Enquanto trabalhava no jardim, Wittgenstein discutia filosofia com as rosas, por Sebastião Nunes

Enquanto as eleições não chegam, pra gente derrubar do trono o palhaço que sentou praça na ignorância, apelo para a filosofia da linguagem para não chegar a lugar nenhum

Enquanto trabalhava no jardim, Wittgenstein discutia filosofia com as rosas

por Sebastião Nunes

Ajoelhado entre os canteiros, o excêntrico pensador cavava, adubava, podava, expulsava insetos indesejáveis…

– Caiam fora, seus idiotas!

… e, durante horas, sonhava que suas roseiras explodiam em cores, para alegria dos monges e dos visitantes do mosteiro em que conseguira emprego como assistente de jardineiro. Nada mal para um ex-professor de filosofia. Além do mais, seu “Tractatus Logico-Philosophicus”, em sua própria e imodesta opinião, resolvia todos os problemas filosóficos, existentes ou por existir. O que mais desejar?

– Devemos calar sobre o que não se pode falar – disse ele, como se conversasse com um velho que, sentado num banco de pedra a mais de cem metros, jamais poderia ouvi-lo.

– De fato – observou uma voz alta e fina. – Mas seria melhor se dissesse “Poder pensar o limite do pensamento é poder pensar os dois lados desse limite”.

Ludwig olhou para o velho: não, a voz não podia vir dele. Estava longe demais e, além disso, era muito alta e fina para pertencer a um velho.

– E também poderia dizer “Nesse caso, deveríamos poder pensar o que não pode ser pensado” – continuou a voz, ainda mais alta e mais fina. – É ou não é?

“Estarei ficando louco?” – pensou Ludwig. – “Era só o que me faltava”.

– De forma que poderia continuar assim: “Portanto, o que estiver do outro lado do limite da linguagem será absurdo”.

De repente, e usando de toda a sua perspicácia, Ludwig compreendeu que a voz provinha de uma rosa cor de rosa que estava exatamente por cima dele.

– Ora, ora, ora – exclamou. – Quem diria que eu um dia estaria conversando com uma rosa cor de rosa, ou melhor, ouvindo uma rosa repetir minhas ideias!

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

NÃO: WITTGENSTEIN NÃO ERA DOIDO

– Uma rosa só, não – disse uma vozinha um pouco mais aguda. – Melhor dizer rosas, no plural. Todas nós somos filósofas. – E riu, uma risadinha irritante.

Ludwig olhou em volta e constatou que, de fato, várias rosas o encaravam, se é que rosas encaram alguém. A que acabara de falar era amarela.

Olhinhos pretos, que não tinha reparado, o vigiavam atentamente. Em algumas pétalas, pequenas rugas semelhavam bocas, que riam.

“Quem ousaria acreditar nisso” – pensou. “Acaso estivessem aqui Russel ou Frege ou Popper, seria um revoar de novas teorias”.

Não teve tempo de continuar pensando em filósofos, pois, à queima-roupa uma rosa azulada indagou:

– Por acaso você conhece Fernando Pessoa ou Ralph Wald Emerson?

Ludwig torceu o nariz:

– Não.

– Fernando Pessoa, por seu heterônimo Alberto Caeiro, foi um poeta-filósofo português que…

– Ele pensava e escrevia em Português?

– Sim.

– Então ele está além dos limites da linguagem, pois o português não existe. Pelo menos não existe como linguagem civilizada.

– Ora, absurdo é o que você está dizendo – irritou-se a rosa cor de rosa. – Só porque ele pensou em português, não pode ser um grande pensador?

– Não pode não – reforçou Ludwig. – Só se pode pensar seriamente em inglês ou em alemão.

– E Emerson? Ele pensou e escreveu em inglês.

– Inglês da Inglaterra?

– Não. Inglês estadunidense.

– Nesse caso, também não existe, não importa o que imaginou ter pensado ou o que seus leitores imaginam ter lido.

A rosa amarela franziu pequenos beiços e ameaçou chorar.

– Não chore, minha querida – consolou Ludwig. – Você, com sua alegria, é mais importante para a filosofia do que esses inexistentes, ainda que pensem existir.

As três rosas se entreolharam. De fato, aquele filósofo-jardineiro, com toda a sua lógica, não passava de um autista, como a psicologia futura viria a demonstrar. Além de imperialista, como só conseguem ser os ingleses, ainda por cima desprezava aqueles que pensavam em línguas que não fossem o inglês britânico.

Para encerrar conversa tão absurda, a rosa azulada concordou:

– De fato, Ludwig – disse ela. – Mas, no futuro, o inglês estadunidense dominará de tal forma o mundo que será falado em todos os continentes e países.

– Já o português, coitado – intrometeu-se a rosa amarela. – Quem escrever em português só será lido se – por um acaso quase absurdo – chegar a ser traduzido.

**********

“Os limites da minha linguagem são os limites do meu mundo.” (Ludwig Wittgenstein)

Sebastião Nunes é um escritor, editor, artista gráfico e poeta brasileiro.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

O grande festival de Sertanejo Universitário no Céu, por Sebastião Nunes

No dia em que Clarice Lispector quase matou de susto uma galinha, por Sebastião Nunes

O primeiro encontro de Machado de Assis com sua futura conselheira, por Sebastião Nunes

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador