Caso confirmado, Kassio pode julgar casos dos Bolsonaros no STF

Juiz federal também poderá assumir papel decisivo dentre aqueles que se mostram contrários aos métodos da operação Lava-Jato

Kássio Nunes Marques, o indicado de Jair Bolsonaro para o STF. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O nome indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal (STF) pode assumir papel decisivo no movimento contrário aos métodos da Operação Lava-Jato e que prioriza a presunção de inocência dos investigados.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o juiz federal Kássio Nunes, apontado pelo presidente para suceder o decano Celso de Mello, é apontado como uma peça fundamental para esvaziar os poderes de investigadores que atuam em instâncias anteriores.

Caso seu nome seja aprovado na sabatina do Senado Federal, Nunes chegará à Corte com o apoio dos centrão, grupo onde diversos políticos estão na mira da Justiça.

Mesmo que ele não integre a Segunda Turma da Corte – responsável pelo julgamento das ações penais de políticos envolvidos na Lava-Jato, e que tenham foro especial -, o novo ministro deve ser decisivo para a absolvição ou redução de pena de políticos.

O indicado por Bolsonaro deve herdar processos que incluem a investigação contra o próprio presidente, por conta de supostas interferências na Polícia Federal, além do caso do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) – a Corte irá decidir se o filho do presidente terá foro especial depois que o Ministério Público do Rio de Janeiro, que investiga o esquema da “rachadinha”, questionar decisão do Tribunal de Justiça fluminense que tirou o caso da primeira instância.

Se o STF confirmar tal benefício, a tese de anulação das provas colhidas durante a investigação da “rachadinha” vai ganhar força. O esquema que envolve o filho do presidente seria operado por Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio na Assembleia do Rio.

 

Leia Também
Com atuação irresponsável de Salles, Bolsonaro junta Meio Ambiente e Agricultura
JN desta sexta: desinformação sistemática e calhordice, por Eliara Santana
Ministério da Mulher patrocinou anúncios em canais religiosos, desinformativos e investigados
Para criar renda básica, Bolsonaro quer reduzir beneficiários do abono salarial

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora