Dinheiro do Fundo Nacional de Saúde ajuda governistas no Congresso

Boa parte dos R$ 7,4 bilhões distribuídos em emendas de relator em 2021 foram para redutos eleitorais de líderes do Centrão

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Boa parte dos recursos do Fundo Nacional de Saúde (FNS) em 2021 se destinou a atender redutos eleitorais de caciques do Centrão em 2021, ao invés de se utilizar critérios técnicos para a distribuição das verbas em meio à pandemia de covid-19.

Reportagem do jornal O Globo destaca que a quantia em emendas que abastece o FNS aumentou 112% entre os anos de 2019 e 2021, sendo que quase metade desse aumento se deu via orçamento secreto.

Apenas no ano passado, as cidades que são redutos eleitorais de autoridades do Centrão receberam boa parte dos R$ 7,4 bilhões em emendas de relator.

Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente

Junte-se a nós! https://www.catarse.me/jornalggn

Uma parte desses pagamentos ocorre via “transferência fundo a fundo”, em que os recursos do Orçamento vão para o fundo nacional e, em seguida, são repassados para um fundo estadual ou municipal de saúde, o que dificulta a identificação dos gastos.

Além disso, a transferência ocorre mais rapidamente: o dinheiro chega às prefeituras em dias, enquanto emendas de outros órgãos podem levar anos para serem liberadas.

Desta forma, cidades com padrinhos políticos influentes no governo acabam recebendo mais dinheiro e mais rapidamente. Um exemplo citado na reportagem é a cidade de São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

Reduto eleitoral do líder do PL na Câmara, deputado Altineu Côrtes, a cidade recebeu R$ 133 milhões em emendas parlamentares, sendo que a maior parte (R$ 111 milhões) veio do orçamento secreto. O valor é sete vezes maior ante os R$ 14 milhões direcionados à capital fluminense.

Leia Também

Bolsonaro já deu início ao golpe, segundo Bernardo Mello Franco

Bolsonaro esconde Brasil do mundo, segundo Jamil Chade

Fábio Faria fez reunião no Palácio do Planalto com empresa de sistema espião vetado pelo TCU

STF aponta ilegalidade em relatórios do governo Bolsonaro contra opositores

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador