCISTAS – PORQUE ESSA PALAVRA É TÃO USADA?

        É muito comum encontrar em comentários de artigos gente falando de fascismo. Da forma como é colocado, parece claro que a imensa maioria não sabe do que se trata. Chamar os EUA e Israel de fascistas é, no mínimo, uma piada. Ora, os maiores preceitos do fascismo são a ausência de democracia, centralização do poder e doutrinação de um povo inteiro, desde sua infância (Alguém lembrou de socialismo?). É isso que nós vemos em Israel e nos EUA? Israel é a única democracia no Oriente Médio, onde muçulmamos trabalham e têm até representação no governo. Se fala muito em brutalidade, massacre, assassinato, guerra desproporcional. É muito fácil dizer isso vivendo num país imenso como o Brasil, sem ameaças militares diretas de países estrangeiros e resguardados por uma democracia capitalista (como são também Israel e EUA). Israel é um território diminuto, menor que o menor estado brasileiro, Sergipe. Está cercado por inimigos declarados de todos os lados que querem ver sua caveira (e declaram publicamente isto). O que Israel deveria fazer diante disso? As vítimas em Israel são muito menos numerosas, não é porque não está sob ataque e sim, por ter uma bateria anti-aérea altamente eficiente. O que eles deveriam fazer, desligar o sistema de defesa pra coisa ficar mais equilibrada? Se Israel não investisse tanto em sua defesa já estaria varrida do mapa (não foi por falta de tentativas). Se querem culpar alguém, culpem os integrantes do “Movimento Islamita Palestino” (Bonito nome que o autor deu ao Hamas, né?) que usam seus entes como escudo humano. Muita gente na net defendendo regimes ditatoriais, é impressionante. E o pior de tudo é que a maioria é formada por gente esclarecida, universitários, jornalistas, formadores de opinião. Gente esta que nas férias vão para a Europa, Canadá, EUA e não para a Líbia, pra Jordânia, Cuba, Vietnam… Pelo amor de Deus, coloquem os pés no chão. Se querem expressar sua opinião sobre o tema na net, tenha pelo menos o bom senso de estudar a história do conflito e, mais além, a história desses dois povos. Até o nome Palestina é uma criação ocidental (romanos). É bom saber pelo menos disso, antes de falar em “verdadeiros donos da terra”. Pra concluir, eu pergunto: se os países vizinhos são tão legais, porque não absorvem seus irmãos palestinos, ou pelo menos parte deles em seus territórios, como forma de aliviar seu sofrimento? Ao invés disso, fazem apenas o “grande favor” de enviar mais e mais armas.

        • FASCISMO, VIOLÊNCIA E FARSA

          Fascistas são todos aqueles que usam a propagação de farsas e/ou a violência física para impor, de modo forçado e dissimulado, seus interesses políticos. E as evidências da utilização de tais expedientes por parte da elite dos países que promovem e apoiam o genocídio na Palestina são inúmeras e inegáveis. Todavia, a postura fascista é caracterizada exatamente pela negação sistemática da verdade, mesmo quando esta se evidencia clara como a luz solar.

        • Palestinos, falestin, filistin, semitas. O invasor, Israel.

          Depois dessa devia pegar o seu chapéu e sair pela porta por onde entrou. Vamos recolocar as coisas. Israel é o invasor. Se alguém tem que sair é ele. Simples assim. Não havia guerras – se é que esse nome é apropriado dada a desproporção de capacidade de matar entre as partes – antes que os sionistas pisassem as terras palestinas. Fizeram uso do terrorismo explícito desde o primeiro dia, sem que houvesse uma nação disposta a intervir no delírio assassino do Irgun. O invasor não é semita, é europeu – logo não tem o direito de acusar os árabes de anti-semitas. Em contrapartida, os árabes tem o direito de defender suas terras. O fato de terem perdido territórios para Israel não lhes tira a razão de defender-se do estado sionazista. Logo, os nomes do vosso discurso cut&paste estão trocados. Israel não se defende coisa nenhuma: agride.

          Se fosse continuar a dar linha para o seus argumentos, apenas lhe diria que o socialismo que vossa impertinência condena é o único sistema capaz de alcançar a paz porque foi quem derrubou o fascismo na 2ª Guerra, foi quem abriu os campos de concentração, foi quem liberou o mundo das garras de Hitler. Ou ainda acredita que foi o Mickey Mouse? Os “aliados” de Israel queriam ver os judeus pelas costas, razão pela qual apoiaran Hitler até quando não podiam mais. Para entender isso devia parar de ler as páginas encardidas da Seleções Reader’s Digest e também da Veja. Ambas vieram do mesmo esgoto.

  42. O artigo do Professor J. assis

    ratifico o seu artigo Prof. J. Assis. Israel é hoje a grande ameaça do mundo. Estados Unidos referendam as atrocidades israelenses contra os palestinos. são extremistas que governam Israel. Como sociólogo vejo a faixa de Gaza como um horrendo campo de concentração bancado por Israel que ignora a história recente quando milhões de Judeus morreram na Alemanha. A grande mídia brasileira está mais interessada em enfraquecer a a Dilma para alavancar a candidatura do Aécio que representa o retrocesso econômico e das políticas sociais. Sou mineiro e afirmo que o governo do Aécio Neves em Minas Gerais foi pura fachada e entreguismo da coisa pública. Ele governou Minas de Ipanema do Rio de Janeiro. Viva a Palestina e repúdio aos atos criminosos do governo israelense.

  43. ótimo texto

    Ótimo texto, principalmente na parte relativa ao vira-latismo da nossa repugnante mídia. Só uma correção, ou melhor, uma atualização: a própria polícia de Israel já reconheceu que os culpados pelo sequestro e assassinato dos três adolescentes israelense – uma tragédia, sem dúvida! – não eram ligados ao Hamas. Mas as brigadas pagas para difundirem posições pró-Israel nas redes sociais já afirmam que essa não seria a questão, e sim os foguetes artesanais que o Hamas tenta jogar em Israel, todos interceptados pelo Iron Dome, sofisticado sistema de defesa financiado pelos bilhões dos EUA. Que bom que esses foguetes não estão matando ninguém em Israel! (As brigadas a soldo de Israel sempre dizem que queremos judeus mortos quando falamos que é um absurdo eles fazerem um massacre para responderem ao lnçamento de foguetes inócuos).

    Sobre sermos anões irrelevantes que apanham de 7, ver o breve e ótimo texto do grande Marco Aurélio Garcia:

    http://www.viomundo.com.br/politica/marco-aurelio-garcia-governo-brasileiro-nao-busca-relevancia-que-chancelaria-de-israel-ganhou-nos-ultimos-anos.html   

  44. O Brasil foi grosseiramente

    O Brasil foi grosseiramente desrespeitado pela Chancelaria israelense, de forma vulgar e anti-diplomatica. O que fará ou dirá a UNASUL a respeito. ?  Nem uma nota de solidariedade continental? Nenhum governo bolivariano abriu a boca, pelo menos uma Nota da entidade?  Para que serve a UNASUL se não é uma coumunhão de interesses e defesas comuns?

     

  45. O pior é que Chancelaria de

    O pior é que Chancelaria de Israel não está muito errada quando nos comparam aos anões, anões e vira-latas, observamos isto todo dia nos comentaristas de nossa “mídia” e em uma parcela da população alienável.

  46. O ponto de vista, da diplomacia israelense…

    Eu diria, que irrelevante sob todos os aspéctos, é a opinião de um “sub do sub do sub” da chancelaria israelense, que desconhecendo o histórico brasileiro, na diplomacia, tendo sido inclusive, o eleitor, que deu o voto de minerva, para a criação “legal” do Estado judeu, em terras palestinas, fato que deveria, isto sim, ser agradecido por todos os judeus e por toda a vida, e que sem usar armas, tem conseguido pela diplomacia, acôrdos e mais acõrdos, entre nações belicosas, exceto quando envolve Israel e seu patrocinador-mor, os E.U.A.

    Independente de Israel desobedecer às resoluções do C.S da ONU, e de continuar massacrando os civís e destruindo tudo o que estiver à sua frente, até eliminar todos os resquícios da civilização palestina, mais dia, menos dia, eles verão e reconhecerão, que o que o Brasil tentou fazer, foi resolver o conflito diplomaticamente, e de mãos vazias.

  47. O mundo é responsável

    Me pergunto: como o mundo pode dormir, sabendo o que acontece com esse povo massacrado e expulso de seu próprio país?
    Por que Israel precisa esmagar um povo apenas por materialismo e ódio?
    O mundo precisa tomar providências, somos todos coniventes com o que está acontecendo, temos olhos e ouvidos tapados, acobertando uma guerra infinitamente sem propósito.
    Israel deixou de ser o país dos massacrados pelo holocausto para serem o segundo Hitler da história da humanidade.

    QUE A PAZ SEJA O OBJETIVO DO MUNDO,PARA ACABAR DE VEZ COM A DESTRUIÇÃO DA PALESTINA E A DEVOLUÇÃO DE SUAS TERRAS, FIM À DESUMANIDADE EM TODA A REGIÃO ÁRABE!

  48. PERSEVERANÇA PACÍFICA CONTRA O GENOCÍDIO

    Parabéns ao autor do artigo pela coragem e pelo excelente texto. Muito precisas as afirmações acerca das causas geopolíticas e dos interesses econômicos vinculados à cumplicidade com os crimes de guerra do estado de Israel. Do mesmo modo, vale conclamar os militantes palestinos a repudiar o uso de qualquer tipo de violência, pois somente a resistência pacífica pode conduzir ao progresso da causa palestina, e é importante estimular setores mais civilizados da população israelense, que anseiam pela paz, a perseverar no embate político contra os fascistas responsáveis por este criminoso genocídio praticado pelos sinonistas.

  49. Nova Óptica, Novo Rumo

    Nassif: a maestria do governo de Israel em fazer “adversários” não tem limites. Não são somente junto aos árabes, seus primos e vizinhos, em suas milenares turras.

    Tidos por “eleitos de Deus”, usam e abusam deste suposto desígnio, desprezando todos que não sejam dos seus.

    As lições de história nos mostram diuturnamente este enfoque.

    Como dominam finanças e meios de comunicação por todo mundo ocidental, se acham em “estado de Graças” para espezinhar e ridicularizar todo e qualquer governo ou pessoa que não comungue por sua cartilha e se submeta a sua sanha maldita, de atos mesquinhos e traiçoeiros.

    E veja bem, não estou me referindo ao “povo”, mas aos poderosos crápulas que ontem se diziam “vítimas” do nazismo, mas que hoje, agem com mais requintes e brutalidades contra mulheres, crianças e idosos, indefesos.

    São estes que realente comandam aquela nação e que estão encastelados pelos Estados Unidos e Europa, em suas “voluntárias diásporas”, desfrutando de fortunas imensuráveis, normalmente componentes das elites e bem infiltrados nos parlamentos, donos das grandes mídias e dos principais sistemas financeiros e bancários do ocidente.

    No fundo, temos que agradecer ao senhor Ygal Palmor, porta voz do governo israelense, pelo favor que nos fez em mostrar realmente o que o governo daquela nação pensa do Brasil, sobre o Brasil e todos nos brasileiros, à exceção da atual oposição ao governo, seus constantes e leais asseclas.

    A atitude brasileira não dará em nada, em sentido prático, pois a corja de imorais, assassinos e inescrupulosos, que manda hoje na dita “nação eleita” não liga a mínima, sob o mando todo poderoso não de Deus, mas dos seus descarados “irmãos” extremistas, radicados dentro e fora daquele pais, especialmente nos Estados Unidos e na Europa.

    Já é tempo de nós brasileiros começamos repensar atitude e visão sobre o atual governo de Israel e seus extremistas, de lá e dos que habitam outras fronteiras, especialmente as nossas.

    Alias, vai a sugestão de substituir o final do excelente artigo do Dr. Assis, “Ave, Israel, moritura te salutant!” por “Quousque tandem abutere, “ISRAEL”, patientia nostra? Quamdiu etiam furor iste tuus nos eludet? Quem ad finem sese effrenata jactabit audacia?

  50. O massacrre de Gaza…

    Falam, escrevem, falam, escrevem, mas não dizem nada. Resolvam o problema do ódio que há entre eles e tudo isso se acaba. Interessante, que ninguém menciona os ataques do Hamas a Israel. São muitos. De todas as formas. Quando Israel responde é desproporcional. Imagine que o Paraguai resolva nos considerar inimigos deles e espalhem entre o seu povo que eles tem que lutar contra nós e nos exterminar, até que não exista mais um brasileiro sequer  no mundo. É assim que Israel se sente. Cabe a nós seres “civilizados” lutarmos pela paz. Ao escolher um dos lados para apoiar estaremos disseminando o ódio. É o que demonstra o articulista, que deveria conhecer os motivos dos muçulmanos palestinos. Ao invés disso o texto demonstra uma enorme ignorância ao mencionar posse de terras e promessas bíblicas. O título de doutor e os todos os seus livros não o socorrem. Assim o ódio vai continuar.

     

  51. O massacrre de Gaza…

    Falam, escrevem, falam, escrevem, mas não dizem nada. Resolvam o problema do ódio que há entre eles e tudo isso se acaba. Interessante, que ninguém menciona os ataques do Hamas a Israel. São muitos. De todas as formas. Quando Israel responde é desproporcional. Imagine que o Paraguai resolva nos considerar inimigos deles e espalhem entre o seu povo que eles tem que lutar contra nós e nos exterminar, até que não exista mais um brasileiro sequer  no mundo. É assim que Israel se sente. Cabe a nós seres “civilizados” lutarmos pela paz. Ao escolher um dos lados para apoiar estaremos disseminando o ódio. É o que demonstra o articulista, que deveria conhecer os motivos dos muçulmanos palestinos. Ao invés disso o texto demonstra uma enorme ignorância ao mencionar posse de terras e promessas bíblicas. O título de doutor e os todos os seus livros não o socorrem. Assim o ódio vai continuar.

     

    • A Estirpe de Caim

      Alcides: quando aquele o povo ainda não se chamava Israel, já nos condizíamos com ele, nas aulas de história. No Egito, quando foram escravos, choramos ao lermos os relatos. Quando escravos foram à Babilônia, nossos sentimentos redobraram. Confinados em Auschewirz II e outros lugares semelhantes, fizemos campanhas em seu favor e até participamos na transformação de uma determinada geografia para que fosse sua Pátria, quando europeus e norteamericanos os queriam longe, apesar do discurso hipócrita que diziam e publicavam. Agora, quando vemos a “estirpe de Caim” renascer no seio daqueles que tínhamos por injustiçados e perseguidos, quando verificamos ressurgirem como corja rastejante, assassinos declarados, não perguntamos os motivos, como não o fizemos, desde o Egito, passando pela Babilônia ou Alemanha. Não questionamos os motivos de qualquer deles e corremos em socorro do que julgamos necessário. Era desproporcional o ataque nazista em Sobibór, Treblinka etc, tanto quanto faz atualmente Israel aos Palestinos em Gaza e algumas outras vizinhanças. Se fizemos vistas grossas na chacina de Sabra e Chatila, no Líbano, promovido sob o manto da Estrela de Davi, agimos errado. Agora, lutar pela Paz, como sugere você, é denunciar de forma contundente os crimes promovidos pelos descendentes de Caim, que hoje dominam aquela nação. Quanto ao exemplo paraguaio, veja que nosso vizinho, quase dizimado que foi, para atender interesses exclusivamente ingleses, nunca tentou sequer sabotar-nos. Perderam metade da sua população masculina na guerra. Perderam terras. Mas continuam, lutando para sua prosperidade, pelo seu progresso, sem nenhuma atitude de hostilidade, muito menos de ódio mortal, ou ato de massacre a quem quer que seja.

  52. ARTIGO DO JUIZ FEDERAL

    ARTIGO DO JUIZ FEDERAL WILLIAM DOUGLAS

    William Douglas, Professor de Direito Constitucional, Mestre em Estado e Cidadania (UGF), pós-graduado em Políticas Públicas e Governo (EPPG/UFRJ)

    Entendo que Israel e os palestinos têm muito a caminhar para que possa haver paz, e que guerras são ruins para todos. Contudo, a forma como nosso governo se posiciona é totalmente infeliz e, pior, contra o que diz nossa Constituição.

    Como cidadão e professor de Direito Constitucional, registro que todos devem respeitar o que está na Constituição Federal. Nenhum governo, mesmo que eleito democraticamente, tem autonomia para agir contra aquilo que determina nossa Carta Magna. Nesse sentido, vejamos:

    “Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

    I – independência nacional;

    II – prevalência dos direitos humanos;

    III – autodeterminação dos povos;

    IV – não-intervenção;

    V – igualdade entre os Estados;

    VI – defesa da paz;

    VII – solução pacífica dos conflitos;

    VIII – repúdio ao terrorismo e ao racismo;

    IX – cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;

    X – concessão de asilo político.”

    A VERGONHOSA e LASTIMÁVEL Nota emitida pelo Itamaraty, em nome do país, viola a Constituição, como podemos demonstrar:

    I – independência nacional; – A Nota quer que Israel abra mão do direito de se defender e de evitar mísseis (+ de 2.000) e túneis utilizados contra sua população civil.

    II – prevalência dos direitos humanos; – A Nota “esqueceu” que o Hamas obriga civis, mulheres e crianças, a servirem de escudo humano e combustível para propaganda contra Israel. Isso para não falar de esconder mísseis em escolas, mesquitas e hospitais, inclusive da ONU.

    III – autodeterminação dos povos; – Ao emitir Nota em formato tão infeliz, o Itamaraty reduz sua capacidade de ajudar a criar um Estado Palestino e também desrespeita o direito de defesa de um país que está sendo constantemente atacado por mísseis lançados contra alvos civis.

    IV – não-intervenção; O governo brasileiro está intervindo de modo parcial, injusto, panfletário, contrário à CF e, pior, contra o item VIII, abaixo.

    V – igualdade entre os Estados; A Nota indica que nosso governo não vê problema em terrorismo contra Israel, mas não aceita que Israel se defenda. Repito: as vítimas civis são muitas por culpa do próprio Hamas, a quem a Nota quer defender. Nesse passo, mísseis contra civis, mulheres e crianças em Israel não foram objeto de crítica. Que igualdade entre Estados é essa?

    VI – defesa da paz; Chamar o Embaixador Brasileiro é ato de hostilidade, em especial por falta de base razoável para gesto dessa magnitude.

    VII – solução pacífica dos conflitos; Israel fez várias ofertas de cessar-fogo antes e depois de iniciado o conflito, todas recusadas pelo Hamas que, por querer a extinção de todos os judeus, não quer solução pacífica. O governo brasileiro está defendendo quem vai de encontro aos princípios escolhidos pelo povo brasileiro, os quais podem ser lidos na nossa Constituição.

    VIII – repúdio ao terrorismo e ao racismo; O Itamaraty ficou do lado dos terroristas. A forma como trata Israel, notoriamente um Estado judeu, não está muito longe da prática de racismo e preconceito, comportamentos que são contrários às normas legais brasileiras. Antissemitismo também é inaceitável.

    IX – cooperação entre os povos para o progresso da humanidade; O Itamaraty, ao invés de ajudar a cooperação, a desestimula e prejudica. E se isso já não bastasse, ainda reduz a credibilidade do nosso país na comunidade internacional.

    A alegada “desproporcionalidade” só demonstra falta de conhecimento histórico, militar e da própria situação em tela. Como disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, “não é assim na vida real” e “a única razão para não termos centenas de mortos nas ruas de Israel é termos desenvolvido um sistema antimíssil e não vamos nos desculpar por isso. Se não tivéssemos esse sistema haveria centenas de pessoas mortas nas ruas de Israel. Isso seria considerado proporcional?”.

    Por fim, vale lembrar que o mesmo Itamaraty faz “vista grossa” para a agressividade desproporcional contra os oposicionistas do governo chavista da Venezuela. Antes disso, como citado por Reinaldo Azevedo, “em 2006, na gestão Lula, com Celso Amorim à frente do Itamaraty, o Brasil se absteve de uma resolução condenando o governo do ditador Omar al-Bashir, do Sudão, pelo massacre de pelos menos 500 mil cristãos em Darfur.”

    Ao apoiar incondicionalmente o Hamas, o Itamaraty tem responsabilidade sobre a morte de cada civil, cada ferido, cada criança e cada mulher usados como escudos humanos. Ir contra isso protegeria estes palestinos. Algum governante de Gaza, onde há muito não se realizam eleições, pode simplesmente pensar: “- Para que parar de usar essa estratégia se o Brasil, nosso aliado, não a critica?”

    Matar cristãos, pode; matar oposicionistas na Venezuela, pode; apoiar o terrorismo iraniano, pode; desrespeitar a Petrobras na Bolívia, pode; usar palestinos como escudo humano, pode; usar hospitais e mesquitas como depósito de armas, pode. Porém, Israel se defender, não pode. Definitivamente, a postura do Itamaraty está indo contra o que determina nossa Constituição.

    O Itamaraty não pode apoiar terroristas. Simples assim. Se alguém quer fazer isso, não pode fazê-lo em nome do país. Fale como pessoa física, nunca em meu nome.

    Não em meu nome

    Não em meu nome também

     

    • Libelo ou Panfleto?

      Excelência: permita mínimas e brevês observações, maxima concessa venia, à óptica do seu artigo.

      Ele mais esta para um panfleto político-partidário que para uma lição de Direito Constitucional, ou mesmo o registro sincero da “indignação” de um cidadão livre e de bons costumes.

      É um escrito “pessoal”, aparentemente comprometido com uma “posição” partidária, destas que não tem discurso político ou institucional suficiente para hoje opor-se aos seus rivais.

      O signatário, na qualidade de  “Meritíssimo Juiz”, conhece os canais jurídicos competentes para enfrentar ao ato governamental, tendo como réu o Ministério das Relações Exteriores.

      Como catedrático na matéria constitucional, distorce o rumo, esquecendo-se de “o que não disse o legislador, não o faça o interprete”.

      Seu “libelo acusatório” estaria mais para um “panfleto”. E este, para a interpretação literal, direta e objetiva, do “Samba do Criolo Doido”, do Stanislaw Ponte Preta, quando, virulentamente, se arremessa contra outras Nações, de seu particular desafeto, no intuito de demonstrar a “inconstitucionalidade” da Nota do Itamaraty, no “affair” atual de Gaza.

      Diz o douto e nobre escrito que emitimos uma “ato de hostilidade”.

      Portanto, estamos sujeitos que os membros da colônia judaica, aqueles que estiverem coniventes com os massacres que agora ocorrem em Gaza, retaliem e sabotem, com seu imenso poder midiático e econômico de que dispõem por todo mundo ocidental, o “Bolsa Família”, boicotem o “Minha Casa Minha Vida”, ridicularizem o regime de “quota aos negros” e de outros menos afortunados, dos programas assistenciais brasileiros.

      Poderão, estes “estrangeiros” aqui radicados, em defesa o regime sionista, dinamitarem a Ponte Rio-Niteroi, explodir Itaipu, o Cristo Redentor, o Obelisco do Ibirapuera, se possível levando consigo civis desarmados, pois guerra é guerra.

      Penso que em suas aulas de História de Direito Constitucional há de defender o massacre promovido pelo Império Turco-Otomano contra os armênios (abril, 1915), as chamadas “caravas da morte”, que exterminaram sumariamente um milhão e quinhentas mil pessoas.

      E há de justificar, pois a Constituição deles, à época, permitia que potência se coligasse ao Império Austro-Húngaro para “lavar a honra” e vingar a morte do Arqueduque Francisco Ferdinando e de Sofia, sua mulher, executados por Gavrilo Princip, estudante sérvio-bósnio ligado a uma organização nacionalista, em Sarajevo,  em 28 de junho de 1914.

      Um mês depois, há exatamente 100 anos, em 28 de julho, iniciou-se, a partir deste fato, a Primeira Guerra Mundial.

      A ingenuidade do escrito beira a imbecilidade, quando finge desconhecer que Israel não respeito nenhuma Resolução da ONU, além da “181”, pela qual nosso compatriota Osvaldo Aranha tanto se empenhou. Tenho pra mim que a manifestação guerreada faz jus ao adágio que diz —“O MP pensa que é Deus; o Magistrado tem certeza”…

      • Ele não colocou.

        O Alcide deve ser gente do bem. O juiz também. Gentili também. Silvio Santos, Serra, Aloysio, Cachoeira, o Dantas, o Gilmar, o Alckmin, a Gislaine, o proprietário da casa que eu moro é tudo do bem. Eles não colocam nada. Eles tiram, perfeitamente.

    • Que estupidez é essa ? Eu não

      Que estupidez é essa ? Eu não posso acreditar que um juiz. academico de direito escreveria tamanho disparate. Ao ponto de citar o pitbull da veja ????

      De todas as formas, a criatura que escreveu isso não tem nenhum compromisso com a verdade factual. Que horror!

  53. Diplomacia Brasileira.

    Nossa diplomacia já foi benevolente demais quando ajudou os “aliados” na criação de Israel tomando as terras palestinas. O Deus que escolhe um povo e lhe promete terras de outros povos, não é o Deus que acredito existir. Isso é história para boi dormir. Agora os judeus não contam mais com a “diplomacia” de Oswalfo Aranha. Quanto a nossa imprensa, a Sistema Globo conta com o capital judeu norteamericano e sonha com o retorno da corja de FHC com a candidatura de Aéccio Neves. Para refrescar a memória ou mesmo para informar aos que não sabem, esse mesmo sisteme de tv, juntamente com os governadores Carlos Lacerda (RJ), Ademar de Barros (SP) e Magalhães Pinto (MG), deu suporte ao golpe militar de 1964, ficando “em cima do muro”,  Aluisio Alves (RN), pai do atual Presidente da Câmara entre outros. Ainda sobre nossa imprensa, a Rede SBT pertence ao também judeu Sílvio Santos.

  54. O nazi natanyaho havera de

    O nazi natanyaho havera de ser levado ao Tribunal Internacional para ser julgado por crime de genocidio e cruel assassinato de criancas. Alem de obrigar ao Estado terrorista de israel indenizar o povo palestino pelos crimes e pelos prejuizos materiais causados aquele pais.

    Estes senhores da guerra, tanto de washingtom  como de israel, causam repugnancia ao ser humano. E o que penso.

    Orlando S. V.

  55. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome