Recado do Nassif

O bolsominion e o xadrez, por Luis Nassif

Além disso, cada peça pula para um lado, são os bispos andando de lado, cavalos pulando de esgueio. O único retilínio é a torre, que me lembra muito o grande general Pazuello.

Para Barroso, a Lava Jato, assim como a malandragem, é coisa nossa

O fato da Lava Jato ter resultado em Bolsonaro não passa por suas análises. Menciona inimigos muitos poderosos que usam todas as armas. Faltou dizer das forças poderosas que permitiram a uma operação liquidar a economia brasileira e derrubar um governo legitimamente eleito.

Se um jornalista falar em nome de “empresários”, não dê atenção.

Quando um jornalista cita um empresário em off, como se fosse o conjunto de empresários, de três, uma: ou a fonte é irrelevante, ou não existe a fonte. Em qualquer caso, não existe jornalismo.

Uma boa novidade na imprensa: os editoriais do Estadão

Nos últimos tempos, ao menos na página de editoriais, o Estadão parece recobrar o antigo brilho liberal conservador, dos tempos de Fernando Pedreira e Oliveiros Ferreira. A defesa dos direitos individuais, a condenação dos abusos da Lava Jato, as preocupações com meio ambiente trazem de volta, às vezes, o velho jornal que se preocupava em defender o interesse nacional, ainda que se pudesse questionar o que era considerado interesse.