IPCA de dezembro totaliza 1,35%, segundo IBGE

Inflação oficial apresenta seu resultado mais elevado desde fevereiro de 2003, e a maior variação para um mês de dezembro desde 2002

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do mês de dezembro, que foi divulgado junto com o total anual, subiu para 1,35%, atingindo assim sua variação mais elevada desde fevereiro de 2003 (1,57%) e a maior para um mês de dezembro desde 2002 (2,10%). Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Todos os grupos pesquisados tiveram alta ao longo do período, mas o destaque ficou com habitação (2,88%), por conta do aumento de 9,34% na tarifa de energia elétrica. “Em dezembro, passou a vigorar no país a bandeira tarifária vermelha patamar 2, com acréscimo de R$ 6,243 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Além disso, houve reajustes tarifários em Rio Branco e Porto Alegre”, explica o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

A segunda maior contribuição veio de alimentação e bebidas (1,74%), apesar da desaceleração frente ao mês anterior (2,54%). Segundo os dados do IBGE, houve queda nos preços do tomate (-13,46%) e altas menos intensas nas carnes (3,58%), no arroz (3,84%) e no óleo de soja (4,99%). Por outro lado, os preços das frutas subiram de 2,20% para 6,73%.

Outro destaque foi o grupo transportes (1,36%), com variação próxima a de novembro (1,33%). Os demais ficaram entre o 0,39% de comunicação e o 1,76% de artigos de residência.

Entre os locais pesquisados, a maior inflação de dezembro foi registrada no município de São Luís (2,18%), puxada pela alta de 11,30% no preço das carnes, enquanto o menor resultado ficou com o município de Aracaju (0,91%), por conta da queda nas mensalidades dos cursos regulares (-0,78%) e nos preços de alguns produtos alimentícios, como o queijo (-6,33%) e o tomate (-6,04%).

Leia também:  Antologia da ignorância institucional brasileira: os cabeças de planilha

 

 

Leia Também
Circulação de nota de R$ 200 fica bem abaixo do esperado
IBGE projeta novo patamar recorde para safra agrícola
IPCA termina 2020 no maior patamar dos últimos quatro anos
População carente perde R$ 32 bi com fim do auxílio emergencial
Todos os trabalhadores perderam renda em novembro, segundo IPEA
Fim do auxílio emergencial joga mais de 10 milhões de brasileiros na miséria
Salário mínimo chega a R$ 1.100 a partir de janeiro
Auxílio emergencial injetou mais dinheiro na economia do que arrecadação tributária

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome