Corte de auxílio e desemprego maior preocupam analistas

Cenário tende a se complicar no médio prazo, mesmo após o recorde de 14,1% no trimestre até setembro; benefício de R$ 300 afetará dados do quarto trimestre

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O consumo das famílias pode ser um dos principais pontos de sustentação do PIB (Produto Interno Bruto) durante o terceiro trimestre, mas será um freio para a desaceleração do PIB do quarto trimestre.

Analistas ouvidos pelo jornal Correio Braziliense, contudo, lembram que o corte no auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300 deve influenciar diretamente os dados referentes ao quarto trimestre do ano.

Os analistas também apontam o problema do desemprego como algo que deve influenciar o ritmo de crescimento da economia brasileira – lembrando que o principal termômetro para avaliar os sinais de crescimento e vitalidade de uma economia é justamente o emprego.

E os indicadores de desocupação devem se manter em crescimento, mesmo após o recorde de 14,6% no trimestre fechado em setembro, quando foi quebrado o recorde de 14,1 milhões de trabalhadores sem trabalho formal ou informal. Outros pontos citados como travas para o crescimento econômico são a questão fiscal e os riscos de explosão da dívida pública.

 

 

Leia Também

IGP-M termina novembro em alta de 3,28%
ESPECIAL GGN: O que os dados de desemprego mostram sobre o Brasil atual
Renda Básica da Cidadania, por Fernando Nogueira da Costa
Governo Bolsonaro insiste em congelar aposentadoria para pagar Renda Cidadã

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome