Léo Índio é exonerado de cargo no Senado Federal

Sobrinho de Jair Bolsonaro foi demitido do cargo de assessor da liderança do PL por não aparecer nos horários de expediente

Léo Índio (esq.), e o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Facebook

Leonardo Rodrigues de Jesus, o sobrinho do presidente Jair Bolsonaro conhecido como Léo Índio, foi exonerado nesta semana do cargo de assessor da liderança do PL (Partido Liberal) no Senado Federal.

Primo de Flávio, Eduardo e Carlos Bolsonaro, Léo Índio ocupava o cargo de auxiliar administrativo júnior e recebia R$ 5.735,93 mensais desde dezembro de 2021.

Ele foi à Brasília após a eleição de Bolsonaro, em 2019, e foi assessor do senador Chico Rodrigues (DEM) até o parlamentar ser flagrado com dinheiro na cueca.

Pré-candidato ao cargo de deputado no Legislativo do Distrito Federal, Léo Índio foi demitido por não aparecer no Senado Federal durante os horários de expediente desde a primeira semana de março.

Segundo a jornalista Juliana Dal Piva, do portal UOL, o sobrinho de Bolsonaro frequentava pouco o Senado e, durante sua breve passagem, chegou a levar uma caneca com a inscrição “cloroquina” em sua mesa.

Leia Também

Braga Netto liga voto auditável à realização das eleições

“Gritaria dos descontentes” não vai impedir posse dos eleitos em outubro, diz Alexandre de Moraes

Bolsonaro não impedirá levante de bolsonaristas em derrota nas eleições

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador