Após ignorar pedidos de proteção aos Guajajara, Moro envia força nacional ao Maranhão

Ministro anuncia que a PF vai investigar assassinato dos indígenas para evitar "novo incidente criminoso"

Foto: José Cruz/Agência Brasil

do Brasil de Fato

Após ignorar pedidos de proteção aos Guajajara, Moro envia força nacional ao Maranhão

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, anunciou nesta segunda-feira (9) o envio da Força Nacional de Segurança Pública para apurar as circunstâncias do assassinato de dois indígenas Guajajara no município de Jenipapo das Vieiras (MA), ocorrido no último sábado (7).

Na ocasião, morreram os indígenas Firmino Prexede Guajajara e Raimundo Bernice Guajajara. Eles voltavam de uma reunião com integrantes da Eletronorte e da Fundação Nacional do Índio (Funai) quando foram surpreendidos por um automóvel Chevrolet Celta branco, de vidro espelhado, da onde partiram os tiros.

Moro informou que a Polícia Federal (PF) assumirá as investigações do caso, “a fim de evitar qualquer novo incidente criminoso”.

Meses de silêncio

A região onde ocorreram os assassinatos é palco de conflitos entre indígenas e madeireiros. No mês passado, a 280 km dali, o “guaridão da floresta” Paulo Paulino Guajajara, de 26 anos, foi morto em uma emboscada na Terra Indígena Arariboia, em Bom Jesus das Selvas (MA).

Conforme revelado pelo portal Amazônia Real, Francisco Gonçalves, secretário estadual de Direitos Humanos, enviou um ofício à PF e ao Ministério Público Federal (MPF) informando que os guardiões da floresta sofriam “ameaças constantemente em relação à atuação ilegal de madeireiros na região” e “pedindo providências cabíveis no âmbito de suas atribuições”. No dia 23 de setembro, Gonçalves enviou um segundo ofício, diretamente a Moro, “para ciência e tomada de providências quanto à proteção de mulheres, idosos e crianças indígenas, na Terra Indígena Governador, localizada no município de Amarante”. Não houve resposta.

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) contabiliza, ao todo, 43 assassinatos de indígenas Guajajara entre os anos de 2000 a 2019 em situação de conflito de terra com madeireiros.

Leia também:  Apatia de Moro na defesa da Lava-Jato decepciona interlocutores

Edição: Daniel Giovanaz

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora