Somos todos perdedores em “Um Pombo Pousou Num Galho Refletindo Sobre A Existência”

Por Wilson Ferreira

Imagine se o leitor fosse um ser extraterrestre que chegasse na Terra e visse pela primeira vez aspectos do cotidiano da vida dos terrestres em bares, casas, escritórios e ruas. Certamente veria tudo com um misto de estranheza e espanto pelo artificialismo, tensões, angústias e humor involuntário de muitas situações cotidianas. Pois essa é a proposta do diretor sueco Roy Andersson no filme “Um Pombo Pousou Num Galho Refletindo Sobre A Existência” (2014) que fecha a sua Trilogia iniciada há 15 anos  sobre “como ser um ser humano”. São 39 esquetes de pequenos flagrantes da rotina diária, mostrando principalmente os “perdedores” num olhar radicalmente diferente dos losers hollywoodianos. Se nos filmes de Hollywood os “losers” são orgulhosos e viram um estilo de vida, em Andersson os perdedores são a própria essência gnóstica da condição humana: estrangeiros em seu próprio planeta, sociedade, família e amigos.

Com o filme Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência o diretor sueco Roy Anderson encerra sua trilogia sobre “como ser um ser humano” iniciada há 15 anos com Songs From The Second Floor seguido por Vocês, Os Vivos – filmes analisados pelo Cinegnose: clique aqui e aqui

E qual a conclusão que ele chega nesse último filme? “Você precisa acompanhar a passagem dos dias. Ontem foi terça, hoje é quarta e amanhã será quinta. Se você não acompanha o caos se instaura…”, responde alguém que está num ponto de ônibus para outra pessoa que disse que aquele dia estava com cara de quinta-feira.

Em Um Pombo Pousou… Andersson deu continuidade aos seus personagens hesitantes, desajeitados, que parecem a cada quadro desorientados e sem rumo – a absoluta disfuncionalidade dos personagens em relação aos papéis que devem cumprir na sociedade.

O filme é composto de uma série de 39 esquetes irônicas e aparentemente isoladas, pequenos flagrantes do cotidiano onde as pessoas parecem entediadas em um universo com estranha atmosfera de artificialidade. Aparentemente isoladas porque cada detalhe que vemos poderá ser retomado em uma esquete futura.

Cada um dos longos planos (praticamente cada cena é um plano de câmera fixo com personagens entrando e saindo como estivéssemos assistindo a um filme do início do cinema) tem uma beleza estranhamente hiperreal – mistura de bege e cinza, planos meticulosamente construídos em profundidade de campo. É como se assistíssemos a uma série de quadros do pintor norte-americanos Edward Hopper (1882-1967) das suas misteriosas pinturas com representações hiperrealistas da solidão contemporânea nos escritórios, ruas, lanchonetes e hotéis.

Se no primeiro filme da trilogia Andersson focava um aspecto mais “macro” (a crise econômica e espiritual europeias) e no segundo a escala “micro” da angústia frente ao cumprimento dos papéis e convenções sociais, no terceiro filme o diretor parece aprofundar a condição dos perdedores – se no segundo filme Andersson expôs a disfuncionalidade cotidiana das pessoas cumprirem seus papéis (aquilo que a Sociologia chama de “dramas de adaptação”), aqui assistimos a derrotas e às mil pequenas mortes absurdas de todos os dias. 

Morremos diariamente por termos que cumprir scripts repetitivos. Com seus planos longos e fixos, Andersson nos obriga a nos distanciar para percebermos o quanto cada cena cotidiana pode ser artificial e ridícula. Como conclui um personagem na linha de diálogo acima, somos obrigados a ser assim: obedientemente acompanhando os dias, senão “o caos se instaura”.

O Filme

Embora o filme pareça irregular com cenas fragmentadas, há um tema comum que os une: os perdedores – embora cada esquete pareça silenciosa e serena, há uma estranha tensão em cada personagem: elas parecem zumbis obrigados a cumprir seus papéis da sociedade e do próprio filme, mas parece algo querendo explodir em cada personagem. Eles tentam seguir em frente com fleugma e indiferença.

A professora de sapateado que tenta conter sua atração sexual pelo jovem aluno; uma senhora no seu leito de morte no hospital que se agarra a sua bolsa com joias e dinheiro pensando em levar tudo para o céu diante da resistência dos seus filhos e parentes; a balconista que não sabe o que fazer com o pedido do cliente que está morto no chão há mais de uma hora.

Um bar que é invadido pela comitiva do Rei Carlos XII da Suécia enquanto lá fora passa uma procissão interminável e soldados e cavalos. O Rei, reverenciado na Suécia como um gênio tático militar e ícone do machismo nacional, aqui aparece como um jovem lânguido atraído por um rapaz balconista enquanto pede um copo de água. Os soldados tentam manter a aparência diante da “espontaneidade” do Rei. Todos parecem entrar em conflito com seus papéis, convenções ou expectativas que a sociedade tem com eles em situações non sense e que beiram o humor negro.

Mas Andersson foca principalmente em uma dupla de completos losers e desajeitados: Jonathan e Sam, uma dupla de vendedores de brincadeiras – nas suas malas estão produtos como sacos de risadas, dentaduras de vampiro e máscaras hediondas do “Tio Banguela”. “Nós queremos ajudar as pessoas a se divertir”, repete mecanicamente o deprimido Jonathan.

Eles tentam repetir clichês motivacionais de vendas como “é um novo produto em que jogamos todas as nossas fichas” ou “causar boas risadas seja em festas caseiras ou corporativas”. Mas soa tão artificial como um nerd tentando ser engraçado e popular. Tentam ser otimistas, mas um tristeza profunda dentro deles conspira contra.

Por isso são tímidos, parecem não ter tato para se relacionar com as pessoas. Isso cria belas cenas de solidão que sempre remetem aos famosos personagens solitários dos quadros de Edward Hopper.

Os “losers” de Andersson

O que impressiona na construção das cenas é fleugma ou frieza dos personagens enquanto tudo ao redor está ficando pior: é recorrente no filme cenas em que uma chamada de telefone faz o personagem perder o pé da situação que está ocorrendo diante dos seus olhos. “Fico feliz que esteja tudo bem!”, fala sempre ao telefone enquanto ao seu redor tudo vai mal – a cientista ignora um macaco submetido a uma experiência de eletrochoque ou um barbeiro relutante que vê seu único cliente ir embora.

Tudo aparenta uma normalidade cotidiana que esconde algo em ebulição que está prestes a explodir.

A radicalidade do olhar de Andersson para os perdedores é que ele os vê como estrangeiros – aquele que mantêm uma relação de total estranhamento com aquilo que lhe é mais familiar e rotineiro. O que contrasta com os losers hollywoodianos representados em filmes como Pequena Miss SunshineAlta FidelidadeSuperstar: Despenca Uma Estrela ou Juno.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome