Bumbo trabalhador, por Sergio Saraiva

Só o bumbo bate, em enterro de sambista. Todos os outros instrumentos são dispensados, recebem licença do trabalho por motivo de luto

Para Beth Carvalho

Sambista se vai… em uma batida de bumbo. No mesmo toque em que um samba termina. Quem já ouviu a batida do bumbo em funeral sabe. Ele bate… bum… depois ele para. Ele para, mas continua a bater em um silêncio que ecoa. Só o bumbo bate, em enterro de sambista. Todos os outros instrumentos são dispensados, recebem licença do trabalho por motivo de luto. O bumbo fica em seu posto. Quando sambista morre de madrugada, o bumbo pega mais cedo no trabalho. Quando sambista morre na boca da noite, o bumbo faz serão. E se sambista morrer no dia 1º de Maio, não há feriado e todos os bumbos ficam de plantão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Fome, obesidade e mudança climática: a Sindemia Global Contemporânea, por Antonio Hélio Junqueira