Podemos quer atrair políticos insatisfeitos do Centrão

Com Moro como atrativo, sigla tem como foco dissidentes e filiados de partidos como PL, PSDB e União Brasil para as eleições de 2022

Sergio Moro filia-se ao Podemos e lança candidatura à Presidência. Foto: Reprodução/canal no Youtube do Podemos
Sergio Moro filia-se ao Podemos e lança candidatura à Presidência. Foto: Reprodução/canal no Youtube do Podemos

Jornal GGN – O Podemos, partido do ex-juiz e pré-candidato Sergio Moro, tem estudado dissidentes e filiados de diversos partidos para convidá-los a se filiar à legenda para as eleições de 2022.

A atenção da cúpula do Podemos se volta a filiados de partidos como PSDB, PL e a União Brasil (decorrente da fusão PSL-DEM, mas que precisa do aval da Justiça).

Clique aqui e veja como ajudar o jornalismo independente do GGN

No caso do PSDB, a escolha do governador de São Paulo, João Doria, como pré-candidato à Presidência, pode levar muitos filiados a deixarem o partido, principalmente na região Nordeste – e o Podemos promete autonomia de votação no Congresso.

Pelo PL, a atenção se deve à saída de filiados por conta da chegada do presidente Jair Bolsonaro. Os integrantes do partido que perderam funções por conta da vinda dos bolsonaristas podem ser convidados para integrar o Podemos.

Quanto ao União Brasil, a abordagem deve enfatizar os problemas internos dentro do novo partido, que deve ser homologado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em fevereiro. As informações são do portal UOL.

Leia Também

Guerra semiótica eleição 2022: microtargeting, marketing invisível e armadilhas para esquerda, por Wilson Ferreira

Assista: Moro e o Judiciário têm grande papel na crise institucional

STJ anula condenações de Moro na operação Lava-Jato

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Boeotorum Brasiliensis

- 2021-12-07 14:41:35

Vamos pensar juntos sobre a candidatura Moro e o que ela esconde. Para tanto precisamos partir de 3 premissas: 1ª. Moro é burro; 2ª. além de burro é inexperiente em política partidária e em eleição, precisando de um "mentor" que o guie; 3ª. no caso, ninguém menos que o senador Álvaro Dias. Qual a motivação de Moro? R: além de seu egocentrismo, ambição, pura e simples, sem medir circunstância e autolimitação, seja em intelecto, seja em conhecimento e experiência, seja em entender que, ao fim e ao cabo, é, em primeiro, boi-de-piranha e, em segundo, um azarão na corrida para a cadeira presidencial. Qual a motivação do "mentor"? R: ele terá uma eleição pela frente e sua única alternativa face ao arranjo das forças políticas locais é tentar a reeleição ao Senado e, nessa equação, entra o fator Moro. Por que? R: se Moro não tivesse o QI de uma ameba, veria que sua melhor alternativa não era concorrer à presidência e sim a uma cadeira no Senado pelo Paraná. Porém, seguindo essa trilha iria bater de frente com o seu "mentor". Disputariam o mesmo eleitor nos mesmos locus ideológico e geográfico. Representando uma ameaça importante para o projeto político do seu "mentor" lhe foi oferecido o Olimpo para que saísse do caminho. E como fica o desenho feito pelo "mentor"? R: Este, sendo uma das velhas raposas políticas, pegou as qualidades do Moro (ambicioso desmedido, sem noção e burro) e as usou para embrulhar um pacote ao qual o pupilo não resistiria, como não resistiu. Com Moro fora do caminho na disputa pelo Senado, mesmo com rarefeita chance de vencer a eleição, irá cumprir o destino que lhe foi desenhado: a. com sua candidatura tendo alta aceitação no Paraná contribuirá decisivamente para reeleger o seu "mentor"; b. irá carrear votos para a legenda no Paraná e junto ao eleitorado reacionário no resto do país fortalecendo a posição do Podemos e a liderança partidária do "mentor"; c. logo, sua derrota não importa, já é favas contadas, mas, se, no terreno do improvável, vier a vitória, virá como bônus, como a cereja do bolo. Portanto, seja qual seja o desfecho dessa jogada, para o "mentor" é ganho certo em qualquer hipótese. Para Moro, é mais provável que seja sua morte política e o merecido esquecimento no cenário da política nacional. E, que siga o féretro.

AMBAR

- 2021-12-06 14:02:11

Pensando bem, essa é uma temeridade realizável. Nenhum dos dois têm antipatias recíprocas e ambos desejam desesperadamente o poder. É só definir quem quer ficar por cima. Hummm! A terceira via se anima.

AMBAR

- 2021-12-06 13:57:42

Podemos o que queremos. Esse é o mantra dos positivistas. O Podemos não é o que queremos mas acha que pode o que quer. Quer eleger moro. Se juntarmos os descontentes - CangaCiro e o Morogunço (moro jagunço), teremos uma dobradinha imbatível que poderá "esperançar"os quereres do Podemos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador