Desembargadora aponta “provas abundantes” contra Crivella

Evidências colocam prefeito do Rio de Janeiro como líder de organização criminosa; delação premiada de doleiro apresenta "riqueza de detalhes” sobre esquema

Marcelo Crivella (Republicanos-RJ), preso por integrar esquema de corrupção no Rio de Janeiro. Foto: Marcos Corrêa/PR

Jornal GGN – A desembargadora Rosa Helena Penna Macedo Guita não só apontou a existência de “provas abundantes” contra o prefeito afastado do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), como ressaltou que elas o colocam como líder de uma organização criminosa que desviam recursos públicos.

A manifestação consta de ofício de 11 páginas elaborado por Rosa Helena e encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça (STF) após o pedido de explicações por parte do presidente do STJ, Humberto Martins.

A desembargadora explica que o doleiro Sérgio Mizrahy apresentou “riqueza de detalhes” ao explicar o esquema durante sua delação premiada – além de operadores, o grupo reunia integrantes da administração municipal, empresários e pessoas físicas e jurídicas que atuavam como “laranjas”.

Mesmo sem ligação com a estrutura do poder municipal, tais empresários afetavam as tomadas de decisão ao agilizar pagamentos a empresas específicas e interferindo dentro dos processos de licitação para favorecer quem aceitasse pagar propina ao grupo liderado por Marcelo Crivella.

Segundo a desembargadora, a justificativa de que Crivella não colocaria a ordem pública em risco é semelhante a “querer fechar os olhos à realidade dos chamados crimes do ‘colarinho branco’”. Rosa Helena foi quem determinou a prisão do prefeito no último dia 23, enquanto Martins decidiu coloca-lo em prisão domiciliar. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

 

 

Leia Também
Depoimento de Witzel em processo de impeachment é suspenso por Moraes
Policiais serão beneficiados, mais uma vez, em indulto de Natal de Bolsonaro
Operador financeiro de Crivella é apontado como “perigoso”
Caso Crivella: “Acusação tresloucada”, diz Igreja Universal acusada de lavar R$ 6 bi
Crivella vai cumprir prisão domiciliar, decide STJ
Igreja Universal teria servido de lavagem de R$ 6 bi para QG da Propina
Prisão de Crivella é nova derrota para Bolsonaro
Empresários revelam pagamento de propina em esquema com Crivella
Crivella e o desmonte da saúde, a saga. Por Dr. Luiz

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

luciano

- 2020-12-28 11:34:37

tudo como dantes no quartel de abranches.

jcordeiro

- 2020-12-28 01:19:35

Nassif: que o MeliantePrefeito era um dos chefões disso ninguem tem dúvida. Mas não o maior. Há cabeças mais altas. É fato notório. Direto e indiretamente ligados, inclusive, há grandotões das Igrejas (até aquelas que pegam dindim da Colômbia pra comprar radios e TVs). E violência ou roubalheira não vêem dos morros ou das periferias. Nestes locais, só bagrinhos-come-lôdo. Logico, esse Alcaide vai pagar o pato. É preciso mostrar empenho tanto aos Pobres-de-Direita como aos VangélicosAvivados. E o resto das Quadrilhas, sempre à sobra das Baionetas, continuarão suas gloriosas e prósperas indústrias criminosas. A GradeMídia, encastelada na BarraFunda, no JardimBotânico e na Barão de Limeira, bem remunerada como está. é capaz até de inventarem campanha difamatória contra JesusCristo, em pleno Natal. São penas mercenárias, cujos proprietários vendem a própria mãe por um gole de pinga. O Rio pode até continuar seu rumo. Mas enquanto suas margens estiverem recobertas pela lama esverdeada, que de há muito veda a entrada da água límpida e restauradora, terra à dentro, o episódio com o BurgoMestre será apenas mais um acontecimento de pirotecnia militar, para os grandes noticiários venderem mais espaços comerciais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador