A arte coletiva de destruir a riqueza nacional

Some-se a um governo medíocre uma oposição desvairada, uma mídia insensata, que não consegue olhar o país além dos seus próprios interesses, e se terá desenhado o mapa da insensatez, com a destruição de ativos brasileiros preciosos.

Em geral diz-se que a esquerda é antiempresarial e a direita é liberal. No Brasil, a pesada herança da colonização consolidou um enorme sentimento anti-trabalho, anti-atividade produtiva também na direita, da qual os grupos de mídia são os principais arautos. Das novelas da Globo às seções econômicas dos jornais, o rentismo é atividade nobre; a atividade produtiva, uma excrescência tocada por chorões.

Só isso para explicar a inércia com que o país contempla a destruição de ativos relevantes das empreiteiras envolvidas com a operação Lava Jato.

***

Esse sentimento obtuso de “punir” empresas – e não seus controladores – não é de agora.

Uma empresa não é apenas seus ativos. É a inteligência que juntou, a rede de fornecedores, o quadro de funcionários, a marca, a tecnologia desenvolvida. Fechada, a empresa resume-se a um tanto de máquinas e prédios. É uma perda coletiva, não apenas para seu entorno, mas para o país.

Por isso mesmo, em qualquer país com um mínimo de racionalidade coletiva, qualquer punição a ilícitos miraria executivos e controladores, não as empresas.

***

Tome-se o caso da Lava Jato.

Uma empreiteira não prevarica. Quem prevarica são seus executivos e controladores. Que se processem os controladores, exigindo que vendam seus ativos – incluindo as ações da companhia – para pagar as multas e ressarcimentos. Altere-se o controle, mas não destruam os ativos acumulados.

***

As empreiteiras em questão são peças-chave para a próxima etapa do investimento em infraestrutura. Elas possuem a tecnologia, o know-how das Parcerias Público-Privadas, os quadros técnicos.

No entanto, estão sendo destruídas.

No Judiciário, há inúmeros casos de bloqueio da totalidade dos recursos nas contas da empresa, confundindo o capital de giro (essencial para fazer a empresa operar) com acumulação financeira.

A visita do MPF aos EUA

Apesar da seriedade de procuradores que engrossaram a força tarefa que foi aos Estados Unidos, ainda não estão claros os motivos da ida. Seria importante que o Procurador Geral da República Rodrigo Janot esclarecesse, para não dar margem a suposições conspiratórias.

O grupo foi se encontrar com o Departamento de Justiça. Qual a razão? Se a Petrobras está sendo processada nos Estados Unidos, e seu controlador é o governo brasileiro, admite-se a presença da AGU (Advocacia Geral da União), não de procuradores.

A informação de que Janot foi ao Banco Mundial assinar uma convenção contra a corrupção não bate. De acordo com advogados conhecedores da política internacional, esse tipo de protocolo não tem relevância para exigir a presença de um Procurador Geral.

Para esses observadores, a única explicação plausível seria a do PGR mostrar-se como a força que combate a corrupção, e apresentar-se – perante o governo Obama, em princípio contra qualquer disrupção da ordem democrática – como um avalista, para o caso de um interregno na democracia brasileira.

Excesso de visão conspiratória? Pode ser. Mas a falta de esclarecimentos leva a essas desconfianças.

185 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Onde está a reação?
    Nassif, podem chamar de síndrome persecutória, de mania de perseguição, ou de qualquer outra denominação que suponha desconfiança. Sabe-se lá porque – com 50 anos minhas lembranças não o permitiriam – tenho a mesma sensação. Em minhas entranhas sinto haver não somente um mas vários conluios, com objetivos específicos variados, e um grande objetivo em comum. Algo despertou – e tenho para mim, desde sempre, que a CNV acionou forças infames que estão alimentando esta hidra; e ainda que a depuração seja necessária ao País – e é – vejo-o sangrando por intenções e atitudes mesquinhas e objetivos minúsculos; ressentimento e muito ódio. Torço sempre para estarmos – eu, você e muitos outros – errados, mas está em marcha o que há de mais nefasto e como sempre travestido. Há uma densidade enorme atraindo e congregando os que estão em busca, como os chacais e as hienas, dos despojos deixados pelos leões. Onde está a reação?

    1. Tenho o mesmo sentimento,

      Tenho o mesmo sentimento, Anna Dutra! A análise do Nassif é pertinente e bem fundamentada. Como sempre usam de sofismas como o combate a corrupção para quebrarem a economia brasileira, levando milhões de trabalhadores ao desemprego. Quais são os “salvadores da pátria” cercada de abutres?

      1. Criar dificuldades para
        Criar dificuldades para vender, caro, muito caro, facilidades. E não estou falando da Burocracia – aquela nefasta, não a necessária – mas dos Salvadores da Pátria de plantão a espreitar desfechos inomináveis.

  2. Caro Nassif:
    O Sr. pede para

    Caro Nassif:

    O Sr. pede para punir os controladores? Lembra “os fiscais do Sarney” ? Eles prendiam os funcionários das lojas, jamais os patrôes. O senhor quer que alguém levante a voz ou somente murmure algo contra os controladores da OAS? É muito mais fácil destituir Deus do que alguém sequer aventar falar mal da família Magalhães.

    Haveríamos de parar de sonhar, eles podem tudo 

  3. ENRON

    “Por isso mesmo, em qualquer país com um mínimo de racionalidade coletiva, qualquer punição a ilícitos miraria executivos e controladores, não as empresas.”

    Não é bem assim…. veja o caso da ENRON….por exemplo…..

     

    1. A ENRON faliu, falencia é uma

      A ENRON faliu, falencia é uma punição pelo mercado sancionada pela Justiça, mesmo assim a massa falida da ENRON se reconstituiu com os ativos bons, um dos quais é a ELEKTRO, com sede na Grande Campinas, uma das grandes distribuidoras do Pais.

    2. É totalmente diferente.
      A

      É totalmente diferente.

      A Enron não corrompeu outras empresas, ela cometia fraudes contábeis. Provavelmente os próprios controladores ou dirigentes roubaram a própria empresa, por isso ela quebrou.

  4. Duas coisas: 1) A empresa é

    Duas coisas: 1) A empresa é sim “culpada”, na medida em que os procedimentos irregulares contribuem para o seu crescimento e distribuição de lucros. É claro que estamos diante de uma situação excepcional e criminosos ardilosos sabem usar reféns para se protegerem. Desculpe a franqueza, mas aqui é esse o caso. O “prejuízo irreparável” é o refém. É claro que ele não é irrelevante, mas também não é intransponível;

    2) dizer que a competência e a tecnologia estão na firma é esquecer que a firma é apenas o locus da organização do coletivo de trabalhadores. Esse pode se reorganizar como cooperativa e outras formas organizacionais.  No passado foi assim. Inclusive, a “pejotização” (transformação jurídica dos trabalhadores em “colaboradores” ou em “consultores”, em princípio para evitar os custos e obrigações trabalhistas) pode ajudar a reencontrar as virtudes desse passado. E essa situação excepcional que atravessamos pode ser justamente a oportunidade para voltar a sê-lo.  

    1. O primeiro ponto é

      O primeiro ponto é verdadeiro, mas qual a solução ? Acabar com a empresa ? Isso é melhor para o Pais ? Definitivamente não é.

      O segundo ponto é totalmente equivocado de sua parte. Nâo existe nenhuma grande empreiteira no País que seja tocada por peões ou por sistema de cooperativa.

      1. 2o. ponto…
        Seriam engolidas e impedidas de competir. Prato cheio para competidores alienígenas. Aliás, não demora, alguém vai sugerir esta solução para a Petrobras. Repartida e manietada: tudo que nossos fraternos irmãos do Norte querem, e que os “patriotas” de plantão estão doidinhos para entregar.

        O comentário deste Sr. nao me agradaou do início ao fim.

  5. Elite medíocre.

    Não vamos esquecer-nos da elite medíocre de nosso Brasil. Dilma abaixou os juros no seu primeiro governo, quem a apoio, que industrial a apoio? Uma notinha aqui na imprensa mais nada. Os que fazem os bilionários donos dessas empresas devem estar fazendo jantares animados com os marinhos e companhia! Pra ser presidente do Brasil só um salvador da pátria, o próprio Nassif nos trouxe durante a campanha os relatos de empresários sobre Dilma e governo, pareciam mais a garotada da facebook dando opinião. Como esse país vai pra frente assim? Se a presidenta é inerte, os empresários brasileiros são ridículos. Por que não fizeram uma frente de apoio as medidas do governo que investia em infraestrutura? Invés disso fica no senso comum dos que assistem novelas e jornais globais. E de novo vamos esperar um salvador, alguém que de conta de tudo. Precisamos de uma elite nacional, coerente, que pense além da politica partidária, que realmente queira o desenvolvimento do país. Quando tivermos isso, não precisaremos de salvadores da pátria.

  6. Os bucaneiros do tio Sam

    Para entrarem no Iraque, os bucaneiros do tio sam destruiram todas as infraestruturas, depois venderam seus serviços para refazer. Aqui parece que há infiltrados com o mesmo perfíl que querem deixar o serviço pronto e aí, eles , os de fora, chegam com a solução, contanto que fiquem com uma boa porcentagem dos lucros.

  7. Graças à vaidade de uma

    Graças à vaidade de uma mulher, corremos o risco de perder todas conquistas das últimas décadas. Dilma está construindo sua bela biografia com muita honra. Espera-se que pelos historiadores seja descrita como uma verdadeira republicana pela sua maneira de governar respeitando a independência entre os poderes e a autonomia dos entes federados. Por outro lado, a sua falta de manejo político e seu idealismo romântico em descompasso com a evolução moral de nossa sociedade e de seus representantes políticos,  a fazem perder o controle da situação. O Poder tem que ser exercido e ela o tem deixado no vácuo. Talvez nem sua biografia seja escrita com fidedignadade a julgar pelo que é publicado na imprensa que será usada como uma das fontes pelos historiadores mais legitimados pelas “instituições liberais”. 

  8. oportunidade histórica para os trabalhadores e o governo

    De acordo. As empresas – os meios de produção – não podem ser penalizadas pela má gestão dos diretores.

    Uma nova gestão é necessária: a autogestão. Que os sindicatos aproveitem este momento em que os únicos que podem mostrar algo novo são os trabalhadores. 

    Grande oportunidade também para o governo, ao colocar-se à disposição dos trabalhadores para garantir o funcionamento das empreiteiras, com qualidade técnica e transparência administrativa e financeira.

  9. Empresas da Lava Jato teriam demitido 90 mil até Carnaval

    Blog do Kennedy – 19-02-2015, 21p1

    Empresas da Lava Jato teriam demitido 90 mil até Carnaval

    .

    por Kennedy Alencar

    As empresas acusadas na Operação Lava Jato já apresentam sintomas de prejuízo. Até o Carnaval, de acordo com conta feita pelo governo, já teriam sido demitidos 90 mil trabalhadores.

    Em março, o número deve chegar a 100 mil desempregados, devido aos atrasos em obras e pagamentos por conta das descobertas de corrupção na Petrobras.

    A preocupação mais imediata das empresas é tentar pagar a menor multa possível e livrar executivos das acusações.

    Mas as negociações jurídicas são complicadas. Além de condenações duras, podem ocorrer multas pesadas. As empresas temem encolher ou até mesmo quebrar.

    *

    O Juiz Sergio Moro, principal condutor das investigações da Lava Jato, e o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, trocaram críticas esta semana.

    O ministro recebeu advogados das empresas acusadas, que o procuraram. O juiz Moro viu uma tentativa de interferência política.

    Cardozo argumentou que cumpriu seu dever ao receber os advogados. O ministro negou falta de transparência. Disse que houve um erro de informática que não tornou pública a sua agenda.

    A advogada de uma das empresas afirmou que levou a Cardozo queixas contra vazamentos de documentos sigilosos que já apresentara ao juiz Moro e ao STF (Supremo Tribunal Federal).

    O pano de fundo é uma discussão entre o direito de ampla defesa, que é constitucional, e os limites de eventuais lobbies indevidos das empresas junto a autoridades.

    Confira os temas do “SBT Brasil”:

    [video:http://youtu.be/hKklsdU2CH4%5D

  10. Produzir, gerar? Prá quê?

    Depois de mais de 30 anos na indústria de bens de capital, sintetizo isso numa frase: tudo pelo dinheiro e nada por ganhar o dinheiro…

  11. A liberdade de imprensa

    A liberdade de imprensa garantida pela CF/88 está sendo usada para destruir o sistema constitucional, portanto, ela perdeu seu propósito e deve ser repensada.

      1. No meu exemplar da CF/88
        No meu exemplar da CF/88 consta o seguinte: Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição .§ 1º – Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV.§ 2º – É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.§ 3º – Compete à lei federal:I – regular as diversões e espetáculos públicos, cabendo ao Poder Público informar sobre a natureza deles, as faixas etárias a que não se recomendem, locais e horários em que sua apresentação se mostre inadequada; O dispositivo claramente garante a liberdade de imprensa. De que constituição você está falando? Da dos EUA?

        1. Res.

          na verdade eu queria dizer lliberdade de “expressão”

          Capítulo IDos Direito e Deveres Individuais e ColetivosIX – é livre a “expressão” da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença:  É mais abrangente e completa.

           

        2. Liberdade de imprensa já é um

          Liberdade de imprensa já é um “ativo” das sociedades democráticas. Seus excessos demandam retificações( A POSTERIORI, ressalte-se) pelo Judiciário nos eventuais crimes de injúria, difamação e calúnias, mas A PRIORI, nunca. 

          A luta factível é pela reestruturação patrimonial ou pela desconcentração das mídias eletrônicas que fazem uso do espaço público por onde transitam as ondas eletromagnéticas. 

           

  12. A ma informação

    A inércia também explica-se pelo antipetismo exacerbado, que tem muita dificuldade de separar a Petrobras e as investigações do PT. Estou falando do que andei ouvindo. Algumas pessoas acreditam que a “roubalheria” na Petrobras é obra exclusiva dos novos mensaleiro dos PT.  E com a imprensa que temos, fica esse “carnaval” de ma informação. 

    1. Mas nisso, o PT tem muito que

      Mas nisso, o PT tem muito que aprender com o PSDB.

      Quando eles são citados em casos de corrupção logo gritam e esperneiam indignados, passando a impressão de injustiçados.

      No caso da Petrobrás, o governo e/ou a presidente da Petrobrás deveria ter gritado e deixado bem claro que a vítima é Petrobrás e que ela irá processar os responsáveis. Mas do jeito que as coisas caminharam, baixaram a cabeça e aceitaram o polo passivo das ações.

       

  13. Corrupção não é o ideal, mas

    Corrupção não é o ideal, mas é muito melhor um País com obras e com corrupção do que um País sem corrupção mas também sem obras.

    Claro que não estamos em extremos, a realidade é mais complexa do que isso. Porém, o que está ficando claro é que se usarmos expedientes comuns da justiça para supostamente combater corrupção ou punir supostos corruptos estaremos, na verdade, acabando com empresas, destruindo empregos e atrasando o desenvolvimento do País.

    Se o juiz bloqueia os bens de uma empresa média ou grande, em pouco tempo ela vai quebrar (não necessariamente os controladores vão falir) devido a cadeia de fornecedores e é ai mesmo que haverá o prejuizo social e também financeiro pois jamais poderão ser devolvidos os supostos ganhos desta empresa por corrupção. É um contrasenso.

    É preciso bom senso para separar a investigação das pessoas da saúde financeira das empresas. Poderia-se, por exemplo, proibir retiradas das empresas pelos sócios, até ai tudo bem, mas nunca proibir pagamentos.

    É preciso que o País se una para dialogar claramente sobre isso e quem tem que tomar a frente é o Governo Dilma, não há outra opção.

    Muitos ainda não perceberam mas já estão havendo inúmeras paralizações de obras, agora, no bojo ou em decorrencia da operação lava-jato, muitos empregos perdidos e muitas empresas sucumbindo. Será mesmo que isso é bom para o País ?

    1. Corrupção não é o ideal, mas…

      Creio que temos de lutar contra aquela maxima da época do prefeito Paulo Maluf : “”O Maluf rouba mas faz””.

      O nosso problema é que a corrupção esta incrustada na nossa sociedade, do mais simples e pobre cidadão ao mais rico. Esta em todas as esferas do poder público, das prefeituras mais pobres äs mais ricas. Passando também pelos demais poderes, tanto o judiciário como os legislativos e executivos.

    2. Meu caro Daniel, poucos tem

      Meu caro Daniel, poucos tem sua clarividencia e sensatez, muitos são cegos por sentimentos de vingança mesmo que isso cause imensos danos ao Pais. Basta ver os comentarios. O substrato é uma visão anti-empresarial profunda, que tambem atinge boa parte do Judiciario e MP, a ideia de que todo empresario é bandido e portanto qualquer punição é benéfica. Isso nem vem do esquerdismo, vem da nossa formação catolica, a Igreja até o Seculo XVII achava que o lucro era pecado, porisso os paises protestantes subiram a partir desse seculo e os catolicos ficaram para trás.

      Esse visão agravou-se a partir do governo petista por causa de alas de intelectuais e movimentos sociais que acreditam piamente que o Estado é a solução para tudo.

      1. Parabéns, André Araújo

        seu comentário é mais abordado acho que em entrevista de Carlos Nelson Coutinho, tem algumas no YouTube. A necessidade de ver, enxergar de outro ângulo, ele é marxiano (evito o “ista” que parece de seguidores dogmáticos independentemente de cada realidade atual na América Latina, p. ex. Hà mais gente q toca no tema, não lembro,desculpe a pressa de comentário desta vez… curto e menos confuso (sobre meu estilo confuso, e etc, já esclareci (ou tentei) num longo post-comentário dia desses. Pena que são férias e muita gente só chega em março. Acho q  publicarei qq dia desses.

  14. E lei é dura mas é pra

    E lei é dura mas é pra todos.

    Grandes empreiteiros não podem continuar a viver a margem da lei neste país, doa a quem doer.

    As investigações da Polícia Federal tem mostrado que se trata literalmente de uma quadrilha organizada

    que suga os recursos dos contribuintes.

    Não existe crime maior à economia do que o que fazem estes senhores. 

    A hora agora não é criar mecanismos de defesa aos empreiteiros e políticos e administradores, mas sim de criar mecanismos de proteção ao Estado e ao contribuinte brasileiro que é quem sustenta esta quadrilha.

     

  15. E lei é dura mas é pra

    E lei é dura mas é pra todos.

    Grandes empreiteiros não podem continuar a viver a margem da lei neste país, doa a quem doer.

    As investigações da Polícia Federal tem mostrado que se trata literalmente de uma quadrilha organizada

    que suga os recursos dos contribuintes.

    Não existe crime maior à economia do que o que fazem estes senhores. 

    A hora agora não é criar mecanismos de defesa aos empreiteiros e políticos e administradores, mas sim de criar mecanismos de proteção ao Estado e ao contribuinte brasileiro que é quem sustenta esta quadrilha.

     

  16. A arte coletiva…

    Por isto que a justiça deve ser isenta e acima de qualquer paixão. Os réus de hoje não eram os juízes de ontem? Não estavam acima do bem, e do mal? O MP paulista não estava fazendo justamente este procedimento contra as empresas do Maluf? Por que não havia defesa da mídia e das entidades contra esta barbaridade? O Brasil precisa aprender muito. Nada como um dia após o outro. 

  17. Bastante oportuno

    Texto dos mais oportunos, no momento em que um dos maiores crimes cometidos por um governo brasileiro, a destruição da Panair do Brasil, completa meio século. A impressão é que ainda estamos a algumas gerações de dispor de condições para uma decolagem definitiva no processo de construção de uma sociedade dotada de um mínimo de consciência coletiva sobre as responsabilidades individuias e de cada setor social, em um projeto de nação mais ou menos baseado no princípio do bem comum.

  18. De pleno acordo…

    De pleno acordo… “prendam-se os corruptos e feche-se o país” parece ser a máxima do momento. A hipocrisia é tanta que a grande imprensa trombeteou não faz muito que, diante corrupção encontrada no caso “lava jato”, a solução era abrir o mercado para empresas estrangeiras – como se elas também não praticassem corrupção…

    Oremus e Saravá! ecumênico…

    1. Mas a missão de abrir o

      Mas a missão de abrir o mercado (e que mercado!) para empresas estrangeiras tem na Lava Jato um facilitador e tanto. Nem precisa acordos comerciais com demoradas discussões.  E a Petrobras vai junto. Quem sabe tb o governo Dilma, sem esquecer do impedimento (e mesmo prisão) do ex-presidente Lula? Serviço concluído, tudo volta à “normalidade”. Nada de corrupção noticiada pela imprensa e de operações estapafúrdias da PF para combatê-la. O paraíso para poucos, justiceiros incluídos, embora sem a aura de  autoridade que ora ostentam.

      O Brasil e o seu povo (coxinhas estúpidos incluídos) descendo a ladeira.

      Mas, OREMOS E SARAVÁ2! 

  19. Ou vai ou racha

      O maniqueísmo da cobertura pseudo-jornalistica é total, a imagem que propalam é : a corrupção da Petrobras começou com o PT, é obra do PT, cerva o PT, afastou técnicos honestos por outros ligados ao PT etc.

      A Petrobras é a galinha dos ovos de ouro da PRIVATIZAÇÃO, o paradigma é a PEMEX do México que foi recentemente privatizada, está é a meta: privatizar a empresa sob o mote de afastá-la dos nefastos e corruptos interesses políticos do PT.

       Na cobertura não há quaisquer pruridos em destruir empresas brasileiras de infra-estrutura e gerar desemprego de milhares de trabalhadores. A lógica é a mesma da guerra civil total ao inimigo parasita e perdulário de uma guerra regionalista ou étnica: destruir e massacrar para conquistar e eliminar o inimigo, o PT.

       Neste mar de insensatez de nada adiantam as advertências, afinal a meta é eliminar o PT e os bolivarianos, Nenhuma palavra sobre as era anteriores, O grande temor é que as vicissitudes da queda da Petrobras serão sentidas pela grande maioria da população, mas serão muitos benéficas a certos setores “avançados” que buscam em síntese o controle da riqueza do petróleo aliados aos mesmo interesses dos anos cinquenta.

      Assim, apregoam que a riqueza do pais vai aumentar com a privatização, porém a pergunta é: aumentar para quem?

  20. ublicado em

    ublicado em 20/02/2015

    Advogada acusa Moro
    de ignorar vazamentos

    São os “vazamentos “seletivos” que escondem os tucanos – PHA

    Compartilhe VoteAvaliação NegativaAvaliação Positiva (+18)Imprimir Imprimir

     

    O herói do detrito sólido de maré baixa, que, na seca, se transforma em revista

    Saiu no Globo, um dos beneficiários dos “vazamentos seletivos” que jorram da Vara do Dr Moro:

     

    Advogada da Odebrecht acusa Justiça de não investigar vazamentos na Operação Lava-Jato

    Dora Cavalcanti afirma que, em setembro, comunicou ao juiz Sérgio Moro da suposta violação do segredo judicial

    por Carolina Brígido

    BRASÍLIA – A advogada Dora Cavalcanti, contratada para defender a Odebrecht, comunicou nesta quinta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) que teve uma reunião na semana passada com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para reclamar do vazamento de depoimentos sigilosos da Operação Lava-Jato e do desdém com que a Justiça Federal em Curitiba trata a suposta violação ilegal do segredo judicial. Segundo ela, há “pouco interesse” por parte das “sempre rigorosas autoridades curitibanas” em elucidar os vazamentos.

    Dora reclamou das notícias “enviesadas” sobre o encontro com Cardozo. Ela anexou documento assinado por ela e encaminhado ao ministro da Justiça no último dia 6. No texto, ela informa que em setembro do ano passado comunicou o juiz Sérgio Moro, que conduz as investigações da Lava-Jato em Curitiba, do vazamento de informações sigilosas. Ela pediu apuração dos fatos e também acesso aos depoimentos. Em dezembro, ela teria feito os mesmos pedidos à Polícia Federal.

    “Com todo o respeito que merece a autoridade policial, a relevância da matéria investigada não se refletiu no modo como o inquérito tem sido conduzido”, escreveu Dora. Ela lembrou que os jornalistas alegaram o direito ao sigilo da fonte e as investigações foram encerradas. “Tratar fatos graves de forma absolutamente protocolar – quase desinteressada – é exatamente o que açula o ânimo dos vulneradores de sigilo processual, e faz proliferar os vazamentos que há tempos pautam os casos criminais em nosso país”, anotou.

    (…)

     

  21. Quem disse que a direita

    Quem disse que a direita (incluindo a grande imprensa, claro) quer o bem do país? De onde o Nassif tirou esta ideia?

    Estamos em plena era do “quanto pior, melhor”!! O rentismo cansou de ganhar muito dinheiro…o que eles querem é ganhar montanhas de dinheiro às custas do brasileiro e, para isso, o PT já não serve. A direita quer adundar o país em uma crise, seja para impedir a Dilma ou, na pior da hipóteses (na visão deles), não dar ao PT a menor chance de ganhar as próximas eleições presidenciais. Não importa para eles se vão destruir a economia do país, se jogarão milhões de brasileiros no desemprego, se os indíces socias voltarão a piorar…eles querm o que consideram ser “deles” de volta. Portanto, não vejo insensatez alguma, vejo, sim, umplano muito bem pensado de tentiva de retomada do poder. O que me espanta é a Dilma não ter o mínimo de percepção de que tem que mudar sua maneira de conduzir o governo. Estamos no meio de uma guerra e tenho a impressão (não sou especialista) que as armas que ela está usando estão completamente equivocadas.

    1. Não há dúvida de que estamos

      Não há dúvida de que estamos numa guerra, em plena era do “quanto pior, melhor”. Mas, de quem é o comando? Da histérica e traiçoeira tropa de choque nativa?  Talvez não.  A PR certamente sabe quem controla a matilha.

  22. Não é necessário

    Não é necessário nenhuma mídia golpista para escancarar e dilapidar os desmandos do governo. Ele mesmo já se encarrega de destruir as estatais que comanda.

  23. Acho que a coisa é bem
    Acho que a coisa é bem simples, Nassif. Estabeleceu-se a aliança política entre o juiz tucano o MP, a PF e o pig, todos igualmente tucanos, para através da tática da pressão extrema, forçarem os presos a delatarem o governo. A idéia é chegar no Planalto, e criar condições para a derrubada deste.
    Aparentemente estão em dificuldades para tal, devido à presidenta ser muito Caxias. Para não perder a viagem derrubam a economia pavimentando a saída do PT, mesmo que só em 2018

    1. Até penso que pode haver

      Até penso que pode haver algum exagero no seu comentário, mas no cerne da questão vc acertou em cheio.

      É isso mesmo.

      E o que o Governo deve fazer ? Acho que deveria entrar na briga política para afastar esse juiz e acabar com essa palhaçada dessa república do paraná.

      1. pelo clamor desesperado

        pelo clamor desesperado tonitruante e até pedindo a cabeça do juiz mouro numa bandeja de ouro… se lançando de peito aberto guerreiro militante ativista na cruzada santa nassifista de salvação da empresa nacional a qualquer preço de mercado e valor moral da política… desconfio que daniel quireza quer é mesmo salvar seus papéis ativos para aposentadoria segura e confortável espertamente insiders aplicados no cartel de empreiteiras s.a. o petróleo é nosso…

      2. Republica do Parana

        Nosso Amigo ai , fala muito da ‘ republica do paraná ” sera porque se os ” Grandes Empresarios ” estivessem presos em outros ” Estados ” ja não estariam soltos como os mensaleiros?

  24. Todo cidadão é passivo de corrupção.

    desde que ninguém saiba que ele esteja envolvido. Criar mecanismos para combater a corrupção, dar liberdade aos orgãos de fiscalização e não interferir custe o que custar, é o preço que o PT está pagando; a corrupção está na veia do cidadão e todos devem pagar seu preço, não importa se vai gerar danos o seu combate, é preciso fazer e mostrar ao povo, aquele que vai as ruas a sua hipocresia.

  25. Se o valor pecuniário fosse

    Se o valor pecuniário fosse diretamente para o bolso dos executivos e controladores (não passando em nenhum momento pelo caixa da empresa) tudo bem, que se puna da forma sugerida (o que de fato é feito no judiciário). Agora, se o dinheiro da corrupcao, de aditivos indevidos em contratos, de superfaturamento, e de fraudes contratuais para lesar o patrimonio público se torna caixa das empresas (e é isso que aparentemente aconteceu, digo aperentemente pois não li o processo para saber) o correto é punir sim as empresas na medida dos ilícitos.

    O mundo empresarial é dinâmico meu amigo, espaços são ocupados com uma rapidez incrível, se essas empresas forem mesmo condenadas e se comprovar que foram nocivas ao interesse nacional, muito rapidamente outras organizações ocuparão esses espaços. O que é totalmente fora dos interesses nacionais é manter o crime (se comprovado) em prol de qualquer outro interesse. Com esse argumento bancos podem sonegar a vontade (pois se quebrarem inviabilizaria o país), e grandes empresas podem fazer o que quiser (incluindo os ilícitos) pois sao geradoras de emprego e nao devem ser punidas. Acho que se esta subestimando o mercado e sua capacidade quase que instantânea de ocupar espacos vazios lucrativos e superestimando estas companhias. 

    1. Meu Deus do céu, mas como tem

      Meu Deus do céu, mas como tem gente ingenua e mal informada assim.

      Então é muito simples, não tem problema algum, da mesma forma, vamos quebrar a Petrobras, a Vale, o BB e o Itaú, logo logo aparecerão outras empresas dinamicas para suprir a falta dessas….Só pode ser piada.

      Empresas demoram anos e anos de experiencia para adquirirem musculatura e se tornarem grandes. Nenhuma empresa nasce grande. Se voce quebra as grandes empresas de um País, arrasa o País, demora-se muito tempo até que se recupere tudo e surjam outras no lugar.

      1. A menos que elas estejam
        A menos que elas estejam prontinhas, maduras, ávidas por um mercado numeroso – insuficiente em seus países de origem. Chegam às nossas portas e encontram os entreguistas de ocasião, babando por umas migalhinhas que venham a cair de suas mesas, fartas às nossas custas.

  26. Nassif, você expôs o retrato

    Nassif, você expôs o retrato da mediocridade que é esse país.

    Salvo uma ou duas ilhas de excelência, o resto desce a ladeira – claro que feliz, tomando cerveja (ruim) e acreditando, piamente, que estão melhorando. O fato é: é mais fácil um brasileiro saber de cor a tabela do Brasilieirão do que os números do mercado que atua ou do deputado em que votou.

    A destruição da nossa economia é a somatória de uma sociedade que cultiva a ignorância e o desrespeito a qualquer tipo de regra ou disciplina e um Estado messiânico que vê no capital (dos outros) o pecado e que acha que só a intervenção estatal pode purificar a atividade econômica (uma mistura bizarra de marxismo corrupto com catolicismo de auto-ajuda – só possível aqui). Deu no Paulo Roberto e na estagflação – mas eles juram que a culpa é do neoliberalismo.

  27. O mesmo principio se dá com a

    O mesmo principio se dá com a sonegação de paquenas empresas, por exemplo.

    99% das pequenas empresas do Páis e dos profissionais autonomos sonegam impostos, isso é um fato. Mas qual a solução ? Tentar melhorar o sistema ou prender todos e acabar com todas as pequenas empresas e os autonomos ?

    O que o País tem que fazer é melhorar o sistema de combate a corrupção e mudar o financiamento da pollítica. E não detonar o País para se tentar punir quem supostamente cometeu corrupção.

  28. E o que foi fazer nos EUA o

    E o que foi fazer nos EUA o MPF?

    “Apresentar-se como avalista, para o caso de um interregno na democracia brasileira”, cf  observadores consultados por Nassif? Se for isso (e leva todo jeito), ESTÁ TUDO EXPLICADO. É força bruta. Concluída a tarefa, porém, dispensa avalista.

    Que Deus nos proteja! 

  29. Dilma, pega seu banquinho. Já deu pra você

    Dilma já era. O PT também. Só vocês não perceberam. A covardia cobra seu preço. Ela traiu seus compromissos de campanha logo após as eleições. Nomeou uma latifundiária, manteve o Zé da Justiça, que não manda nem na polícia federal, isolou os movimentos sociais que a elegeram. Enfiou goela abaixo de trabalhadores e classe média uma pacotaço previdenciário/financeiro. Sem recuar destruiu todo capital político adquirido nas eleições. Financia alegremente uma mídia bandida. E vocês ficam aí culpando Deus e o Diabo pelos erros dessa triste figura. Ela quer acabar com essa crise? Suspenda por seis meses a publicidade governamental na imprensa oligárquica. Os leões virariam gatinhos na hora. Mas, sabe como é: a vida pede coragem.

  30. A Dilma e o PT tem a

    A Dilma e o PT tem a obrigação de se interpor ao golpe. Não é possível que em nome de biografias republicanas e de uma submissão vergonhosa sejam desrespeitados 52 milhões de votos de 52 milhões de brasileiros.

    Se tal “conspiração” for verdadeira alguém aí acredita que vai aparecer algum tucano na lista de corruptos da Lava Jato? O Barroso ontem, em nome da tecnicismo jurídico , se ajoelhou perante os corruptos da direita. Agora é só enterrar o PT e a honesta presidente para que Moros , Barbosas e Mendes  estabeleçam o fim da corrupção no Brasil com o fim da Petrobrás.

    Sobre o tecnicismo na Justiça

    Há duas semanas atrás eu vi no Fantástico uma garota pedindo a prisão do seu pai. O pai é um homem extremamente cruel, matou a mulher e atirou nos dois filhos e num cunhado. O crime ocorreu a 24 anos atrás e a garota , então com 3 ou 4 anos, foi atingida no peito e seu irmão, então um bebe de 1 ano e 8 meses foi atingido na cabeça. Ambos tem sequelas: a menina com a paralisia de alguns dedos e o menino com paralisia cerebral que lhe impedem a locomação. Pois bem, esse assassino fugiu durante mais de 20 anos e instruiu seu advogado a não comparecer no seu julgamento. Foi designado um defensor para a sua defesa. Agora sua defesa pede a anulação do julgamento alegando o não comparecimento do seu advogado. A questão foi para o STF e Dias Toffoli baseado em tecnicismos acatou o anulação do julgamento. O assassino vai pra rua e a garota e seu irmão estão com medo de que o pai os assassine pois foram eles que lutaram pela sua prisão.

    É desse mesmo tecnicismo que Barroso fez uso ontem para anular a Operação Castelo de Areia. O mesmo tecnicismo da Teoria do Domínio do Fato ou dos dois habeas Corpus de Daniel Dantas. Existe Justiça neste país?

     

    1. “Democracia é quando eu peço

      “Democracia é quando eu peço o seu impeachment, golpismo é quando você pede o meu.” – Millôr Fernandes Emoticon tongue

  31. A arte coletiva…

    …poderia a intenção de destruição dessas empresas estar ligado ao interesse de substituí-las por outras? …e que essas outras estivessem interessadas intencionalmente na substituição das primeiras? …só hipóteses ou talvez nem isso…

  32. O que vimos no passado

    O que vimos no passado recente foi a PGE, seguida por alguns ministro da Suprema Corte, se embalarem nas matérias da mídia, desvinculando o Poder Executivo de toda e qualquer ação de defeza, pela robustez dos factoides e compromisso com inverdades dos relator da ação, que culminou na infeliz prisão de José Dirceu com base numa lei alemã totalmente fora do contexto jurídico brasileiro. Por certo hoje seguem-se padrões semlehantes àqueles, haja vista os erros cometidos pelo Procurador encarregado da Lava a Jato com suas seletividades nas inúmeras divulgações, dando à imprensa o que ela sempre quer e precisa para pôr lenha na fogueira. 

    O mais importante para o Brasil é a preservação da Petrobrás, é  anão-paralização das inúmeras obras inciadas nos quatro cantos do país, até para que sejam preservados também os trabalhadores, não apenas da Petroleira, mas de todos os envolvidos nos trabalhos das empreiteira. Não enxergar esses pontos como cruciais no decorrer dessas investigações, é dizer ao povo que somente interessa a destruição das empresas, enquanto se sobressaem personalidades do MP do Paraná, os crueis sangrentos da oposição, empenhados em amis e mais CPI que não resultam em nada de bom, políticos descompromissados com o Brasil, tanto quanto o são as emrpesas de comunicação ao não comunicarem a verdade, mas qualquer coisa que tenha como princípio e fim desconstruir o Governo Federal e o PT. Não à toa que Lula e José Dirceu não saem de cena, por serem o que são desde a fundação do partido. Aliás, até o filho de Lula também tá sendo requentado.

  33. Traição?

    Aos juristas do blog, uma questão. Qual a viabilidade jurídica de se propor o impedimento do PGR por traição? Por atentar contra a ordem constitucional brasileira. Todos sabem que o que o Departamento de Estado americano faz é derrubar governos que se revelam impecilhos aos interesses ianques. Logo, sua visita, num contexto de crise, das oil wars, deve ser compreendida de que forma? Um cidadão comum, ou um grupo de cidadãos,  poderia entrar com essa representação? A reação deve começar de algum lugar. Desse governo nada devemos esperar.

    1. .

      Viabilidade zero. Somente o Senado tem poder para destituir um Procurador-Geral da República. E só pode fazê-lo com base em fatos, não em notícias de jornais ou em pressuposições. 

      1. Para clarificar: o Poder de

        Para clarificar: o Poder de destituir é do Presidente da República. Ou seja, o ato de destituição é dele. Condição prévia: autorização por maioria absoluta dos membros do Senado. Pode parecer a mesma coisa, mas não é. Aqui há o princípio de quem nomeia(no caso, o Presidente da República) tem(deve) o poder de demitir.

        Artigo 128 da CF:

        § 1º – O Ministério Público da União tem por chefe o Procurador-Geral da República, nomeado pelo Presidente da República dentre integrantes da carreira, maiores de trinta e cinco anos, após a aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para mandato de dois anos, permitida a recondução.

        § 2º – A destituição do Procurador-Geral da República, por iniciativa do Presidente da República, deverá ser precedida de autorização da maioria absoluta do Senado Federal.

         

        1. Ou seja, por esse acordo

          Ou seja, por esse acordo bizarro que o MP está propondo, que vai quebrar várias empresas, ela poderia alegar razão de Estado e pedir a destituição do atual PGR.  E ai o Senado teria que votar. Já tiraria a moral do Janot. Se o Senado recusar, é só ela indicar outro em julho próximo.

          Pode parecer realmente algo exagerado e inviável de se fazer.

          Mas a questão é que algo deve ser feito e não somos nós que vamos indicar. Eles foram eleitos e têm que saber o que fazer.

  34. O princípio de garantir a sobrevivência das empresas

    A Lei de Falências foi alterada para garantir a continuidade da atividade econômica. A legislação antiga visava principalmente a satisfação de seus credores, ficando a possibilidade de recuperação relevada a segundo plano.

    Influenciado pelo direito italiano o legislador brasileiro decide pelo interesse predominante da sociedade que seria preservar a empresa, com todos os benefícios narrados pelo artigo.

  35. Se fosse mesmo fazer isso

    Se fosse mesmo fazer isso quem é esse senhor Janot? Quem lhe deu autoridade para falar em nome da sociedade e do povo brasileiro? O país está caminhando para as trevas e o golpislo disfarçado, seja por impedimento seja por reformas malandras no congresso, e o pior apoiado por uma parcela minima da sociedade que esconde desejos inconfessaveis. 

     

     

  36. O povo precisa responder a isso tudo que está errado

    Prezado Luiz Nassif,

    Concordo plenamente que estão destruindo a riqueza nacional, mas não posso concordar em jogar para nossos colonizadores esta herança, pois passados quase 200 anos de independência do Brasil, jogamos para os portugueses a culpa de nossa incapacidade de resolver os nossos problemas.

    Vamos aos fatos: em Portugal o ex-primeiro ministro está atrás das grades; o país apesar de passar por uma crise sem precedentes, ainda assim mantém uma excelente condição social para os seus cidadãos.

    O que está acontecendo no Brasil é que um conjunto de anomalias no país com muita impunidade acaba por incentivar a roubalheira. Porque os crimes de corrupção dos servidores públicos não são acrescidos de aumento de pena em até 50% como em outros países?  Porque os políticos têm imunidade? Porque a justiça concede tantos recursos e os processos são tão morosos? Porque os partidos políticos não são penalizados, mesmo quando há provas inequívocas de sua participação em roubalheiras?

    Há uma coisa que é a mais grave de todas. Porque um povo aceita todas estas coisas sem uma mobilização nacional contra tudo o que está errado?   O povo brasileiro precisa se unir e dar um basta nisso tudo.  Onde estão os lideres nacionais? Onde está a oposição contra este governo incompetente?  Precisamos fazer alguma coisa ao invés de ficar reclamando.  Vamos pra rua, vamos protestar pacificamente, vamos exigir gente competente nos cargos públicos, vamos exigir dessa gente que o povo coloca no poder, atitude de gente de bem, vamos exigir dessa gente que colocamos no poder comprometimento com o povo brasileiro, vamos exigir honestidade e competência.

     

  37. Some ainda…

    Some ainda…um jornalista como o nassif dizendo que o governo é medíocre. Como mediócre, quem luta contra uma imprensa bandida que sequestra a verdade como esta que temos, com um empresariado covarde e dominado pela imprensa, uma elite jurídica que fica calada perante as barbaridades que se comete contra a justiça, uma cnbb que fala em reforma moralizante poítica e “esquece” que o gilmar segura o financiamento particular já derrotado, etc.

    Mas se o nassif, em “consonância” com o pig diz que o governo, cujo maior erro é de comunicação e é contra si mesmo, e despreza o que foi feito contra a fome e a miséria, na promoção dos mais pobres, na educação, na saúde, na economia nos dando o pleno emprego, na infraestrutura, na seriedade e na postura honesta, etc, etc, é medíocre, então o que podemos esperar?

    Logo o nosso nasif que babava inocentemente com o psdb do anastasia e o tal choque de gestão vendido pela imprensa podre.

    1. Falta de comunicação?
      O erro deste governo é falta de comunicação?Veja como este governo se comunica: Aumento da GasolinaAumento da energiaInflaçãoDéficit primário de R$32,536 bilhões Divída interna chegando a 2 trilhões Contra fatos não há argumentos. Não adianta acusar a tal da imprenssa “pig” . 

    2. Promoção dos mais pobres

      Nossa, que Pais e esse? onde a educação , saúde , economia , etc , estão uma maravilha , não no Nosso Brasil , onde os Professores e os profissionais da saúde quase pagam para ir trabalhar .

  38. Estamos confortáveis?
    Nassif levantou um ponto importante sobre a PGR. Há um discurso “nacionalista” – para os incautos – de proteção aos bens públicos, combate à corrupção, etc. Me causa espanto que a oposição, e todos os seus penduricalhos, mostre-se indignada com a agenda do Ministro e não tenha arguido, questionado – ok, vamos ser brandos – perguntado o que o Sr. Janot foi fazer, num momento delicado como este, nos EUA? Eu tenho bastante curiosidade e não acho que esta seja uma questão de somenos importância… Estamos felizes com esta explicação pífia?

    1. Parece que CONTINUAMOS a

      Parece que CONTINUAMOS a pedir “orientação” ao império do norte para qualquer problema que surja. Há séculos somos roubados e explorados por esses safados e não aprendemos.  A fome, a miséria, o analfabetismo, a escravidão foi o que nos legaram.

      Mas, como Lula, que para ser eleito, foi para lá se “comprometer” com o pode real, e sabemos que não há outra forma, agora os nossos “chefes”  fazem o mesmo caminho.  Está na hora de parar com isso.

       

  39. A arte de quem

    Por pior que fosse o pt, vamos ao ponto, o pt; ele é um dos que não estão nesta lista dos que são artistas desta ignóbil arte, destruir a riqueza nacional. Na desstruição, o piig e muitos setores covardes.

    Parece até que está sozinho, e com o povo ( neste artigo do nassif não conta), já que o povo só se manifesta no voto e já mostrou sua indicação.

    Só isso dá ao pt uma posição de grande destaque. Medíocre, nunca.

  40. Meu palpite

    Apesar de respeitar muito a opinião do Sr. Nassif, sempre bem informado, vou divergir da afirmação dele de que existem área de excelências no Brasil. Nem a Embraer, que não é mais brasileira só, escapa.

    Houvessem criado as 100 zonas econômicas especiais e veriamos pequenos e médios empresários empreendendo atividades economicamente produtivas, lucrando e investindo em capital humano e intelectual no Brasil.

    Hoje não há os que queiram investir na atividade produtiva industrial ou mesmo agroindustrial, caso da Cana de Açúcar e dos Usineiros é emblemático. O cipoal de Leis que impedem um fucionamento hígido das empresas lhes tiram qualquer chance de lucro, matando o famoso espirito animal do capitalismo que ergue as nações desenvolvidas.

    Outro sorvedouro de riquezas é o Judiciário, onde é voz do povo que os únicos que lucram com demandas no Brasil são os Advogados, os Cartorários e os Juizes, às partes cabe o papel de serem delapidadas sem dó, nem piedade.

    O Brasil é rico e  tem uma população saudável e instruida que se estivesse engajada numa atividade produtiva e lucrativa colocaria o País em uma posição economicamente confortável.

    Falta o pacto entre o povo e seus líderes para que isto possa acontecer e o país encontre seu rumo de prosperidade.

    Agora cabe à liderança estabelecer o Rumo, o Norte e a Estrela que torne isto crível e factível.

    Acorda, Dilma!

  41. Bem interessante.

    À época não vi essa cruzada toda na defesa da Delta quanto estou vendo agora na defesa de empreiteiras e empreiteiros corruptos. Aliás, que fim levou a Delta?
     

     

    1. Não li nenhum comentário

      Não li nenhum comentário defendo empreiteiras ou empreiteiros corruptos. Agora trollagens, sim, Agora mesmo estou perdendo meu tempo retrucando um de um Walker que se quer livre”, mas que está com os cerébro amarrado à VEJA, Estadão. Folha, Globo, Merval, Reinaldo……….etc e coisa e tal. 

  42. Punindo o primeiro se contempla o segundo

    Quer dizer que “eu”, empresário e empresa honesta, marginalizado por esquemas de cartéis e propinas, agora sou obrigado a engolir que as empresas que praticaram tal ato não sejam punidas para o “bem do país”. “Eu”, que sofri com a concorrência desleal, que amarguei prejuízos, que não pude investir em tecnologia, que não pude me desenvolver, porque sempre perdi para empresas que superfaturam com esquemas corruptos, empresas que graças a essa corrupção pôde ter caixa para alimentar sua infraestrutura, que pôde até operar com prejuízos em demais obras particulares para não abrir mercado para “mim”, “eu” diante de tudo isso tenho que me calar??? Será que eu hoje não posso assumir meu lugar merecido no mercado? Tenho que aceitar que os mesmo continuem colhendo frutos de seus atos ilícitos, eles que construiram reputação e impérios em um cenário desonesto?

    Me desculpa Nassif, mas eles e seus ativos que vão pra casa do car….

  43. Me lembrei da falência da

    Me lembrei da falência da VASP. Até hoje é possível ver alguns ativos desta empresa depreciando-se ao relento, à espera de um eventual leilão que, quando ocorre, tais ativos estão reduzidos à condição de mera sucata, dificultando ainda mais a viabilidade financeira de ressarcimentos aos credores (incluindo ex-empregados).

    Em outras palavras, a mentalidade da justiça no Brasil é antiempresarial.

     

  44. É vero! Minha filha começou a

    É vero! Minha filha começou a trabalhar  e me disse uma vez: “Pai trabalho em uma empresa maravilhosa”. Então eu lhe disse: “Filha você ainda é jovem e vai aprender que empresas não são nem boas nem ruins, são apenas pessoas jurídicas e quem faz uma empresa boa ou ruim são as pessoas, principalmente aqueles que estão no controle das mesmas”. O tempo passou e quando foi trocada a alta direção da empresa houveram mudanças significativas que deixaram os funcionários tristes e houve muitas demissões e trocas de cargos para os novos “amigos do poder”. Culpar a empresa? Claro que não! São e serão sempre as pessoas que farão das empresas lugares bons ou ruins, assim como no comando do país. Desde o descobrimento do Brasil até os dias de hoje só houve um homem que pensou no país como uma “grande família”, Getulio Vargas, que infelizmente governou grande parte de sua vida política como ditador. Getulio não enriqueceu as custas do povo. Transformou o Brasil agrário no país industrial e criou a Petrobrás que hoje se transformou no maior escândalo internacional da história conhecida. Dizer que a Petrobras é ruim, ou as empreiteiras são ruins é um erro crasso. Entretanto quem comanda as empresas, também comanda seus ativos e toda cadeia produtiva da mesma e é ai que mora o perigo. Se eles forem presos continuaram a comandar as empresas da cadeia, assim como os grupos de bandidos comandam suas facções? Assim como José Dirceu continua a comandar o PT junto com Lula? Aqui está outros bom exemplo. O PT é ruim, não presta? Claro que não. Quem comanda o PT HOJE é que desvirtua seu passado e sua origem, até por isso houveram tantas saídas de políticos de peso do partido. Extirpar o PT é a solução? Não. Pois voltaria com outro nome, mas com as mesmas pessoas que hoje denigrem seu nome e seu passado de lutas. O que foi um dia uma grande reunião de pessoas para um objetivo nobre de transformar o Brasil numa grande nação, HOJE se tornou num nome ligado ao pior de todos os adjetivos: CORRUPÇÃO! Então Nassif está certo. Destruir as empresas e penalizar toda sua infraestrutura é um erro irreparável, mas quem está fazendo isto não é a oposição e sim o próprio PT que comanda a Petrobrás que cancelou novos contratos e está penalizando as empresas. Que isto fique muito claro. A operação Lava-Jato em momento algum criminalizou as empresas (até porque seria ridículo), mas sim suas cúpulas administrativas. Assim como a parcial “comissão da verdade” tentou passar o passado a limpo do período da ditadura, também deve ser passado a LIMPO tudo o que aconteceu na PETROBRÁS, DOA A QUEM DOER. 

  45. Isso é verdade vejam o que

    Isso é verdade vejam o que fizeram e estão fazendo com o Eike um capitalista que investe na producação, e vejam como protegeram de todo modo outro capitalista, no caso um especulador, o dantas. Não sei quem disse uma vez, o Brasil possui a pior elite do mundo.

  46. a direita exagera

    a direita exagera tanto,

    nesses conluios escusos e criminalizações de tudo,

    que talvez consiga comprovar a tese de que os trabalhadores

    poderiam administrar essas empresas com maior competencia.

    ou incentivar a uma revolução, sei lá.

    é claro que essa radicalização da direita em defesa

    da exclusão social, levará a uma desestabilização  política e economica do país.

     

  47. Olha, vamos colocar os pingos

    Olha, vamos colocar os pingos nos is. Essa imprensa que está aí (não vou citar nomes porque não precisa) foi uma criação norte-americana para defender os interesses norte-americanos. E fizeram um trabalho bem feito, porque produziu um percentual suficientemente elevado de analfabetos políticos que, apesar de tandas vezes engando por essa mesama imprensa, acredita nela, reproduz o que ela diz e repercute o que ela diz, tornando-se a própria voz do que ela diz. E tudo o que ela faz é defender os interesses estratégicos dos EUA. Amestrado e submisso esse público não vai mudar, tende a piorar, pois nunca vi a burrice melhorar ninguém.

  48. Feliz na matéria, Luiz

    Feliz na matéria, Luiz Nassif,  na expressão da verdade e do sentimento da maioria dos brasileiros. Fico por entender como o governo não “se liga” e muda os rumos buscando uma trajetoria de dignidades e transparencias . Nós brasileiros estamos cançados de saber onde vai dar esse barco, navegando em lama, tocado pelos ventos   de corrupções. Estamos fartos. Obrigado por sua matéria, Luiz Nassif.

  49. Aqueles que acham uma

    Aqueles que acham uma injustiça a acusação contra o PT, recordo-me que em determinada empresa  o Lula nomeou um Deputado Federal para presidí-la. De começo ele criou mais de 300 cargos comissionados para seus apadrinhados. Todos sem qualificação técnica e ainda acabou com a Participação nos Lucros que era distribuída aos funcionários. Em outras empresas ocorreram as mesmas coisas. O PT foi minando suas bases, tanto que foram criadas diveresas secretarias com status de ministério e hoje chega em torno de 37. Tudo para seus filiados políticos, para poderem executar o sistema de corrupção e para enganar a população copiaram as ações sociais do outro governo e fizeram o marketingo do bolsa família.

    Agora com a operação Lava Jato, visto a besteira que fizeram estão tentando de tudo para reverter o quadro e o principal dele é culpar o PSDB. Aliás até parece que o Brasil foi governado somente por esses dois partidos. Cadê o PMDB de Sarney e o outro do Collor e Itamar? Culpam também a imprensa e agora querem poderar-se de vez da Polícia Federal com a indicação do seu Diretor, então, será que o PSDB está querendo dar o golpe ou o PT que está querendo para perpetuar no poder da mesma forma com está acontecendo na Guiné Equatorial?

  50. Não São Empresas.

    Não há um parafuso que não foi fruto de roubo dentro destas empresas. Não fazem nada, terceirizam tudo, são boas mesmo em corrupção e em conchavos. Elas não empreendem, fazem ação entre amigos, são o próprio câncer deste país. Defender empresas da época da ditadura, digo, que roubam o país – o povo – desde esta época em conchavo com nossos queridos ditadores é simplesmente delirante. Estas empresas não tem ativos, não tem prédios e máquinas, não tem caixa, o que elas elas tem chama-se “produto de roubo”, elas “são” produto de roubo, devem ser substituídas por empresas de verdade, se é que isso ainda existe neste país quando o assunto é trabalhar para o governo. Daqui a pouco você vai querer que devolvam as “coisas” do Eike, afinal, como ele vai especular sem sua Lambo na sala? Deixem a Lambo na sala!

  51. Lava jato

    Tem razão em tudo o Nassif, mas ainda acho que há um GOLPE em andamento. Destruir a Petrobras, que vale quatro vezes mais que suas ações só em patrimônio, além das reservas comprovadas em trilhões, PARECE ser a meta desses traidores da Pátria, principalmente a ” grande” imprensa do País.  E parece que é um GOLPE generalizado que atingirá a América Latina inteira, não só os Países que se livraram das roubalheiras capitalistas comoVenezuela, Equador, Bolívia, Cuba e Argentina.

    1. Só mudaram os ratos

      Entre roubalheira capitalista e roubalheira socialista, só muda a origem dos ratos, por que todos roubam, ou melhor, os socialistas roubam mais pois nunca tiveram essa chance e quando chegam ao poder se acham no direito de fazer isso também.

      Por que essas coisas não acontecem na Vale, por exemplo! O governo não produz riquesa! Quem produz riquesa é o povo, então essa história de chamar de “dinheiro público” é uma falácia! O dinheiro não é público! É meu é seu, é de todos nós, sendo porém adminitrado por pessoas das mais incompetentes.

      Se a Petrobras fosse privatizada não haveria todo esse escândalo. Enquanto as empresas públicas brasileiras forem geridas por politicos e não “homens públicos” é isso que vai acontecer. E não me venham com essa bobagem de reserva nacional, riquesas nacionais, por que se vendem para qualquer um que pagar mais.

      ROUBO, ROUBO, ROUBO… CAPITALISTA, COMUNISTA, SOCIALISTA, POPULISTA, OU QUALQUER OUTRA “ISTA” QUE QUISEREM INVERTAR.

      Por favor, olhem para os paises com os maiores indices de riquesa “per capita” e que realmente distribuem suas riquesas, como os paises baixos, nórdicos, etc. NÃO EXISTE NENHUM SOCIALISTA.

      1. Se você não sabe, a Vale foi

        Se você não sabe, a Vale foi tungada em 1997, ou seja, vendida não pelo que valia, mas pelo fluxo de caixa descontado. Não levaram em consideração suas reservas de minérios, que fariam com que o seu preço alcançasse valor muitíssimo mais alto do que foi vendida. E isso está documentado em vários livros. Um deles, por exemplo é o “O Brasil Privatizado 0 O Desmonte do Estado”.

  52. E não adianta apelarmos para

    E não adianta apelarmos para bon senso ou coisa do tipo.

    A oposição não tem isso.

    A republica do paraná muito menos.

    É o Governo que tem que agir e com firmeza para mudar o rumo dessas investigações o quanto antes.

  53. Comportamento patológico à Brasileira Vesus O caso de uma Multi

    Nassif,

     

    Discordo do seu enfoque.

     

    Não sei se meu comentário vai ser notado, mas quero colocar um testemunho. Experiência vivida. Espero que com este testemunho fique clara a distinção que precisa ser feita com relação ao que é feito no exterior e o que as empresas brasileiras PRECISAM AINDA FAZER para que a mancha em seus históricos seja tratada como caso passado. Caso contrário o futuro das mesmas pode ser tenebroso, qualquer que seja o resultado da Lava Jato.

     

    O CASO:

     

    Trabalhei como executivo em multinacional que foi pega envolvida em corrupção em obras e projetos na região do Oriente Médio e outras áreas do globo. Comprovaram-se propinas a agentes políticos, devio de verbas provenientes do BID, ‘patrocínios’ fartíssimos a Gadafi e filho que resultaram em compras de armamentos (!) e etc.. Uma coisa pretíssima, de colocar o assalto por décadas à Petrobrás como roubo de galinhas.

     

    Acompanhávamos o desenrolar dos acontecimentos pelo canal de transparência aberto pela empresa após as descobertas dos desvios de conduta e pelas conversas de corredor. Todo o mundo era informado diariamente em maior ou menor escala. E lá fora as coisas andaram rápido e sem esse alarido de fim de mundo criado por aqui.

     

    A primeira consequência: a multinacional e suas controladas foram colocada em listas negras de governos e de bancos de fomento. Não se qualificaria mais para obras / projetos com o financiamento de certos bancos e especialmente o BID, e nem era mais consultada para muitas concorrências em mercados em que já estava com nome consolidado. Ou seja: Quase uma sentença de morte se não agisse rápido! Notem: sentença esta independente do resultado dos julgamentos (que se desenrolaram depois).

     

    Bem. Agora a profunda distinção entre o aqui e o acolá….

     

    E O QUE FEZ A RESPEITO A REFERIDA MULTINACIONAL?

     

    A referida Empresa não esperou sentença em julgado, não fez chincanas, não tentou interferência política, não tentou cortinas de fumaça e CORREU PARA RETIRAR IMEDIATAMENTE, e ESPONTANEAMENTE ,toda a turma envolvida no escândalo de todo o seu quadro societário (holdings e controladas) e da alta-direção.

     

    Para dar a devida noção do que foi feito espontaneamente, basta citar que caiu o presidente global da holding e foi escolhido às pressas outro com nome ‘limpo’ no mercado.

     

    Em seguida criou-se o departamento de ética e compliance (olha aí como a PetroBRÁS agiu corretamente na escolha do novo presidente e nas primeiras ações tomadas!!!) e reforçou os treinamentos e contoles de ética em todo o mundo. Com o acompanhamento intenso de auditorias independentes (Petrobrás de novo correta. Aplausos!). O objetivo: reverter a decisão dos bancos e mercados. Tentar não morrer. (feito que conseguiu a duras penas)

     

    A Empresa deu uma demonstração clara de que agiria com todas as forças para ajudar a justiça, que se esforçaria enormemente para se enquadrar às leis e arcar com a culpa que lhe competia. Por que, enquanto agente econômico, enquanto não agir e demonstrar mudança de rota, este agente É E SERÁ SEMPRE um ente deletério de todo o mercado. Uma maçã podre que se mantida intocada vai continuar a apodrecer tudo que tocar!  

     

     

    É preciso entendermos o que se trata a PESSOA Jurídica. Se não fosse possível (necessário) enquadrar nas leis e imputar esses entes jurídicos então se extinguiriam as justificativas para a existência desses entes na vida moderna. Ou seja: quero demonstrar que não é válida a sua premissa de que focar nas empresas é errado.

     

    (Defendo que é preciso fazê-las agir, já que não tomaram a iniciativa. Senão esta novela vai se repetir em ciclos.)

     

    Não tenho certeza, mas daqui do Brasil a interpretação que tínhamos vendo o desenrolar é de que todas as iniciativas da Empresa favoreceram o foco nas pessoas físicas e menos na Pessoa Jurídica – diferentemente do que tem feito a justiça brasileira nesse início da Lava Jato com tamanha virulência e desrespeitos, misturando estações (como no caso do capital de giro das empresas brasileiras e etc.)  

     

    Então o que temos aqui não é apenas uma patologia do comportamento tipicamente brasileiro. Temos duas patologias.

     

    Primeira: a ação atribulada (para não dizer irresponsável) da Justiça Brasileira, com seus métodos tortuosos e com viés claramente político.

     

    Segunda: a ação das empresas. O comportamento típico de quem sabe que pelo menos aqui com a justiça brasileira não vai dar em nada. Todas elas corporativamente paradas e apostando em uma saborosa (para eles) e gigantesca pizza. Nenhuma delas se pronunciou, mostrou ao/s mercado/s planos e se prontificou a colaborar com a justiça (com exceção de duas que resolveram contribuir com o  ‘quanto pior melhor’ das delações premiadas à brasileira e nada mais). Nenhuma delas abriu suas estruturas para auditorias independentes. Nenhuma fez a necessária limpeza dos seus quadros. Nenhuma demonstrou mudança de rota e de métodos. Pelo contrário!!! Sabe-se que correram para, por baixo dos panos, tentar dar cabo dos vazamentos feitos pela dupla Justiça-PF. Tentaram corrigir os erro de terceiros com um outro erro. O velho e carcomido lobby à brasileira!

     

    Sim! As empresas precisam agir por um bem maior resumido e englobado em seu renome e em sua marca – o patrimônio tangível, se isso realmente importar aos acionistas das brasileiras. São estudados os prós e contras de expiar pecados, e as soluções sensatas dos bons conselhos em geral são sempre correr atrás de acertar as contas ou a mancha nesse patrimônio tangível poderá ser eterna. Com prejuízos incalculáveis no longo prazo.

     

    Só como exercício: sabe-se que acionistas da Petrobrás no exterior já se movimentam para cobrar na justiça americana ressarcimento pelos prejuízos. Imagine se as prestadoras de serviços forem arroladas, pois foram agentes ativos nesses prejuízos. Heim? O que acha que ocorreria?

     

    Mesmo que não se dê por vias judiciais o verdadeiro prejuízo das corporações brasileiras, e por tabela toda engenharia nacional, pode vir por meio da mão do mercado. Pode virar uma sentença de morte como no caso que relatei da multinacional. Com a diferença de se ter pouco a fazer senão chorar, por que o tempo para estas empresas demonstrar boa fé está correndo e se esvaindo!

     

    É preciso entender que os mercados mudaram. As questões como Ética estão cada vez mais em pauta e menos ‘para inglês ver’ e a opinião pública dos mercados no exterior já demonstrou inúmeras vezes , quando lhes interessa, seu poder de barrar corporações antiéticas e corruptas (vide casos de empresas ocidentais durante apartheid).

     

    A não ser que as grandes da engenharia nacional pretendam ser ‘grandes’ apenas localmente (por quanto tempo?); desistam dos seus planos de internacionalização e fiquem apenas nos mercados ‘sujos’ da América do sul, Africa, etc.. O fôlego se esvairá cedo. Os bancos de fomento logo cortaram as veias destas e/ou as gigantes em pouco aparecem para, numa tacada, por estas empresas brasileiras de pensamento tacanho no bolso. Literalmente.

     

    De toda sorte, sofre e é penalizada a engenharia nacional. Esse vetor tão importante para o nosso bem estar.

     

    A miopia da alta direção dessas empresas vai cobrar um preço caro para elas e para a sociedade.

     

    As opções são limitadas e o tempo se esvai.

     

    Assina: INSIDER.

    (infelizmente, pelo que coloquei do caso relatado da multinacional, não posso colocar o meu nome por causa de um certo termo de confidencialidade, que tentei cumprir ao não citar o nome da multi).

     

    I’ll be back…… :-)))

    1. Uma boa solução, mas…

      Para uma empresa que tenha uma direção proativa e tenha princípios, acredito que seja possível; mas como falar em manutenção dos ativos das grandes e famosas eempreiteiras brasileiras que resumem seus últimos esforços em diminuir ao máximo a concorrência pública, até mesmo formando um ‘CLUBE’ fechado para aparellhar a máquina pública, loteando licitações e consórcios.

      São famílias que a anos montam este cenário, e que a anos criam uma adminsração pública cada vez mais dependente delas, pois ao mesmo tempo que estão nos bastidores das suas empresas, estão também nos bastidores das decisões políticas, eles pagam bem pra isso não!?

      Que jeito reciclar? Devíamos é mudar mesmo, acabar com o velho, montar uma estrutura de ficalização rígida sim e dar prioridade ao profissional e cidadão que tem vergonha na cara.

      Já foi dito, para mudar é necessário mais que evolução! Revolução não é mesmo!? Pena que o histórico de nosso povo não ajuda tanto.

  54. Destruição da indústria nacional

    O problema das empreiteiras não nem de perto tão grave quando ao contínuo descaso com a indústria nacilnal, que desde o governo Collor vem sendo dilapidada (e por todos os governos desde então, sem exceção). Estamos voltando a ser exportadores das chamadas “comodities”. Só trocamos o rei-café pela soja.

     

    1. Destruição das instituições e iniciativa privada

      Como bem falou o Nassif, as coisas estão sem rumo a muito tempo. Está parecendo um barco sem leme.

      Quando o PT assumiu o Governo, com a então ascensão do Lula, todos deveríamos ficar com as barbas de molho, pois coisa boa não poderia vir, sem que viessem outras bem ruins. Eu já previa uma coisa parecida, não na sua integral consequência, mas eu acreditava num desfecho parecido, tanto que eu tinha uma Empresa funcionando desde 1999 e fechei a portas por não concordar com tantas inclusões, exclusões, taxas e mais taxas, sem que houvesse uma compensação. Fechei as contas bancárias BB, Itaú, Bradesco e HSBC sem dívidas com bancos ou forneceddores. Mas fechei por que sabia que a situação ficaria bem pior, mesmo declaração do Lula que no Brasil só chegaria uma “marolinha”. Estamos vendo ai a marolinha. É um grande naufrágio Nacional. 

      O que resta a nós, que amamos nossa Pátria, é ir a luta, escolher bem escolhidos nos representantes de todas as esferas, seja Federal, Estadual ou Municipal. Cabe também aos pretendentes a assumir cargos Públicos vigiar ao seu redor e não medir forças para que as máquinas funcionem sem queimar óleo (coiber o roubo).

      Também não poderíamos esperar muita coisa, pois começa a bagunça com o nº infinito de Partidos Políticos. Ninguém em total cosciência consegue sabem os programas dos partidos que ai estão. É um amaranhado ideológico, sem lógica nenhuma. Escrevem qualquer coisa na Protocolo de criação do partido e pronto. É um ‘bumba meu boi”.

  55. A JUSTIÇA BRASILEIRA APODRECEU!

    O Nassif disse tudo!

    “Altere-se o controle, mas não destruam os ativos acumulados.”

    As empresas devem continuar, sob quaisquer circunstâncias. Na época do FHC, o garoto de recados dos EUA, ele deixou que a Engesa, nossa fábrica de blindados, fosse à falência. Como justificaria isso aos seus patrões? Pois seria uma traição ao neoliberalismo. Entretanto, quando a coisa apertou, o governo americano socorreu suas empresas com trilhões de dólares, e até banco foi privatizado.

    Aliás, a justiça brasileira está há tempos desmoralizando o país com episódios sem paralelo no mundo inteiro. E o que é pior, estão preparando um saco de maldades. Não querem mais nenhum controle sobre si. O STF quer acabar com o controle externo do judiciário, exercido pelo CNJ. O ideal seria que seus membros fossem eleitos pelo povo, mas são nomeados pelo presidente de república. Entretanto, nem isso eles aceitam. Querem que o próprio STF nomei os integrantes do órgão (CNJ) que o fiscaliza:

    http://democraciadiretabrasileira.blogspot.com.br/2015/02/justica-brasileira-apodreceu.html

    Quanto ao procurador geral da república, o fato é no minimo esquisito. O Senado deveria interpelá-lo oficialmente, e destituí-lo de seu cargo. Só que pra isso precisaria ser menos corrupto, e ter mais moral…

  56. Não há como

    Não há como fazer omelete sem quebrar os ovos.

    Essas empresas só sobrevivem pela corrupção, pela cartelização e pela cooptação de governantes através de financiamentos eleitorais.

    Está no DNA desta empresas, que foram moldadas em uma ditadura e atravessaram todos os governos “democráticos” fazendo o mesmo tipo de negócio 

    Não sobreviveriam diante de uma competição lícita então usam e abusam de um poder em que, unidas em cartel, detém, na prática, o monopólio de obras públicas no país.

    E fora daqui, só conseguem obras em países onde há pouca ou nenhuma transparência nos governos. Via de regra, em ditaduras ou Estados pouco democráticos.

    Além do mais, são empresas familiares ou ainda sob controle dos descendentes dos fundadores.

    Aqui mesmo, há muito pouco tempo, se criticou a atuação dessas empresas no Programa de Concessões de Rodovias e Ferrovias deste governo, quando boicotaram as ofertas de Taxa de Retorno ofertadas pelo Governo Federal baseada em estudos do que se pratica mundo afora.  Boicotaram para precificar o programa conforme suas conveniências e seus históricos de grandes lucros.

    Agora, de repente, esses cânceres que há décadas fazem a infra-estrutura brasileira, seja sob qual governo for, custar o triplo ou o quintuplo de outros países, tornaram-se indispensáveis à nação.

    Que sumam na história e que venham empresas novas, com outro DNA, com gosto pelo desafio e pela concorrência. De qualquer maneira, usarão nossa mão de obra e absorverão rapidamente todo conhecimento necessário através do aproveitamento dos colaboradores destas empresas, de operadores de máquinas até engenheiros.

    O Brasil precisa virar esta página com ousadia, ou ficar condenado a essa prática de relações espúrias entre governos e empresas para sempre.

     

    1. Tem toda razão.
      As atuais

      Tem toda razão.

      As atuais quebrem e surgem outras, de Marte, com marcianos honestos e que só vão tratar com funcionários públicos anjos, a preços honestos.

      Em que mundo voce vive ?

      Por que as novas empreas iriam mudar o modus operandi ?

      Em quando tempo se daria essa transição ? 5, 10 anos ? E durante esse tempo o País fica sem as obras necessárias.

      Legal hein….. 

      1. Perfeito então. Deixemos o

        Perfeito então. Deixemos o corpo contaminado e “mudemos” o rumo da investigação. Quem sabe a culpa é do Cabral de 1500 e a turma da seita vermelha é inocente. Vítima de uma mídia feroz e vingativa.

        Temos que preservar as obras essenciais. Quais, cara pálida. Ferrovias? Rodovias? Portos em Cuba? Empréstimos e doações a nações amigas ( Guiné , Venezuela, Bolívia?)

        Não sei se é má-fe ou defesa própria. Se você tivesse lido o comentário do cidadão que trabalhou numa multinacional flagrada fazendo o mesmo que a turma fez com a Petrobrás, possivelmente você entenderia e saberia o que pode/deve ser feito.

        Cortar o mal pela raiz. 
         

        A questão é que na revolução dos bichos , o mais esperto era o cavalo/boi/burro.
        Mas quem se dava bem eram os porcos e os cachorros.

         

        Aqui cada um escolhe o personagem ao qual mais se adequa>

        1. Cadê os 250kms de metrô de

          Cadê os 250kms de metrô de São Paulo? qual a obra do PSDB? até a Cidade do Mêxico tem metô melhor que  o paulista, é uma verginha para quem se gaba de ser o estado mais rico da federação.

          1. Rico de quê?
            Não é o estado mais rico; é o estado onde estão os mais ricos. Aqueles que querem mandar a plebe de volta aos seus rincões, que apregoam a separação do Brasil (ok, não somente eles), que consideram que qquer um que não os apóie é de 2a. categoria, inculto. Fico pensando, se isso acontecesse, quem pegaria na enxada para plantar, quem seriam os porteiros em Higienopolis, quem lavaria os carros e faxinaria para os abastados “cultos”? Estrangeiros vindos do Brasil acima? É de dar pena ….

      2. Porque iriam mudar ?

        Porque aquelas que as antecederam sumiram do mapa e seus proprietários foram presos e ficaram pobres.

        Ora, ora, ora.

        Você já se perguntou porque a justiça pune ?  Para corrigir ? Não. Para servir de exemplo,

    2. Existe um diferença entre

      Existe um diferença entre renovar e destruir, o que vc propõe é destruir a principal estrutura empresarial brasileira.

      E outra, vc fala como se somente no Brasil fosse assim, o seu tão idolatrado EUA, que quase levou o mundo ao caos em decorrência da corrupção dos seus bancos e seguradoras não seguiu a sua linha de racíocinio, antes pelo contrário, socializou o prejuízo desses grandes conglomerados empresariais e financeiros os ajudando com dinheiro público. Cadê a competência? Cadê novo DNA?

      E aí!? Falar por falar…

    3. É isto.

      É isto meu caro. Puro raciocínio sobre nosso contexto histórico e sobre o modus operandi de “nossas” grandes empreiteiras. Raciocínio sobre fatos, solução lógica de quem não tem amarras. A única parcialidade que todos devemos ter é esta mesmo, um Brasil melhor, e todos sabem o que é isto, todos sabem o que tem pra se fazer. Mas muitos estão amarrados ainda. Parabenizo vossa colocação, pragmática por sinal.

      Desta forma poderíamos raciocinar:

      Saber a história e as leis de seu povo é um bom caminho, para haver um cidadão exemplar, se se desprender das amarras é certo, achará uma solução mais justa para os problemas nacionais. Quanto menos amarras, mais justiça social, econômica e política.

      Se houver interesses particulares, tudo muda, não é mesmo!?

  57. Não estou acreditando…

    Não estou acreditando que lí tanta bobagem escrita por que admirava.

    Como assim não punir empresas? Empresas não são pessoas, empresas são ficções jurídicas, formadas por pessoas. Ponto final.

    Esse é o argumento de toda empresa, que frauda em um órgão, é punida e vai aprontar em outra freguesia.

    Entendam. Se fechar uma Delta, outra Delta, com outro nome, nasce alí na frente. O acerve é transferido e os profissionais que são a memória e herança técnica, também.

     

    1. Eu estou acreditando….

      Se hoje aceitam que se punam empresas ao invés de pessoas, deveriam lembrar que a Siemens, a Haliburton, a Chevron e tantas outras que já lesaram o Brasil, mesmo com farto material e provas continuam impunes e operando no país.

      A lei criada (encomendada) para punir as empresas da Lava-jato NÃO FOI FEITA PARA INCLUIR AS EMPRESAS MULTINACIONAIS, até por que a sede delas não fica no Brasil e portanto “não há como fecha-las”.

      Quando amanhã virem uma loja de cópias fechando as portas ou uma empresa de limpesa, ou uma empresa de serviços de mensagens, etc… deverá ser por que perderam os seus principais clientes que eram prestadores de serviço das gigantes da engenharia nacional.

      Ou seja, quando elas fecharem as portas levarão junto pelo menos umas duzentas empresas de médio porte e outras mil e duzentas micro e pequenas empresas.

      “SERIA O MAIOR FESTIVAL DE DESEMPREGO DA HISTÓRIA DESSE PAIS”. Seria….é claro, se os mesmos que hoje querem acabar com a industria da construção nacional já não estivessem preparando um PACOTÃO de benefícios e incentivos fiscais que irão atrair as Multinacionais salvadoras da nossa pátria e dos nosso empregos.

      E quando eu digo “nossos” empregos estou me referindo apenas aos melhores trabalhadores da praça é claro, pois as “Multis” que presam pela eficiência, capacitação e além de ja terem os seus procedimentos operacionais otimizados irão precisar de muito poucos brasileiros para ocupar as vagas que elas não conseguirem preencher com os seus compatriotas desempregados do primeiro mundo.

      Coitado dos brasileiros que acreditaram na farsa do falso moralismo Republicano da Lava-jato.

      Aos vencedores AS BATATAS….

      1. Não é amanhã; já foi!! A desolação reina …
        “Quando amanhã virem uma loja de cópias fechando as portas ou uma empresa de limpesa, ou uma empresa de serviços de mensagens, etc… deverá ser por que perderam os seus principais clientes que eram prestadores de serviço das gigantes da engenharia nacional.”

  58. Será racional querer matar o

    Será racional querer matar o carrapato com risco de eliminar a própria vaca? Adentramos, realmente, na era dos absurdos. Muito parecida com a dos anos 20 e 30 no EUA e Europa que deu no que deu. 

    Parece que desistimos de vez da razoabilidade, da ponderação, da sereneridade tão necessária quando se trata da abordagem de fenômenos complexos, como é o caso em questão. 

    Não podemos imiscuir nossa moral pessoal, portanto individual, com uma moral “social” na qual os interesses difusos ou mesmos concretos desta são em última análise os interesses dos indivíduos em grupos. Note-se que aqui se remete à “moral”, e não à “direitos”. 

    Foi a elucubração desse espaço onde a Política transita que tornou Maquiavel tão injustamente mal-entendido. Sempre haverá ocasiões em que a moral “social” irá conflitar com a moral “individual”. 

    Preservar a todo custo essas empresas, dada a importãncia das mesmas para a comunidade(precisa arrolar o que está em jogo, dada a obviedade?), se torna assim um imperativo moral, resguardando-se as punições para seus dirigentes e sócios. 

     

     

  59. RAIO ESTATIZADOR NELAS

    A única solução que vejo é estatizar essas empreiteiras. Sem pagar nada aos proprietários de preferência, como indenização de décadas de roubos aos cofres públicos

  60. “Uma empreiteira não

    “Uma empreiteira não prevarica. Quem prevarica são seus executivos e controladores”

    Quanta asneira, nem empresas nem executivos prevaricam. Prevaricação é crime funcional contra a administração pública. Somente funcionários públicos cometem podem prevaricar.

    Pelo amor de Deus, informe-se antes de escrever sobre algo que não domina.

    1. Presta atenção!

      Thiago Milani,

      Antes de sair por aí deitando falação, você deveria ter se socorrido em algum pai dos burros. Veja o que diz o Houaiss que, como você há de convir, sabe muito mais do significado das palavras do que você. Antes, porém, lembre-se de que os vocábulos, em geral, têm muitas acepções.

      verbo
       transitivo indireto e intransitivo
      1    faltar ao cumprimento do dever por interesse ou má-fé
      Exs.: p. aos deveres
       o juiz prevaricou
       intransitivo
      2    cometer abuso de poder, provocando injustiças ou causando prejuízo ao Estado ou a outrem
      Ex.: serão punidos os funcionários que prevaricaram
       intransitivo
      3    transgredir a moral e os bons costumes
       intransitivo
      4    cometer adultério
       intransitivo
      5    revelar segredo que lhe foi confiado; trair a confiança
       transitivo direto
      6    corromper, perverter
      Ex.: maus exemplos prevaricam a juventude

      Em nenhum lugar do dicionário é dito que somente funcionários públicos prevaricam, isto é coisa da sua cachola. Será que só funcionários públicos cometem adultério?

      Quer dizer, você falou besteira, expressou-se burramente, como muitos que do alto de suas ignorâncias patéticas põem-se a criticar estupidamente os outros.

      A Internet é a culpada do surgimento de tantos asnos falantes.

      Presta atenção, Thiago Milani!
       

  61. cumpra-se a lei

    Prezados,

    Essa discussão não está no caminho correto. A presidente Dilma sancionol uma lei para que as empresas fossem punidas em casos com a da Lava Jato. Depois ela vem dizer que não se deve punir as empresas??? Então que seja revogada a lei. É só cumprir as leis. O resto e discussão de mesa de bar.

     

    1. Ora ora… não é bem por aí.

      Ora ora… não é bem por aí. A própria Lei, sancionada pela presidenta Dilma (Lei 12.846/13), prevê que nas situações de aplicação de sanção serão levadas em consideração alguns fatores, dentre eles, o efeito negativo da sanção e o volume de contratos da empresa com a Administração Pública. Estamos falando de empresa que empregam milhares de pessoas, o que não significa que seus sócios, controladores e proprietários não sejam punidos. Sim, tem que ser punidos, mas deixemos as empresas e os trabalhadores intactos.

    2. As empresas….

      Para nao ficarmos nessa discussão infinita eu separaria as empresas em 2 grupos: aquelas que obtiveram lucro (=vantagem indevida) com o petrolão eu puniria…nas demais não.hahaha

       

       

  62. A direita brasileira não tem

    A direita brasileira não tem qualquer apreço pela democracia. Aliás, nunca teve! A democracia só é conveniente quando os interesses nacionais são tutelados pela Europa ou pelos Estados Unidos. O mais incômodo é o governo achar que o debate está sendo traçado dentro dos limites do Estado Democrático de Direito.

    Dilma tem que ter entender que a disputa subiu de nível: passou do campo político-jurídico para o campo ideológico. É a luta do nacionalismo x entreguismo. Se ela não sabe, alguém deveria alertá-la (Lula, por exemplo). Quando Maduro prende o prefeito de Caracas, acusado de conspirar contra seu governo, ele está agindo de forma ideológica, contra sabotadores da República.

    Quando a velha mídia resolve não cobrir as greves no Paraná também o faz de forma ideológica. Do mesmo modo, a gestão de Beto Richa(rd$), privatizante e neoliberal, também é uma escolha feita dentro de um contexto ideológico claro.

    Ora, desde quando Lula foi eleito, em 2003, o país trilha duas linhas ideológicas muito bem desenhadas: a linha desenvolvimentista, baseada na produção nacional, com conteúdo nacional e no fortalecimento de nossa soberania e a linha privatizante, entreguista, subalterna aos interesses estrangeiros (norte-americanos à frente).

    Moro, Barbosa, Janot, em parceria com a mídia, são os protagonistas desse enredo, cujo desfecho poderá ser o fechamento das empresas mencionadas, o fim de toda uma escola de engenharia civil, 100% nacional e mais uma vez a abertura desse mercado aos interesses estrangeiros.

    Concordo plenamente com a presidenta Dilma: não tem que punir as empresas (até porque juridicamente, a pessoa jurídica não age sozinha, mas age por intermédio de seus controladores, diretores e acionistas), mas aqueles que a administram, preservando a função social dessas organizações.

    Só sei de uma coisa: Dilma tem que agir e rápido. Uma saída seria se reunir com o ministro Lewandowski e pedir o enquadramento do juiz Moro, via CNJ, pelos excessos que vem cometendo durante o processo (prisões arbitrárias, intimações desnecessárias e vazamentos midiáticos); atuação firme do Ministério da Justiça, no sentido de atuar politicamente nos tribunais e junto aos advogados. Fazer comunicações periódicas com a população.

    É isso que Dilma tem que fazer: disputar ideologicamente dentro do campo político ou o Brasil ficará novamente de joelhos. Confesso que não sei o que é pior: repetir 20 anos de ditadura ou 8 anos de FHC. 

    1. comentar

      concordo com o jornalista ,até que enfim alguém encherga o óbviu   dos políticos a mídia uns merdas não são patriotas ,só acende a fogueira e somem

    2. A luta ideólogica é

      A luta ideólogica é exatamente o problema, o citado presidente Maduro age para salvar um país que afundou na ideologia, agora não tem muito o que fazer a não ser partir para o tema de golpismo, seu país é um cadáver aguardando o carro funerário. Não chegaremos nesse ponto, mas só vamos evoluir quando sairmos desse pensamento de luta ideológica. Lula se deu bem por isso, somente no final do segundo mandato deixou a ideologia política tomar frente na “batalha”, depois disso a coisa degringolou.

      1. Ideologia para sobreviver

        Deixe de falar besteira, de repetir o que a imprensa marrom lhe vende. A Venezuela tem sido atacada por uma corja de malfeitores golpistas que vivem a tentar derrubar ilegalmente o governo por não aceitarem as decisões das urnas. As eleições venezuelanas estão dentre as mais fiscalizadas do mundo, e Maduro foi eleito legal e legitimamente.

        É obrigação de Maduro garantir as instituições e seu governo. Fez muitíssimo bem em prender o prefeito golpista. Chega de golpes na América Latina!

        A Venezuela tem sido roubada pela oposição que drena recursos do país contrabandeando-os para o exterior. Os venezuelanos estão entre os que mais recursos têm em paraísos fiscais. Estes que contrabandeiam recursos da Venezuela para o exterior são uma cambada de traidores que quer derrubar o governo destroçando a economia, da mesma maneira que a súcia de lesas-pátrias da direita tenta fazer no Brasil.

        A luta na Venezuela sempre foi ideológica. De um lado a ideologia de sobrevivência do povo, afinal a ideia do povo sobreviver é perfeitamente aceitável. Do outro, a “ideologia” de roubar o povo a tripa forra, de entregar o petróleo aos americanos para ser testa de ferro deles, como os quintas-colunas brasileiros tentam fazer atacando as principais empresas do país, Petrobras à frente.

        Como insinuava Cazuza, para viver é preciso ter uma ideologia, ou melhor, para sobreviver, se você for do povo, a Venezuela prova.

        1. Prezado, eu não estou

          Prezado, eu não estou questionando a legitimidade do governo Maduro, estou dizendo que essa ideologia de A contra B, povo contra elite é pura retórica e cedo ou tarde as consequencias chegam. A Venezuela não tem mais nada, não tem indústria, não tem produtividade, o governo mandou dinheiro para a Suiça e o petróleo não salva mais,  o discurso não sustenta mais a falta de ações e será o povo, seja lá qual a definição de quem pertence ao povo para você, quem vai pagar a conta de novo.

          Para ilustrar minha opinião vou publicar o link de um texto escrito por um deputado que eu imagino que você respeita, escrito em uma revista que não pode ser considerada parte da imprensa marrom. Cenários iguais a esse são pintados em vários veículos e não vejo nada em lugar algum que conteste a realidade de degradação social que o país vive, colocar a culpa pela delicada situação atual somente em um grupo maquiavélico tutelado pelos EUA  ou pela direita, seja lá quem pertence a essa direita, é não entender muito além da surrada idéia da luta de classes. Volto a dizer que a Venezuela está em situação delicada e parte dela se da pelos erros dos últimos anos e o presidente Maduro reage da pior forma possível, só não vê quem não quer.

          http://www.cartacapital.com.br/internacional/a-venezuela-para-alem-das-torcidas-7057.html

    1. Que contribuição seus Mein
      Que contribuição seus Mein Kempfs Globo e Abril dão ao país?

      Por que eles não sobrevivem sem grana estatal? E a livre iniciativa? E a competição?

    2. Desenhando…

      Ninguém quer destruir a Globo e a Abril, mas acabar com o oligopólio mediático, a manipulação e a corrupção…

      Ninguém quer destruir as empreiteiras e a Petrobras, mas acabar com o cartel e a corrupção..

    1. Idiota

      Armando Pinto,

      A começar pelo seu apelido você se mostra como de fato é: um estúpido de sarjeta, um idiota sem imaginação sem criatividade. Armando Pinto, que babaquice. Idiota não é o texto do qual você reclama, idiota é você.

  63. Nassif e a Vale que foi uma

    Nassif e a Vale que foi uma grande empresa Pública, como ela esta atualmente, quanto ela arrecada para o país, o que deu certo ou errado nas previsões que foram feitas na epoca da privatização.Qual é o retorno para a região, foi uma empresa grande , porem menor que a Petrobras, não seria hora de rever o retorno que houve ou não após a privatização dos anos 90 até hj.

  64. Lamento que  tenha gente

    Lamento que  tenha gente querendo defender a Família Marinho da Rede Globo e família Civita da veja, esses sim são os verdadeiros lesa pátria, essas  são  verdadeiras quadrilhas  infiltradas  na maioria dos governos brasileiro, eles querem destruir o Brasil juntamwnte com essa esquerda nojenta, asquerosa, incapaz de vencer uma eleição e agora apelam para mais um golpe no Brasil.

     

  65. Estamos todos loucos. O fato

    Estamos todos loucos. O fato de um doleiro ter lavado milhões de dolares saídos de fruto de corrupção da maior empresa do País não é nada. O fato de Diretores dessa empresa declararem que desviavam recursos para o PT e partidos aliados não é nada. O fato de uma empresa ter comprado uma Refinaria por muitas vezes seu valor de mercado não é nada. O fato de um dos envolvidos no escandalo devolver 92 milhoes do que foi roubado não é nada. Mas o fato da mídia divulgar para os brasileiros esses desmandos é que é o PROBLEMA da Petrobras. Ora façam-me o favor. Arrumem outra saída. Isso não cola. Só entre os adeptos dos sites “amigos” do Governo.

    1. Cínico ou Ignorante Replicante no Assunto?

      É claro que não, você por exemplo, está certamente longe de ser louco, mas pertíssimo de ser cínico ou ignorante replicante no assunto. Digamos serem totais as possibilidades.  

      Cínico ou ignorante no assunto? 

      Cínico, você sabe, se não sabia, ignorante replicante no assunto, fique sabendo, enquanto nós continuamos sem saber se cínico ou ignorante replicante no assunto.       

    2. E bota louco nisso, interna! interna!

          O fato de a presidenta da empresa colocada pela presidenta da república ter demitido o operador do esquema não quer dizer nada

       o fato do mesmo denunciante afirmar que o esquema é obra dos governos anteriores à 2003 não quer dizer nada

        O fato da presidenta da república colocar a PF pra investigar quando no governo FHC reclamava em passeata  ter sido usada pra fins políticos não quer dizer nada.

        O fato do operador do esquema ter subido na hierarquia da empresa durante governos anteriores à Lula não quer dizer nada

        O fato dele ter sido indicado pelo mesmo sujeito que indicou aécio neves para a caixa econômica não quer dizer nada

        O fato da esposa do juiz do caso ser  não quer dizer nada assessora jurídica de vice governador tucano não quer dizer nada

         O fato do mesmo juiz ter livrado a cara do mesmo acusado por ocasião de outra investigação durante governo petista não quer dizer nada

      1. Demitiu ou ele pediu para

        Demitiu ou ele pediu para sair? Mas independente disso só faltava ele continuar no cargo.

        Ele não disse isso.

        A Presidente não mandou coisa nenhuma. A PF tem indepencia para investigar.

        Não. Ele foi claro que o esquema começou no Governo Lula.

        ???? E daí?

        O culpado é o sofa??????

        Não sei sobre este fato. Pode ilustrar?

        1. FHC e trupe criaram os ladrões e o PT os está a prender

          Deixe de falar besteira, mané. A PF é subordinada ao governo federal. Se o governo federal quisesse, agiria como agiu o governo FHC: deixaria a PF morrer à míngua de recursos, sem pessoal, com remuneração baixa, sem equipamentos etc. A PF age porque o governo do PT deu a ela os recursos para tal, até mesmo independência. A PF age porque o PT quis que agisse.

          A roubalheira na Petrobras começou com FHC que suprimiu os controles das compras e promoveu os ladrões e os esquemas de roubalheira na empresa. Se o PSDB tivesse ganho as eleições em 2002, nada dessa roubalheira que começou com FHC teria sido pego. Se o PSDB tivesse ganho as eleições, seus meliantes estariam roubando, como aconteceu no episódio Banestado e acontece em SP, e ninguém saberia de nada.

          Quanto a demitir, pouco importa se pediu, ou não, para sair, o fato é que saiu. Fazer com que ele saísse era o que a presidente da Petrobras poderia fazer, ou você cobra que a presidente da Petrobras o prendesse? Tem cada uma…

          1. Ramalho, pediu para sair uma
            Ramalho, pediu para sair uma ova! Tava agarradinho na cadeira, carrapatinho, fazendo-se de morto… Dilma e Graça o puseram para correr; ficou insustentável para ele.
            Este papinho é a justificativa arranjada pela mídia para justificar o “enojamento” do Sr. PRC. Você não reparou como o estoque de epoclair baixou … Ele passou 7 anos (só agora reparei na conta de mentiroso!!! De 2008 a 2014) com enjoos terríveis, só tomando remédio e picotando papel. Ele só esqueceu de denunciar tudo depois de sair. Ficou em casa mais 03 anos esperando a PF chegar..
            E ainda há quem repita a lenga-lenga!

    3. Não cola

      Este email retrata a percepção de muitos,

      Então vamos lá,

      1- O fato do doleiro ter lavado milhôes de dólares do esquema BANESTADO fruto de corrupção, dentre ourtras da PETROBRAS,  comandado  por outro partido não é citado na midia, também não cola.

      2- O fato de diretores terem dito que já desviam dinheiro para o partido  anterior, tabém n~sao cola.

      3- O fato que o gasoduto BRASIL-BOLIVIA, construido no governo do partido anterior, ter custado varias vezes o valor da construção de similares internacionais, também não cola.

      3- O fato que os diretores da quase PETROBRAX não terem devolvido UM CENTAVO, também não cola.

      4- O fato da MIDIA NÃO DIVULGAR estes fatos, tabém não cola.

      5- O fato dos vazamentos srem seletivos, também não cola.

      6- O fato da matérias da midia repetirem à exaustão: esquema de corrupão que começou no governo do PT, também não cola.

      7-  O fato  da midia não lembrar o DENÚNCIA enfática do jornalista PAULO FRANCIS respeito da corrupção em 1996, também não cola, muito menos não gruda nem cola a falta que qualquer prurido da midia em espetar o início da corrupção na PETROBRAS em 2003. Paulo Francis foi condenado pela justiça americana pagar indenização ao diretores da Petrobras por DANO MORAL

      Caros leitores, um minuto de reflexão e honra ao verdadeiro jornalista.

       Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015   |   ISSN 1519-7670 – Ano 18 – nº 83

      OPERAÇÃO LAVA JATO

      Paulo Francis não morreu

      Por Luciano Martins Costa em 17/11/2014 na edição 824

      O jornalista Franz Paul Heilborn, que assinava sua coluna nos jornais e se apresentava na TV como Paulo Francis, morreu menos de um mês depois de ser informado por seus advogados de que não tinha como se defender no processo movido pela Petrobras na corte de Nova York. Como havia acusado sem provas, baseado em fontes que não podia revelar, entrou em depressão e sofreu um estresse que causou sua morte por um ataque cardíaco, segundo revelou sua mulher, a jornalista e escritora Sonia Nolasco.http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/paulo_francis_nao_morreu

       

    4. Não parece ser o seu caso. O
      Não parece ser o seu caso. O que você ainda está fazendo por aqui? A Veja te espera com um repertório novinho – mais do mesmo, a bem da verdade. Não se acanhe. Passa lá! Decora o texto direitinho, que o pessoal lá adora uns moleques de recado. Depois passa no FB, atualiza o pessoal, e não esquece da tarefa no whatsapp: um monte de figurinha e filminho para enviar. Tua turma te aguarda. Ciao.

  66. Nassif, sua observação é

    Nassif, sua observação é muito bem fundamentada, mas como falou estamos pagando pela nossa cultura secular. Os anglo-saxões tem uma característica interessante de focar no indivíduo com direitos e responsabilidades, nossa cultura latina prega direitos individuais e prega responsabilidades coletivas, de entidades ou empresas, por isso não se pune ninguém nesse país. Nos acostumamos à surrada idéia da luta de classes ou do eterno fla flu entre opostos, sem entender a complexidade da sociedade. A culpa sempre foi do capitalismo, dos bancos, do PSDB, da direita, da esquerda, do PT, da Globo, do governo, da sociedade conservadora, da polícia, o que mais tem são conceitos abstratos e empresas/partidos que se tornam estigmatizados e levam a culpa pelas pessoas.È uma pena o que está acontecendo com as empreiteiras, porém demorou para acontecer. Há 50 anos que a relação delas com o poder não é nada santa, seus proprietários e os políticos de plantão no poder sempre souberam e tiraram proveito disso, agora o estouro é tão grande e pode ser tão maior (Eletrobrás) que o Estado foi para a defensiva, não tem como manter contratos ou dar andamento a projetos que sempre sofrem alterações inexplicadas de preços no meio do furacão. Esse monstro é grande demais. Tomara que os donos e os políticos paguem realmente por isso, seria um meio consolo para o país.

  67. LN, coxinhada acesa, não?

    LN, coxinhada acesa, não? Tanto “entusiasmo” só pode significar princípio de desespero pelas próximas etapas da investigação.

  68. Governo incompetente (sic)

    “Não vai ficar pedra sobre pedra”

    Tem razão presidenta. Toda a cadeia produtiva da petrobras vai virar pó e milhões de pessoas vão para o olho da rua! A extensão disso será medida logo, logo!

    Até agora nenhum ‘técnico de alto nível’ que circunda os altos escalões acendeu uma luzinha sequer, uma vela pelo menos, muito pelo contrário, estão todos escondidos!

    “Não vai ficar pedra sobre pedra” valerá também para o resto do Brasil presidenta?

    Presumo, usando meu unico neurônio, que pelo menos procuraram e guardaram dados sobre o período mais corrupto da historia deste pais ocorrido de 1995 a 2003 apenas para fins comparativos, mas sem republicanismo de amador.

    Não?

    Só falar que foi corrupto não adianta presidenta..então….!

    By the way…temos outra CPI para o rescaldo das pedras!

  69. Argentina: Poder Judicial e Corporações Midiáticas de mãos dadas

     

    “Embestida mediática y judicial”

    Página 12 – 20.02.2105

    El jefe de Gabinete, Jorge Capitanich, señaló que la confirmación del procesamiento del vicepresidente Amado Boudou es parte de una serie de “ataques infundados” de un sector del Poder Judicial contra integrantes del Ejecutivo, y denunció que “la Justicia no es independiente de las corporaciones”, ya que que “las causas de las corporaciones mediáticas, como Papel Prensa, no avanzan y están estancadas”.

    “Es una estrategia más vieja que la injusticia”, ironizó el jefe de ministros durante su habitual conferencia en Casa de Gobierno, donde apuntó contra “un pacto de impunidad entre las corporaciones mediática y judicial que da protección a fiscales y jueces, a cambio de que las causas no avancen y se estanquen”.

    Capitanich calificó a la medida adoptada por la Cámara Federal porteña de mantener el procesamiento de Boudou comoe “una embestida corporativa mediática y judicial contra los integrantes del Poder Ejecutivo”. “La Justicia no es independiente de las corporaciones. Existe un pacto de impunidad entre las corporaciones mediática y judicial que da protección a fiscales y jueces, a cambio de que las causas no avancen y se estanquen”, dijo Capitanich durante su habitual conferencia de prensa matutina, al ser consultado sobre la situación judicial de Boudou, quien ayer recibió la confirmación de su procesamiento en el caso Ciccone.

    El ministro coordinador agregó que esta medida adoptada ayer por la Cámara Federal porteña forma parte de “una embestida corporativa mediática y judicial contra los integrantes del Poder Ejecutivo”, e ironizó con que esta estrategia “es más vieja que la injusticia”.

    El funcionario dijo también que como parte de esta estrategia es que se suceden los “ataques infundados al Poder Ejecutivo”, y advirtió sobre “la falta de independencia del Poder Judicial” respecto a las corporaciones.

    Además, se preguntó por qué no avanzan causas como Papel Prensa, o se da lugar permanentemente desde la Justicia a medidas cautelares que impiden la aplicación de la ley de Medios a las corporaciones, o se frenan las iniciativas del gobierno tendientes a combatir la evasión fiscal o la fuga de capitales. “Jueces y fiscales se pasan la pelota”, en el marco de un “pacto de impunidad y protección”, dijo al respecto.

     

  70. Não adianta, é assim que funciona

    Altamiro Borges: Mais uma demonstração de que os tucanos no Brasil são inimputáveis

    publicado em 20 de fevereiro de 2015 às 10:49

    Captura de Tela 2015-02-20 às 10.47.55

    Livre, leve, solto…

    Mais um tucano escapa da cadeia!

    Por Altamiro Borges, em seu blog

    O PSDB foi derrotado nas eleições presidenciais de 2002 e até hoje não conseguiu retornar ao Palácio do Planalto. Mas os tucanos, como expressão das elites, seguem fortes nos aparatos de hegemonia da sociedade.

    Eles perderam o governo, mas não a totalidade do poder político. Eles mantêm influência em postos chaves – como em vários comandos estaduais da Polícia Federal, em sessões do Ministério Público e na cúpula do Poder Judiciário – inclusive no Supremo Tribunal Federal (STF).

    Isto ajuda a explicar porque nenhum grão-tucano foi para a cadeia até hoje. Não há “delações premeditadas”, vazamentos seletivos, prisões arbitrárias ou escarcéu da mídia hegemonia. E alguns tucanos, mais sujos do que pau de galinheiro, seguem livres e soltos e ainda se travestem de paladinos da ética.

    A impunidade tucana é tão descarada que começa finalmente a levantar suspeitas. Tanto que o Conselho Nacional de Justiça decidiu investigar a conduta do desembargador Armando Sérgio Prado de Toledo, do Tribunal de Justiça de São Paulo.

    “Ele retardou por mais de três anos o andamento de uma ação penal contra o deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa Barros Munhoz (PSDB) para beneficiá-lo”, descreve o repórter Frederico Vasconcelos, na Folha desta terça-feira (17).

    O grão-tucano foi acusado de formação de quadrilha, fraude em licitação e omissão de informações à Promotoria quando ocupou a prefeitura de Itapira, no interior paulista. Mas ele nunca sofreu qualquer punição e hoje é líder do governador Geraldo Alckmin na Assembleia Legislativa!

    “Todos os crimes prescreveram no período em que o processo esteve com Toledo. ‘Ao longo de mais de três anos e quatro meses, não houve a prática de nenhum ato processual’, segundo constatou a Corregedoria do CNJ (Conselho Nacional de Justiça). O crime de formação de quadrilha, especificamente, prescreveu um mês antes de Toledo registrar seu voto, que foi contra o recebimento da denúncia por não atender às ‘exigências legais’”.

    Com inúmeras manobras jurídicas, todas as ações contra Barros Munhoz perderam validade. As atitudes protelatórias do desembargador Armando Toledo geraram desconfiança, mas ele nunca sofreu qualquer represália. “Magistrados sugerem nos bastidores que há uma rede de proteção para blindar Toledo”, afirma o jornalista.

    PS do Viomundo: A Operação Castelo de Areia foi sepultada no STF. A Satiagraha segue pelo mesmo caminho. O mensalão tucano em Minas Gerais não vai dar em nada, assim como a lista de Furnas. E la nave va…

     

  71. Juntando as peças desse

    Juntando as peças desse pequeno quebra-gabeças, podemos concluir que o grande interessado em quebrar o Brasil e a Petrobrás são os Estados Unidos da América. 

    A associação dos BRICS é, nos dias de hoje, a maior ameaça aos Terroristas que vivem acima do Rio Bravo.

    Entre os BRICS, o Brasil é o elo mais fraco e que possui a elite mais americanizada e mais vira-latas do planeta. Nossa elite(mídia, empresarios e escroques finacista(bancos)) é a mais prostituta que existe, sendo pior que a paraguaia, que a venezuela e outras da América Central.

    O golpe é claramente, patrocinado e incentivado pelos Estados Unidos da América e seus lambe-botas brasileiros.

    Nada de novo no front.

    A questão é : vamos enfiar o rabo entre as pernas ou peitar os sem vengonhas de sempre(FHC, PSDB, FIESP, JB, Gilmar, Sérgio Moro, a Folha, o Estadão, a Veja e outros memos falados).

  72. não é bem uma arte coletiva

    não é bem uma arte coletiva no sentido de maioria da população,

    mas um conluio de interesses nacionais e internacionais que

    querem a privatização da petrobrás e a derrocada dos governos

    progressistas como os da argentina, brasil, venezuela, equador, etc….

    aliás, vendo o vídeo sobre o snowden  no outro post de hoje, lembrei

    das invasões da nsa dos eua  aos dados da petroborás recentemente.

    teria algo a ver com a situação atual?

    a dita república do galeão do paraná com seus esquisitos

    vazamentos ilegais e ilegítimos só revela que há uma

    armação tucana e desses interesses relacionados a esses conluios.

    o advogado não sei das quantas é do psdb, o doleiro tb, amigo do álvaro dias.

    o álvaro dias tem como suplente eleito com ele para o senado

    o dono da cbn curitiba, empresário joel malucelli, a rádio que 

    repetiu infinitiamente tudo sobre a capa da veja e as peripécias

    da suposta morte de youssef no dia da eleição….

    e ninguém investiga essas evidencias…

    indícios, só há se for contra o pt, qq coisa.

  73. Os que acusam a gestão PT de

    Os que acusam a gestão PT de corrupta, de que aperelhou o Estado e enfim, de destruir o Brasil, NÃO QUEREM DE FATO ACABAR COM A CORRUPÇÃO E RECUPERAR O PAÍS. Querem SIM, ACABAR COM O  PT. Para alcançar esse objetivo, topam até acabar com a Petrobrás e de quebra, algumas outras empresas mesmo que privadas. Isto seria considerado como um dos sacrifícios da vitória (deles).

    Nem eu e nem ninguém, é ou pode ser contra os atos de combate a corrupção. Defendo, e sei que muitos brasileiros defendem, que esforços sejam empregados para que se elimine esta cultura de propina que há muito reina no país. Ao contrário de que muitos apregoam, somos favoráveis que; TODOS, eu disse TODOS, que cometeram infrações, sejam punidos na forma da lei. Nem mais nem menos.

    O que não se pode concordar e que: A caça aos infratores tenha preferencias partidárias. Que só se procure punir os infratores que pertençam ao PT ou que lhes sejam  aliados, não podemos aceitar.

    VAMOS ACABAR COMTODA A CORRUPÇÃO QUE EXISTE NO BRASIL! SEJA DE QUE PARTIDO FOR!

    Se os orgãos da imprensa brasileira assumirem esta bandeira, passarei a nelas acreditar.

  74. Bobagem.
    Num país de

    Bobagem.

    Num país de capitalismo sadio pessoas e empresas MORREM, de morte violenta ou natural, tanto faz. Das 100 maiores empresas americanas do início do Séc XX quantas ainda existem? 10? 20? 40 que sejam? E as 60 que desapareceram? Os americanos ficaram mais pobres por causa disso? Claro que não. Elas foram extintas pela seleção natural de um sistema CAPITALISTA VERDADEIRO, onde existe de fato essa coisa alienígena que se traduz em português por CONCORRÊNCIA. Se o governo fizesse apenas o seu papel de regulador de mercado e mantenedor da LIVRE CONCORRENCIA dentro de parâmetros OBJETIVOS, CLAROS e ISONÔMICOS, eu não teria que perder o meu tempo aqui escrevendo sobre o óbvio.

    Aliás, no Brasil, REVOLUÇÃO É FAZER O ÓBVIO!

    Somente em países de terceiro escalão é que as empresas são tratadas como patrimonio nacional. Patrimonio pessoal e intransferível de seus larápios fundadores e herdeiros, isso sim. Empresas mafiosas que o estado trata da mesma forma com que trata os funcionários públicos corruptos que delas se locupletam: como detentores de vantagens personalíssimas e intocáveis por obra e graça da noção grotesca de “direito adquirido”. Cada Petrossauro que tomba abre espaço para que nasçam novas espécies de petrofilhotes. O mesmo para as Construssauros. É assim que o sistema funciona e é bom que seja assim.

    Não preciso de PHD em economia pra dizer coisa tão óbvia.

    Resta saber por que motivo o blogueiro se preocupa em levantar uma lebre tão morta…

  75. Mais do mesmo: “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional”

     

    Luis Nassif,

    Recentemente, depois de observar uma quase ausência de referência ao assunto do impeachment no seu blog, eu fui na relação dos post mais lidos da semana (Que normalmente alcança mais de uma semana) verificar se aquela percepção minha seria verdadeira. Constatei que havia três posts que explicitavam o termo impeachment no próprio título. E havia dois posts em que eu pressentia que se falava sobre impeachment. Escolhi um dos dois para fazer um comentário e o enviei segunda-feira, 16/02/2015 às 18:03 para junto do post escolhido: “A Globo vai se perder por excesso de competência” de quinta-feira, 12/02/2015 às 05:08, e de sua autoria, contendo então 114 comentários. Cheguei a pensar que o post ia tratar do tema do impeachment, mas não foi o caso. Em meu comentário eu reproduzi a relação dos posts mais lidos deixando o endereço de cada um deles lembrando que deixei junto a relação a indicação do endereço no blog de cada um dos posts. A relação dos oito posts mais lidos da semana quando eu fiz meu comentário era a que se segue:

    1) “Sete informações importantes pra não pagar mico ao falar sobre o preço da gasolina” de segunda-feira, 09/02/2015 às 09:43, com texto de autoria de Sidney Braga, contendo 140 comentários (hoje já com 147 comentários) e que pode ser visto no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/noticia/sete-informacoes-importantes-pra-nao-pagar-mico-ao-falar-sobre-o-preco-da-gasolina

    2) “A Globo vai se perder por excesso de competência” de quinta-feira, 12/02/2015 às 05:08, e de sua autoria, contendo 114 comentários (hoje com 116 comentários) e como era nele que eu fazia o comentário, eu não deixei o endereço, mas que informo a seguir:

    https://jornalggn.com.br/noticia/a-globo-vai-se-perder-por-excesso-de-competencia

    3) “Impeachment já! Por Roberto Tardelli” de quarta-feira, 11/02/2015 às 15:16, com um texto crítico à ideia do impeachment feita pelo procurador Roberto Tardelli, para o site Justificando, contendo 78 comentários (hoje com 86 comentários) e que pode ser visto no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/noticia/impeachment-ja-por-roberto-tardelli

    4) “As estratégias anti-impeachment” quarta-feira, 11/02/2015 às 07:01, com texto de sua autoria e contendo 207 comentários (hoje com 209 comentários) e podendo ser visto no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/noticia/as-estrategias-anti-impeachment

    5) “A lista dos brasileiros no HSBC da Ásia atualizada” domingo, 15/02/2015 às 18:13, contendo 101 comentários (hoje com 208 comentários e ocupando a segunda colocação, deslocando os outros post para uma colocação abaixo) e que pode ser vista no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/noticia/a-lista-dos-brasileiros-no-hsbc-da-asia-atualizada

    6) “Contas secretas do HSBC paralisam o mundo, menos o Brasil” de quinta-feira, 12/02/2015 às 18:09, com chamada de Patricia Faermann para matéria no Jornal GGN, contendo 104 comentários (hoje com 105 comentários e ocupando a quinta colocação e assim ficando à frente do post “As estratégias anti-impeachment”)  e que pode ser visto no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/noticia/contas-secretas-do-hsbc-paralisam-o-mundo-menos-o-brasil

    7) “Quem avança primeiro, Dilma ou os apoiadores do impeachment?” de segunda-feira, 09/02/2015 às 16:36, com matéria de Cíntia Alves com a cientista política Argelina Figueiredo, com 113 comentários e que passou para a oitava colocação tendo em vista o surgimento como sétimo post mais visto o post “A entrevista de Fernando Haddad à Jovem Pan” de quinta-feira, 12/02/2015 às 23:01, e que pode ser visto no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/noticia/quem-avanca-primeiro-dilma-ou-os-apoiadores-do-impeachment

    e 8) “Os cenários políticos possíveis” de sexta-feira, 13/02/2015 às 20:49, de sua autoria com 121 comentários (hoje com 122 comentário) e por se tratar do post para o qual eu envio este comentário não haverá necessidade de colocar o endereço, sendo que com o surgimento do post “A entrevista de Fernando Haddad à Jovem Pan”, saiu da relação dos oito posts mais lidos da semana.

    Para completar deixo a seguir o endereço do post “A entrevista de Fernando Haddad à Jovem Pan” que atualmente ocupa a sétima colocação:

    https://jornalggn.com.br/noticia/a-entrevista-de-fernando-haddad-a-jovem-pan

    Como se vê, os três posts que utilizam do termo impeachment no próprio título do post são de mais de uma semana. Sendo que este “Os cenários políticos possíveis”, sem o termo impeachment, mas só para falar do impeachment como eu suspeitava, completa uma semana hoje. Desde então o assunto impeachment arrefeceu. E se tratava da segunda onda do impeachment, sendo que a primeira despontara logo após as eleições com a tecitura originada na postura dos ministros José Antonio Dias Toffoli e Gilmar Ferreira Mendes acusados de tramar o impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

    Pensei que o assunto iria morrer, mas hoje com um post sem dúvida bombástico você volta a baila com o tema. Trata-se do post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” de sexta-feira, 20/02/2015 às 06:00, e de sua autoria e que pode ser visto no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/noticia/a-arte-coletiva-de-destruir-a-riqueza-nacional

    Primeiro não há o termo impeachment no título do post. O que o poderia fazer passar despercebido. E no início você parece ir na direção de todos os posts quando quer demonstrar imparcialidade, acusando governo e oposição. No primeiro parágrafo do post você diz o seguinte:

    “Some-se a um governo medíocre uma oposição desvairada, uma mídia insensata, que não consegue olhar o país além dos seus próprios interesses, e se terá desenhado o mapa da insensatez, com a destruição de ativos brasileiros preciosos”.

    Uma oposição desvairada é um termo bem extremado. Às vezes eu o acuso de cometer um desvario. Um post como “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” é um desvario. Você, entretanto, não é um desvairado. E por mais diferente que seja o espaço da argumentação de um colunista com o da oposição, sendo evidentemente muito mais amplo os limites que se impõem à postura da oposição, não há porque imaginar que ela possa trilhar o caminho da incessante insensatez. Por instinto de sobrevivência ela é expulsa desse campo. Até porque o político é beneficiado com o fato de os limites da política para a argumentação serem muito amplos. O político pode acusar um governo de medíocre, de incompetente, de ruim, de incapaz. É opinião pessoal que não pode ser desmentida. Um político pode ir mais longe ainda. Como escreveu uma vez um prócer do PSDB, “Acusar o inimigo de imoral é arma política, instrumento para anular o ser político do adversário”, título de artigo, suficiente para explicar a que veio e que saiu publicado no jornal Folha de São Paulo de 17/05/2001 e que pode ser encontrado no seguinte endereço:

    http://www.cefetsp.br/edu/eso/filosofia/artigogiannottigerapolemica.html

    Às vezes o político chega ao limite como o fez o candidato derrotado à presidência da República do PSDB Aécio Neves em entrevista a Roberto D’Avilla quando disse:

    “Não perdi a eleição para um partido político, mas para uma organização criminosa que se instalou no seio de algumas empresas brasileiras, patrocinada por esse grupo político que aí está.”

    Achei essa frase no blog de Marco Aurélio Nogueira, Possibilidades da Política, no post “De crias e feridas” de segunda-feira, 08/12/2015, e que pode ser visto no seguinte endereço:

    http://marcoanogueira.blogspot.com.br/2014/12/de-crias-e-feridas.html

    Sim no campo de atuação do político há espaço para a sandice, mas esta é utilizada com intuito de impregnar no oponente a pecha de imoral. Percebida a acusação como um despautério, muitas vezes, por estratégia, o político se retrai para poder mais bem avaliar a situação e tentar domar a sua verve para transparecer lucidez até nos casos em que ele não possui.

    Um colunista é diferente. Diz seus disparates aqui e acolá, mas o faz com parcimônia e utiliza de dois critérios importantes: direciona seus despropósitos para todos os lados e os expressa de modo que não podem ser refutados. “Você é um medíocre”, acusa o colunista em desatino alucinado. Como poderá um ser humano refutar acusação assim?

    Dizeres como o do parágrafo inicial do post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional”, entretanto, tem repetido aqui no blog com uma frequência excessiva tanto durante a campanha de 2014, como no pós eleição. Assim, não foi ele que causou surpresa inaudita.

    Ao final de um texto que deveria vir em separado, pois não guardava nenhuma relação com o título do post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional”, depois de dizer que “De acordo com advogados conhecedores da política internacional” protocolo para “assinar uma convenção contra a corrupção” no Banco Mundial “não tem relevância para exigir a presença de um Procurador Geral” você diz que para esses advogados conhecedores da política internacional a presença do Procurador Geral da República seria para “apresentar-se – . . . – como um avalista, para o caso de um interregno na democracia brasileira”.

    “Ora, direis ouvir estrelas!”

    Eu quando comecei a ler o texto e observei a acusação de medíocre ao governo pensei se valia a pena demorar mais para repetir a lenga lenga que eu tenho contra o argumento de se acusar um governo de medíocre que eu sempre tomo como o argumento da falta de argumentação ou da soberbia. Medíocre somos todos nós, os seres humanos. Dizer isso, como demonstração de humildade é pedantismo pretencioso ou cinismo hipócrita da qual não vejo como evitar. Dizer em posição de superioridade é soberba vaidade, de quem não se quer imiscuir-se com a ralé ignara e rude. Bem, no teclado eu tenho me repetido tanto que fica melhor deixar um link para o post “Ode aos medíocres” de sexta-feira, 26/12/2014 às 10:16, aqui no seu blog e de autoria de Sergio Saraiva e que pode ser visto no seguinte endereço:

    https://jornalggn.com.br/blog/sergio-saraiva/ode-aos-mediocres

    E o texto de “Ode aos medíocres” pode também ser visto no blog de Sergio Saraiva “Oficina de concertos gerais e poesias” no seguinte endereço:

    https://concertosgerais.wordpress.com/poesia-3/

    Embora o título fosse de um poema e o texto não era em estilo de prosa, não podendo acusar Sergio Saraiva nem da humildade cínica nem soberbia vaidosa, não procurei ler o texto de Sergio Saraiva como uma poesia e por isso as minhas considerações sobre o termo. Fiz mais um alerta, no sentido que Sergio Saraiva percebia a nossa condição de medíocres, mas relutava a aceitar os nossos atos eivados de mediocridade.

    Então é isso, uma semana depois você busca ressuscitar o assunto do impeachment, na tentativa de criar uma terceira onda e o faz de modo violento, ao acusar o PGR de ser o garantidor da República “no caso de um interregno na democracia brasileira”. E o pior é que você acrescentou no espaço entre travessões uma frase medonha. O PGR apresentou-se como garantidor da República “para o caso de um interregno na democracia brasileira”, “perante o governo Obama, em princípio contra qualquer disrupção da ordem democrática”.

    Interessante que se viesse sozinho o trecho “perante o governo Obama” seria cabuloso. Mas o temor medonho que o trecho me acometeu, arrefeceu com o meigo e tenro complemento que você deu a Obama: “em princípio contra qualquer disrupção da ordem democrática”. Será apenas um mero interregno, quem sabe!

    Esse papel do PGR parece que foi retirado do que aconteceu na Argentina com o procurador que não era geral Alberto Nisman. Em 31/01/2015 o New Yorker publicou a reportagem “What Happened to Alberto Nisman?” e de autoria de Jonathan Blitzer e que pode ser vista no seguinte endereço:

    http://www.newyorker.com/news/news-desk/happened-alberto-nisman

    É impressionante a concisão do texto de Jonathan Blitzer e eu reproduzo um parágrafo em que ele parece dizer tudo (Não acompanhei muito os jornais no mês de janeiro e fevereiro e pode ser que algo semelhante tenha sido publicado na imprensa brasileira, embora eu pelo que eu conheço da nossa imprensa tenho a impressão que não):

    “This theory that Stiusso was somehow directing Nisman’s investigation is riddled with conjecture. But the notion that Nisman was a kind of cipher for Argentine and foreign-intelligence operatives has its roots in certain demonstrable facts. Diplomatic cables released by Wikileaks reveal that Nisman obsessively consulted with the American Embassy. He went to the Embassy with advance tips on his investigation, he shared knowledge about judges’ leanings, and he showed Embassy officials drafts of his arrest orders and made revisions based on their comments. In October, 2006, Nisman formally accused Iranian officials and a Hezbollah operative of orchestrating the AMIA attack. U.S. Embassy representatives told Nisman that they were “convinced” his case was solid, and “congratulated” the Argentine prosecutors for their “dedication.” Some of the same cables refer to U.S. efforts to impose international sanctions against Iran for its nuclear program, a campaign that the Argentine government joined at the United Nations”.

    Este parágrafo que é o ultimo da segunda parte do texto diz muito sobre o procurador Alberto Nisman. Interessa-me aqui as três primeiras frases e duas palavras da terceira frase. Transcrevo-as a seguir o trecho que me interessa com a tradução do tradutor do Google:

    “Esta teoria de que Stiusso de alguma forma dirigia a investigação de Nisman é cheia de conjecturas. Mas a noção de que Nisman era uma espécie de cifra para agentes de inteligência argentinos e estrangeiros tem suas raízes em certos fatos demonstráveis. Telegramas diplomáticos divulgados pelo Wikileaks revelam que Nisman obsessivamente consultou a Embaixada Americana.”

    As duas palavras são “Wikileaks” e “obsessivamente”.

    Quem entrar na internet com Nisman e Wikileaks vai espantar de ver quantas vezes ele aparece na embaixada americana. Não era uma presença como a do nosso ilustre comentarista Andre Araujo, ou Motta Araujo. Uma presença que engrandece o Andre Araujo. Além de ser uma presença que fazia Alberto Nisman pequeno, há ainda, pesando sobre a presença dele, a palavra que Jonathan Blitzer utilizou para de certo modo expressar ou traduzir o comportamento de Alberto Nisman: “obsessivamente”.

    O PGR não teria sido obsessivo apresentando-se como fiador “para o caso de um interregno na democracia brasileira”, mas se o fizesse seria decerto pequeno por fazê-lo “perante o governo Obama, em princípio contra qualquer disrupção da ordem democrática”.

    Então, um assunto que eu imaginava morto renasce. E renasce com trombetas. E os cenários que você divisa neste post “Os cenários políticos possíveis” ficam muito estreitos. O governo da presidenta Dilma Rousseff é medíocre e pela própria natureza humana não há como proceder a uma mudança. Assim o “Cenário 3: Dilma com mudança” é um fantasioso sonho idílico fruto de uma concepção idealista de governo, Estado, capitalismo e democracia que só se imagina possível na fértil mente durante uma noite de um delírio onírico.

    E o “Cenário 2: Dilma sem mudanças” que seria o provável dada ao ridículo da idéia do impeachment, agora é certamente a única via possível e com a tutela do PGR e do presidente do auspicioso país do norte.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 20/02/2015

    1. Retificando o erro de endereçamento do comentário meu acima

       

      Luis Nassif,

      Enviei meu comentário acima e que consta ter sido enviado sexta-feira, 20/02/2015 às 20:59, equivocadamente para junto deste post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” de sexta-feira, 20/02/2015 às 18:39 (A bem da verdade o seu primeiro horário era 06:00), de sua autoria quando a intenção mesmo era o enviar para o post “O cenários políticos possíveis” de sexta-feira, 13/02/2015 às 06:00, também de sua autoria. Quando me dei conta do engano, enviei o comentário para junto do post “Os cenários políticos possíveis”, que era para onde ele deveria ter sido enviado originalmente.

      Não foi tão inconveniente o equívoco porque não só redigi o comentário pensando no post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional”  como pretendia posteriormente colar meu comentário aqui junto a este post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional”. A bem da verdade houve só um inconveniente uma vez que era minha intenção ao colar o comentário aqui no post “A arte doletiva de destruir a riqueza nacional”, fazer as alterações de praxe para evitar a redundância e que era a repetição do endereço deste post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” , repetição que não pode mais ser corrigida e a falta de endereço do post “Os cenários políticos possíveis” e para o qual deixo o link a seguir:

      https://jornalggn.com.br/noticia/os-cenarios-politicos-possiveis

      Bem, mas o que me admirou mais foi ver como o post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” de repente apareceu como um post com muitos comentários. Quando terminei de escrever o comentário que deveria ser endereçado para o post “Os cenários políticos possíveis”, este post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” estava com 136 comentários. Hoje, 21/02/2015, por volta das 11:30 já se tem quase 180 comentários.

      É a sina dos posts sobre impeachment. E são construídos sobre nada. Na blogosfera, entretanto se tornam o principal instrumento que os blogueiros possuem para atrair leitores. E comentaristas. Ontem à noite, ainda vi um post pior. Trata-se do post “Manifesto em defesa da legalidade” de sexta-feira, 21/02/2015 às 18:39, e que pode ser visto no seguinte endereço:

      https://jornalggn.com.br/noticia/manifesto-em-defesa-da-legalidade

      Não é de se estranhar que o post “Manifesto em defesa da legalidade” surgido na tarde de ontem, 20/02/2015, já tenha, antes do meio dia de sábado, 21/02/2015, mais comentários do que o post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” e que lhe era mais de 12 horas anterior. Aliás muitos comentaristas do post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” migraram para o post “Manifesto em defesa da legalidade” que tem como único benefício negar o que apareceu aqui neste post “A arte coletiva de destruir a riqueza nacional” totalmente fora de lugar. Trata-se da idéia do PGR se apresentar nos Estados Unidos como garantidor de um interregno democrático no Brasil. No novo post “Manifesto em defesa da legalidade” a história a respeito do PGR é outra. O PGR teria ido aos Estados Unidos para “impedir excesso de declarações da força tarefa”

      Em meu entendimento, o “Manifesto em defesa da legalidade” tem um pouco o dedo da campanha “Volta Lula”. Não sou contra Lula, mas reconheço que sou mais pró Dilma do que pró Lula. Agora, a campanha do “Volta Lula” foi um desserviço que alguns da esquerda fizeram ao Brasil. Esse manifesto pareceu-me do mesmo tamanho. Dez manifestos desses girando o país durante seis meses cada um e em sequência não conseguirão o mesmo número de assinaturas que o número de votos com que a presidenta Dilma Rousseff foi reeleita. Se a votação da presidenta Dilma Rousseff não for suficiente para impedir que o prosseguimento da campanha contra a Petrobras destrua a Petrobras e impedir o êxito da campanha do impeachment, então não há porque fazer um ou dez manifestos que terão muito menos peso de convencimento da sociedade.

      Não tem uma boa compreensão da realidade as pessoas que assinam um manifesto assim. A campanha contra a Petrobras vai perdurar por um bom tempo. E muito mais grave do que a campanha contra a Petrobras é a dívida que a empresa possui. Quanto a dívida com a ajuda do país, a Petrobras resolve, mas a ajuda só pode ser concedida em uma situação favorável para o governo e após ter a Petrobras se livrado dos principais focos de corrupção. A campanha pelo impeachment está na “boca de Matilde” e não serão manifestos aqui e acolá que vão tirar a campanha da “boca de Matilde”. Agora, tão logo a economia voltar a se recuperar, o máximo que Matilde conseguirá será engasgar com a campanha.

      Sempre vi com resistência a campanha do “Volta Lula”. Via na campanha ingênuos e pessoas de má-fé. É bem verdade que o Manifesto é mais em favor da Petrobras. Isso, entretanto, só serve para incluir pessoas que talvez não fizessem parte do “Volta Lula”. Fora os que assinaram os manifestos no espírito de se opor a uma campanha contra a Petrobras, certamente se vai constatar que a maioria é do grupo do “Volta Lula”. Uma pena que ninguém tenha se preocupado em relacionar os nomes das pessoas que ficaram a favor do “Volta Lula”. Seria uma tarefa que deveria ter sido feita durante a campanha. Em minha avaliação, quem patrocinou a campanha do “Volta Lula”, além dos que agiam de má-fé porque pretendiam utilizar a couraça protetora do carisma de Lula para esconder seus mal feitos, foram pessoas sem muito tirocínio político e de fácil manuseio pelas pessoas de má-fé. Conhecer quem compõe os dois grupos seria uma informação tão importante como saber quem tem conta no HSBC da Suíça. Aliás quem tem conta não declarada no HSBC na Suíça só tem interesse para a Receita Federal e para o Ministério Público se ficar comprovada a sonegação de imposto ou a lavagem de dinheiro. E quem apoio a campanha “Volta Lula” precisa ser conhecido de todo eleitor que quer dar o voto com o máximo conhecimento sobre a realidade política.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 21/02/2015

  76. A lua de mel do aécio!…

    Ah! Aécio, você falando de propina de Pedro Barusco?… Se a investigação fosse séria, você não manteria a cara de pau. ….

    Pedro Barusco era diretor operacional da Sete Brasil, controlada pelo BTG, que pertence ao ultra-tucano Andre Esteves, o mesmo que pagou a viagem de lua de mel para Aécio Neves em Nova York. – See more at: http://www.ocafezinho.com/2015/02/06/a-lava-jato-a-luz-de-hannah-arendt/#sthash.U84E8V2r.dpuf 

  77. Saímos da impunidade para o

    Saímos da impunidade para o vale tudo quando atinge adversários políticos. Esta atitude da justiça em paralisar estas grandes empresas produz quebras de contratos em cascata, tanto com o setor público, quanto em toda a cadeia produtiva.

    Se reclamamos que exportamos basicamente commodities, no momento que iniciamos o movimento de fortalecer a indústria nacional de bens de capital, por obtusidade senão má intenção mesmo , condenamos o futuro estratégico para o estado brasileiro no desenvolvimento de tecnologia própria , a geração de novos empregos aos nossos jovens na fila e os milhares de trabalhadores diretos e indiretos a pagarem pelo erro de alguns.

  78. Tudo muito obscuro e subterrâneo …

    O mais grave de tudo, é a ida de representantes do MPF aos Estados Unidos sem nada que justifique tal visita. Isso sim merece ser apurado. Por outro lado, é tudo muito obscuro, subterrâneo esse mundo dos negócios. Os empresarios devem mobilizar  os meios necessarios para defender seus ativos e tudo que foi construido ao longo de tantos anos. Mas ao inves disso, continuam agindo nas sombras, sempre nas sombras. Por que não denunciam os desmandos da midia e da republica do Paraná? Aqui, ali, algum advogado se manifesta de maneira isolada e as vezes anônima, mas não passa disso.  Que tipo de acordo estes empresarios estão costurando com a oposição ou com o governo, diante do golpismo galopante que ameaça o país???? 

  79. Punir todas?

    Para não ficarmos nesta discussão sem fim…separemos as empresas em 2 grupos: o primeiro com as empresas que tiveram lucro com o Petrolão….no segundo as apenas as que tiveram executivos corrompidos( mas não lucraram….). Para o primeiro grupo multa, fim dos contratos, fim do crédito BNDES…. Para o segundo processo, multa….para os executivos

  80. RESPONSABILIZAR EMPRESAS P/ CRIAR NOVA CULTURA DE GESTÃO ÉTICA

    RESPONSABILIZAR EMPRESAS P/ CRIAR NOVA CULTURA DE GESTÃO ÉTICA

    A responsabilização das empresas e não só de pessoas, conforme previsto na lei anticorrupção, visa estimular uma nova cultura empresarial, um novo jeito de fazer negócios, que estimule TODOS os funcionários, parceiros, etc. a fazerem a coisa certa, ao invés de encarar a via da corrupção como via normal.

    Se apenas se responsabilizar pessoas, outras virão repetindo o mesmo procedimento (vícios enraizados), porque a cultura estimula: é nosso jeito de fazer as coisas por aqui, sempre foi assim!!!!!!

    Deve-se portanto responsabilizar as empresas e , por outro lado, encontrar caminhos que utilizem a tecnologia e knowhow de modo a não jogar fora o bebe com a água suja do banho.

    Pode-se por exemplo criar novas empresas juntando-se tecnologias e recursos de várias delas, como já ocorre em processos de fusão, grandes alianças, etc. Enfim, gerar soluções com visão proativa

    É importante examinar o caso de empresas internacionais envolvidas em grandes escândalos e seus destinos, como a Enron e a própria A. Andersen (atual Accenture)

     

  81. PF, MPF, PGR, STF não estão

    PF, MPF, PGR, STF não estão preocupados com os sonhos das pessoas e os projetos que dependem da manutenção das empresas, porque estão comprometidos com estratégias maiores que as descritas acima: a dimensão delas para o desastre do governo.

    Portanto, o abismo que eles estão jogando o Brasil é a realidade que mais importa investigar. Pior ainda deixa eu te dizer; quebram os princípios elementares de que o país é feito de pessoas e empresas que pagam o emprego deles para garantirem a suas seguranças em TODOS os aspectos. 

    Afinal, o direito de milhares de pessoas trabalhar e a concessão de produzir corrompem a legalidade, ou estão sendo violados inconsequentemente?

     

  82. Esquerda e militares

    Continuo a achar que a esquerda, em especial o segmento dela que está no governo, tem de se aproximar dos militares. Isto poderia ter sido iniciado com a designação de um militar para a presidência da Petrobras. Uma oportunidade excelente foi perdida.

    Dilma é a comandante em chefe das organizações militares e tem de exercer este comando em favor da governabilidade e da estabilidade democrática.

    As razões da necessidade deste movimento são óbvias, e a aproximação precisa acontecer com urgência.

    (Para confrontar estes bundões do PSDB, DEM e PPS que estão a pôr fogo no país – corremos risco de guerra civil – os militares são necessários, e estão aí para isto mesmo, garantir a governabilidade e a democracia)

    1. Ramalho, que bom que você apareceu! Infelizmente,
      eu não contaria com eles! Os Ministros, talvez! Mas as Forças, duvido e não creio em obediência à hierarquia caso se configure o pior. Acho mesmo que os ressentidos e apontados pela CNV estão nesta. Escondidos para não confrontarem os QGs, mas articulados e atuantes. Por onde andam seus representantes? Caladissimos; estranhamente quietos. Sua atuação é sempre barulhenta e agressiva; por onde andam?.

      Também não acredito – e claro, não desejo – que haja confronto. Simplesmente, vejo uma capitulação geral.

      Se o governo não se defende, como poderíamos defendê-lo? Apareceu alguém para dar um soco na mesa e dizer: acabou a brincadeira! ??

      Qualquer manifesto a meu ver é tardio e inócuo. Sem uma ação firme de quem tem o poder investido constitucional e institucionalmente, esquece.

  83. Ganhou quanto mil dolares por
    Ganhou quanto mil dolares por esse artigo, seu lixo? Cuidado que sua casa pode cair tb, é só darem uma investigada em quem te financia. Derrubaram Collor por um fiat Elba, queriam derrubar FHC pelas privatizações bem sucedidas…Agora derrubar a Dilma com o maior escandalo de corrupçao do País, com o agravante de ter sido presidente do conselho da Petrobrás à época dos crimes é golpismo???Vendido.

    1. Parece coisa de comunista

      Rodrigo Teixeira,

      O artigo que fez você perder a compostura e excretar dejeto a título de comentário não denota ter um lado que não seja o dos que querem o bem do Brasil. O artigo critica governo, oposição e mídia, não tendo, portanto, viés político-partidário, e não sendo tampouco arremedo cultural dos alugados aos donos da imprensa familiar (os alugados, “jornalistas”, “artistas” e “especialistas”, são os que venderam suas opiniões, julgamentos e outros valores aos donos da imprensa marrom brasileira, também chamada de “grande” mídia). Não se vê no artigo os bordões vazios e mentirosos produzidos nos porões da “grande” imprensa marrom, bordões aos quais pessoas de poucas luzes se agarram como tábua de salvação, como o de que os blogs independentes seriam “comprados”, maneira suja de fugir do debate por meio da falácia ad hominem. Em seguida, o artigo critica a esquerda e a direita por serem culturalmente antiempresariais. E critica a “punição” de empresas, no que, também, tem toda a razão: empresa não é ente com atributo moral, as pessoas que a compõem é que têm tal propriedade. As empresas não podem, por isto, ser julgadas e eventualmente punidas moralmente, embora os que as constituam, as pessoas, possam e devam quando couber. Ademais disto, o que move o Brasil são as empresas. Puni-las condenando-as à morte como querem fazer é condenar à morte também a soberania, o desenvolvimento e o bem-estar brasileiros. Defender a sobrevivência das empresas brasileiras é, portanto, ato de bom-senso, tanto do ponto de vista da ética, quanto do ponto de vista da praticidade. Assim, se nesta questão há alguém comprado, é quem é contrário à sobrevivência das empresas, como parece ser o seu caso, pois ser contra as empresas é ser contra o país, e ninguém é contra o próprio país se não for comprado além de ser traidor, um lesa-pátria. Além disto, é claro, ser contra as empresas é manifestação clara de burrice.

      O ataque às empresas brasileiras, especialmente às empresas privadas nacionais, deve estar sendo altamente elogiado nas rodas comunistas, pois aniquila os instrumentos produtivos da burguesia do país, embora os comunistas provavelmente reconheçam também que a aniquilação ajuda a levar o país de volta à fase de colônia. As ações contra as empresas brasileiras são coisas de testa de ferro de empresa estrangeira, de entreguista, de traidor da pátria, de vendido, ou de comunista. Em qual caso você se enquadra?

      Ramalho.

      1. Ramalho, em qual caso?
        Em todos simultaneamente! Discurso pronto; compilação de frases de efeito, pitadas de ódio e medo e chega-se ao comentário lamentável deste Sr.

        Este pessoal tem muita sorte. Fosse eu o Nassif, já teria fechado o Blog a esta turba desrespeitosa. Discordar, ok. Mas agressão e papo de mesa de bar, não tenho paciência num momento como este, grave. Quem estiver atrás disto, há repasto abundante no FB.

    2. Não tenho procuração do

      Não tenho procuração do Nassif,mas não precisa ser tão agressivo.Voce acredita que derrubaram o Collor só por um Fiat Elba ?

  84. Empresas são meio para os políticos

    De fato os anos de penosa sucessão do desenvolvimento do capitalismo brasileiro sempre teve como pano de fundo a mistura – nem sempre –  saudável entre estado e empresas.

    Porém, o momento atual mostra alguns pontos mais “avançados” da cultura política nacional. O fato hoje é que as empresas são meios para os políticos e os políticos viraram fins para as empresas. E o drama fica pior quando observa-se o capitalismo americano (mesmo com uma grande selvageria) onde o governo trabalha para as empresas. Qualquer posicionamento realizado, sejam guerras, golpes de estado e outros, leva em conta interesses comerciais.

    Creio que o Nassif foi polido em taxar o governo Dilma de governo medíocre. O fato é que onde ela colocou a mão como Presidente, exceto os aeroportos, a coisa não andou ou, piorm degringolou.. Por exemplo, testemunhamos fusões (a frio) de empresas com jfinanciamentos  subsidiados pelos impostos do povo cujo o proprietário mandava a noiva experimentar o vestido de noiva em Paris com jatinho particular. No campo político, testemunhamos a senilidade do PSDB e a absoluta falta de arejamento de homens e ideias do PT.

    Enfim…faltam lideres e falta visão de futuro. De todo este caldo, isso é que mais me preocupa.

     

     

     

  85. “Esse sentimento obtuso de

    “Esse sentimento obtuso de “punir” empresas …” 

    O maior escândalo dos EUA exntinguiu a gigante Enron e quebrou a A.Andersen, que se reinventou como Accenture. Vida que segue, lições aprendidas.

    No Brasil, seguindo padrões internacionais, aprovou-se a primeira lei anticorrupção empresarial após as manifestações populares de junho de 2013 e agora vamos dar um jeitinho????????

    A Lei Anticorrupção nº 12.846/2013  entrou em vigor no final de janeiro de 2014

    O relator do projeto de lei de 2010 (gestão Lula) que trata da punição das empresas foi o deputado  Zarantini do PT .

    O Congresso e o Governo (gestão Dilma) aprovaram/criaram, a primeira lei anticorrupção empresarial do Brasil e no momento de aplicar rasga-se a dita cuja?

    Somos um país sério, agindo assim?

     

    https://www.youtube.com/watch?v=Dl8lwdncUAM

    Deputado Federal Carlos Zarattini fala sobre a Lei Anticorrupção nº 12.846/2013

    Lei Anticorrupção nº 12.846/2013 enviada pelo ex-presidente Lula ao Congresso em 2010 e relatada pelo Deputado Zarattini até a aprovação e sanção da Presidenta Dilma em 2013.

     

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12846.htm

    Presidência da República –Casa Civil –Assuntos Jurídicos

    LEI Nº 12.846, DE 1º DE AGOSTO DE 2013.

    Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências

     

    http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=466400

     

  86. ainda bem que o artigo admite teoria conspiratória

    ainda acredito q o governo Dilma surpreenderá.Jà achar um governo medíocre,em seu início(ainda q seja 2º mandato)vale p/ alerta,mas ser tão taxativo,assim,é desesperança demais.Com um Unger e provavelmente ela com assessores dos quais provavelmente nunca ouvimos ou vimos (acredito),suponho estarem a par disso tudo e vir com medidas anticorrupção e efetiva fiscalização.E pensar ou ver tanto pessimismo e acusação (p/alguns participante)é quase entregar os pontos.Em um programa de entrevista “Diálogos”(talvez no site do programaele haja ou no youtube)Unger compara com países semelhantes (os ditos emergentes)e afirma enfaticamente q a corrupçao não é maior no Brasil em relação àqueles páises (governos).O lema Educação espero q venha,aos poucos,tornar-se realidade,e não discurso(muita fé ou ingenuidade?)

    1. PS – não votei em Dilma no 1º turno

      em Luciana. Suponho que, mesmo assim, teria mais pessimismo pra me manifestar. Ao contráiro, sou mais otimista – como já cansei de repetir por aki) do que petistas ou simpatizantes roxos, roxissimos, quasse religoosamente roxos, o que é meio caminho pra rapidamente vir a decepção ou tomar uma reviravolta e virar um PPS ou DEM da vida, fazendo, sem querer, coro com eles. Não votaria em Luciana se achasse risco em Dilma perder, mas quase perdeu  o que importa é que ganhou com militância por demais otimista (Por que Apóio Dilma,lendo-o com mais atenção,já se viam receios).Cair do cavalo agora, não seria a miopia de crentes demais? Ainda tão cedo?

  87. Infecção crônica, gangrena, amputação e penicilina

    Observei que alguns defendem a condenação das empreiteiras (o que no caso pode levar à sua destruição) e não seus representantes malfeitores. Dão exemplos, como a Enron, A.Andersen, etc. Há outras como a MCI-Sprint-Worldcom, Siemens, Thomson e mesmo financeiras (HSBC, Fannie Mae/Freddie Mac, Goldman Sachs, AIG, Lehman Bros. Banca del Vaticano e outras tantas pelo mundo.

    Confundem Empresa corupta (ex. Enron ou MCI) com corrupção em empresas. Desprezam também a existente divisão capital-trabalho e confundem a pessoa jurídica societária (que controla a empresa) com a empresa de fato, que é movida por muito mais do que seus sócios e executivos por eles nomeados, esquecendo do know-how e do suor que movem a OPERAÇÃO da empresa e seus RESULTADOS.

    Antes de entrarmos no mérito desta discussão, suponho que todos reconhecem que o prejuízo para o país com a eventual quebra ou paralisia destas empresas é imensamente maior não só economicamente como socialmente, do que a corrupção praticada por elas, algumas sabidamente já desde a construção de Brasília nos anos 1950.

    É comum na opinião do pensamento conservador notarmos todo tipo de simplificação, binarismo, emoção nivelatória encontrável até no comunismo, esquecendo que a sociedade, a economia e a política são extremamente complexas, sofisticadas e recheadas de interesses diferentes, embora justos (e outros injustos, no sentido da esperteza ou do privilégio).

    Nos casos de corrupção, que existem no mundo inteiro e em níveis epidêmico-culturais no Brasil, se empresas a pessoas, no público e no particular, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença (não, não estou falando de casamento), precisamos avaliar as caracte´risticas envolvidas, como em QUALQUER ANÁLISE QUE SE PREZE.

    Tentando simplificar:

    A Enron era corrupta por orientação (e no caso, para benefício) dos seus comandantes. Vamos categorizá-la como AA, significando capital Aberto e corrupção Consciente em seu comando (board/executivos).

    A Petrobrás tinha alguns corruptos dentre seus 80 mil funcionários. Será aqui a categoria MI, de capital Misto e corrupção Inconsciente.

    Boa parte das empreiteiras é Familiar (limitada ou SA de capital fechado), de corrupção Consciente, cat. FC.

    Há ainda os corruptos independentes, que são aqueles que usam de seu poder delegado de decisão (como o “enojado” Costa e Barusco) para enriquecimento pessoal

    Em todas, há uma coisa em comum: milhares de funcionários que, se não compõem a empresa em seu capital societário, a compõem em todo o resto, em sua capacidade OPERACIONAL, como know-how e trabalho necessários a seus resultados.

    A própria corrupção (corromper negócios) não é apenas pública mas privada ou combinada, e tem várias categorias, da oportunidade de desvio interno ou externo ao roubo puro e direto.

    Na Enron e MCI, os próprios funcionários e fundos de pensão foram “roubados”, com prejuízos e processos que ainda persistem contra os seus dirigentes beneficiados. O mesmo se dava na banca financeira, com milionários (e discricionários) bônus para os “eleitos”. Nas hipotecárias(FM/FM) beneficiavam também os clientes amicci, numa ampla troca de favores e tráfico de influência.

    Temos também a corrupção legalizada das empresas de lobby, que geram pagamentos de campanha dos congressistas que deveriam representar o “We the People”, mas acabam representando apenas os (piore)s interesses de seus patrocinadores, em cadeiras de aluguel. Tudo num mar de absurdos enriquecimentos EM REDE e um mar de facilidades para caixa 2 e evasão de divisas e impostos para refúgios fiscais. Como o” We the People” deixa de ser representado (e passa a ser enganado), é óbvio que isto é corrupção do mais alto nível.

    Embora o padrão de vida mais elevado e bem distribuido possa diminuir os índices de corrupção em países ditos desenvolvidos, o fator desregulamentação “desregrada” e legalização de atividades como o lobby e outras, mascaram ba parte da sua corrupção como mera atividade econômica “normal” (legal, mas imoral, para não reafirmar: corrupta!). Tal como nossos juros pornográficos, que um dia se pretenderam até inconstitucionais…

    Nem mesmo os mais intensos papas do neoliberalismo aceitariam a designação de empresas como aliburton, BlackWater e similares, todas “legais”, mas certamente não representando nada além de poucos interesses particulares contra o interesse de seus proprios povos, além dos subjugados.

    Nunca na História da democracia, um Congresso eleito pelo “povo” e representando sua constituição que começa com “We the People”, se pensou que um grupo cheio de estelionatários fosse lhes impor uma decisão de tirar (inicialmente) dinheiro do “People” (uma “merreca de 0,7 trilhões de dólares ou cerca de 2 trilhões de reais) para dar a eles mesmos, com condições explícitas inacreditáveis como “não poder recorrer à Justiça” ou sequer dar indícios de onde seria usada esta montanha de dinheiro público, (que logo depois de autorizado, foi para os bolsos destes mesmos estelionatários em forma de milionários bônus). Tudo complementado por uma desregulamentação financeira que chegou ao nível de quase nenhuma.

    Se isto não for entendido como crrupção, caixa 2, festa cm dinheiro público e inconstitucionalidade explícita, é melhor viajar com Alice para o país das Maravilhas.

    Portanto, há muito mais entre o Céu e a Terra do que uma tosca e simplória classificação emocional de é corrupto ou não é corrupto! E pau nos que forem, custe o que custar

    Se considerarmos os facilmente constatáveis nefastos efeitos da desconstrução da capacidade (e capital) nacional de projeto e construção (reconhecida até no exterior) por este medíocre e emocional critério, estaremos sendo tão inteligentes quanto amputar braços e pernas por feridas graves que podem ser tratadas com penicilina.

    Por uma corrupção de 300 milhões (muito alta para) um enojante diretor, um reincidente doleiro e mais alguns outros, daremos um prejuízo de centenas de bilhões ao país, a sua maior empresa, a inúmeras obras  infaestruturais pelo país, de estratégico interesse sócio-econômico e mesmo de competitividade e desenvolvimento (portos, ferrovias, energia, etc.). Gerar desemprego, quebras de empresas em cadeia desde as gigantes até os pequenos fornecedores. Sucateamento de know-how?

    O papel da Justiça é processar crimes e seus autores, não tomar ações e decisões politico-econômico-estratégicas que afetam fortemente o país, de forma discricionária, para não dizer arbitrária..

    Seu papel, que está longe de ser feito com competência, bom senso, discrição e isenção, não é o medieval e carniceiro amputar, mas contribuir para sanear, curar, com apropriados antibióticos.

    Não à machadadas e cuteladas.

    Que no caso, sequer rescendem a querer curar alguma coisa.

  88. por falar em riqueza

    por falar em riqueza nacional,

    um dos asepctos a serem mais cuidados é este, cultural, educacional.

    1. por que eu vou estudar direito se eu sei que se passar num  teste

    e for um engavetador geral do ministério público eu vou me dar bem?

    2. de que adianta me dedicar, suar a camisa, por uma empresa,

    se eu sei que algum dia um delator premiado-premeditado irá

    delatar-me sem que eu tenha direito aà defesa?

    3. por que eu vou estudar  jornalismo, literatura,  semiótica e o escambau,

    se eu sei que basta ser fundamentalista, tomar uma só posição

    a favor do patrão e de seus interesses para que eu me dê  bem,

    sei que, com todas essas distorções,  vou vencer na carreira, mesmo que meio polvorenta?

     

  89. Email para envio de material

    Eu gostaria de enviar um email para o Nassif. É um material sério que eu compilei sobre a Globo. Nada que não se saiba, mas que traça um retrato amplo do grupo. 

    Assim, gostaria de obter um endereço de email para o qual enviar o material.

    Um abraço a todos e parabéns pelo excelente trabalho que realizam em benefício do país.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador