Revista GGN

Assine

Para Gabrielli, acusações do Caso Pasadena são eleitoreiras

Da Folha de S. Paulo

 

Oposição faz campanha contra Dilma, diz ex-presidente da Petrobras

JOÃO PEDRO PITOMBO
ENVIADO ESPECIAL 

O ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli afirmou neste sábado (29), na Bahia, que há um exagero nas informações sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), motivado por questões eleitorais.

"Não há dúvida de que essa exacerbação das informações é campanha eleitoral. É claramente uma ação da oposição contra a presidente Dilma [Rousseff]. Não tenho dúvida de que é uma questão política", disse Gabrielli a jornalistas ao chegar à reunião anual do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), em Costa do Sauípe (85 km de Salvador).

A compra da refinaria de Pasadena é alvo de investigações do Tribunal de Contas da União (TCU), da Polícia Federal e do Ministério Público Federal por suspeita de superfaturamento.

Gabrielli presidiu a Petrobras de 2005 a 2012, quando assumiu a Secretaria de Planejamento da Bahia. Neste sábado, ele defendeu a compra da refinaria norte-americana como um bom negócio no contexto da época da aquisição, em setembro de 2006.

O ex-presidente afirmou que atualmente a refinaria tem produção de 100 mil barris por dia, gerando um faturamento de R$ 3,6 bilhões para a petroleira brasileira. "A refinaria dá lucro para a Petrobras", afirmou.

Ele ainda classificou como falsa a informação de que a refinaria norte-americana teria custado R$ 1,1 bilhão à Petrobras.

"A refinaria saiu, em termos de ativo da refinaria, por US$ 486 milhões, que correspondem a US$ 4.860 por barril. Eu desafio qualquer analista a dizer que este preço está acima do mercado", afirmou.

Gabrielli lamentou o pedido de criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar suspeitas de irregularidades envolvendo a compra da refinaria, mas disse que, se convidado, vai prestar esclarecimentos por "não ter nada a esconder".

"Nós já tivemos uma CPI [instalada em 2009 para investigar a Petrobras]. Acho que sou um dos poucos brasileiros vivos com a experiência de ter duas CPIs na vida", disse.

COMPRA SUSPEITA

A Petrobras está no centro de uma crise política desde a revelação, no último dia 19, de que a presidente Dilma apoiou, quando ministra de Minas e Energia da gestão Lula e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, em 2006, uma compra suspeita de irregularidades envolvendo uma refinaria de petróleo em Pasadena (EUA).

Grosso modo, suspeita-se que a Petrobras tenha pagado mais do que o necessário e aceitado cláusulas que a prejudicaram em um litígio posterior com o sócio no negócio, uma empresa belga.

Ao jornal "O Estado de S. Paulo", que divulgou a informação, a presidente reconhecia pela primeira vez ter apoiado a compra apenas em razão de "informações incompletas" de um parecer "técnica e juridicamente falho" que recebera. Desde então, perderam os cargos dois funcionários da Petrobras, entre eles o engenheiro José Orlando Azevedo, primo de Gabrielli, que ocupava cargo de diretor comercial em uma das subsidiárias da empresa.

Azevedo presidiu a Petrobras America entre 2008 e 2012, período em que a petroleira brasileira esteve envolvida na disputa judicial como grupo belga Astra Oil pelo controle da refinaria de Pasadena. A Petrobras America era o "braço" da Petrobras na sociedade com os belgas.

A onda de más notícias envolvendo a Petrobras foi reforçada pela prisão, na quinta-feira (20), do ex-diretor de refino e abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, detido pela Polícia Federal sob suspeita de envolvimento em suspeitas de fraudes na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Média: 4.2 (5 votos)
14 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Juarez Vasconcellos
Juarez Vasconcellos

Pasadena foi só um negócio

A compra de Pasadena foi só um negócio, dentre as centenas de negócios realizados pela Petrobras - qual a empresa (ou pessoa) do mundo que eventualmente faz um mau negócio? E pelo que tenho visto, Pasadena está se tornando um bom negócio, refinando 100.000 barris por dia

Seu voto: Nenhum

JB Concordo com vc.  As

JB

Concordo com vc.  As coisas não podem ser tratadas com arromobos. Mas o principal problema é que cada declaração de Dilma e da Graça poem lenha na fogueira.Parecm até duas pessoas desesperadas em se livrar do assunto. Fica dificil acreditar que algo muito grave não está acontecendo. Os fatos são derriveis:

Diretor preso

Comite que a presidente da empresa diz que não conhecia

Presidenta dizendo que foi enganada no conselho

O PT em vez de esclarecer os fatos de forma clara e argumentando prefere atribuir tudo que está acontecendo a oposição.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Carlos Batista

imagem de agincourt
agincourt

abobrinhas do Gabrielli

Fala sério, Gabrielli.

O Caso Pasadena é eleitoreiro.

O aumento de impostos e da tarifa de energia elétrica pra depois da eleição de Dilma é eleitoreiro.

A eleição é eleitoreira.

É a suprema regra do jogo. Não tem do que reclamar.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Motta Araujo
Motta Araujo

Do CEO de uma das maiores

Do CEO de uma das maiores empresas do mundo se espera um QI altissimo, dizer que a acusação é eleitoreira é papo de prefeitinho de Cachoeira das Formigas, em um caso desses cabem explicações objetivas e não dizer que o "cara que acusou não gosta de mim e quer me prejudicar"", isso é abixo de primario, conversinha do seo Nézinho do Bode, vereador de Sucupira.

Seu voto: Nenhum (8 votos)
imagem de FVX
FVX

Não é necessário QI para

Não é necessário QI para perceber isso até as mumias do Egito, o mundo mineral e os meus botões sabem...

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de nilo
nilo

Concordo com Gabrielli a

Concordo com Gabrielli a compra da refinaria de Pasadena foi e é um excelente negócio para a Petrobrás. As cláusulas de opção de compra e Merlin foram razoáveis e refletiram interesses da Petrobrás e da Astra, inista-se (esta) não produtora e refinadora de petróleo mas apenas uma empresa comercializadora do produto pronto. A Petrobrás está fincada no território dos EUA (maior produtor e consumidor mundial), está em franca produção e gerando lucros 

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Meu caro Dar lucro é ,muito

Meu caro

Dar lucro é ,muito diferente de ser viável. Dar lucro significa que as receitas sao maiores que as despesas. Mas e o investimento está sendo remunerado?? Vai ser pago em quanto tempo??? AQual é o VPL desta operação??? Até Dilma já confessou o péssimo negócio e vem o Gabriele se defender com meias verdades.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Carlos Batista

O Banco que deu aval será

O Banco que deu aval será ouvido pela oposição? Pela mídia?

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Nascemos sem trazer nada, morreremos sem nada levar...

E neste intervalo entre nascer e morrer, lutamos pelo que não trouxemos e mais ainda pelo que não levaremos...

 

imagem de Motta Araujo
Motta Araujo

Banco não dá aval nem para a

Banco não dá aval nem para a mãe do banqueiro, um banco deu um "parecer" que não significa nada porque nenhuma empresa paga por um parecer CONTRA o negocio que ela quer fazer. Esses bancos que dão "relatorios"" para recomendar um negocio tem a moral de "garotas de programa" fazem  do jeito que vc queiser.

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de J. Costa
J. Costa

"Banco não dá aval nem a mãe

"Banco não dá aval nem a mãe do banqueiro...", Dá mais do que aval, presta fiança bancária, a garantia mais líquida e desejada em operações de crédito (muito mais do que uma hipoteca), a depender (obveiamente) da credibilidade do banco. 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de FVX
FVX

Então nenhum banco dá

Então nenhum banco dá "parecer" na Shell?

A Shell nunca deu uma "bola fora" nem aqui nem na Nigeria?

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Motta Araujo
Motta Araujo

A Shell não precisa de

A Shell não precisa de parecer, quem a dirige não é pé de chinelo.

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de FVX
FVX

Qto ao parecer não é o que o

Qto ao parecer não é o que o seu site diz..

Qto ao "pé de chinelo" que vc diz eu gostaria de ver uma Shell tão vigiada qto a Petrobras para saber se os "pé de chinelo" de lá são tão bons qto os daqui?

E a Nigéria?

Seu voto: Nenhum

Enquanto isso

Enquanto isso, as duas Presidentas, da República e da empresa, só pensam em se eximir de uma suposta irregularidade, agindo, exatamente, como querem a oposição e a "grande" mídia, seu maior partido. Aliás, Dilma foi quem deu o "ponta pé inicial" em todo este atual alarido, com sua precipitada e desnecessária nota, dando importância demais ao Estadão.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Acredito no presidente da

Acredito no presidente da Petrobrás. Mesmo porque seria o final dos tempos essa transação ter se realizado nos moldes de que a tratam as oposições política e midiática, os ingênuos e os mal intencionados em geral. 

Não teria nenhuma lógica e incorreriam num grosseiro e explícito crime seus responsáveis uma transação tão díspare: comprar por 42 e pagar 1,12 bi. Só por aí já se observa uma total falta de senso e de responsabilidade alardear-se tal despautério. 

Precisamos colocar mais seriedade no debate político. Disputa eleitoral não é um vale tudo. A Petrobrás é a maior empresa brasileira; tens ações em bolsa e explora um negócio de altos riscos(financeiros e operacionais). 

Não se trata de jogar lixo para debaixo do tapete. Não. Primeiro tem que se averiguar que estamos tratando de "lixo" ou de mais um negócio que aparentemente foi frustante - não na proporção apocalíptica lardeada, mas que na época foi dentro dos ditames do chamado "mercado". 

Somente após uma investigação neutra, livre de paixões políticas-ideológicas, se poderá fazer juízo definitivo de valor. Por enquanto as explicações de Gabrielli, corroboradas por alguns especialistas, me satisfazem. 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.